Kerry King sobre Megadeth: "são como fantasmas para nós"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Kako Sales, Fonte: Blabbermouth.Net, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Tom Valcanis, do The Metal Forge, entrevistou o guitarrista do SLAYER, Kerry King, durante a recém-finalizada turnê autraliana junto com o MEGADETH. Trechos da entrevista podem ser vistos abaixo:

3489 acessosMegadeth: cinco vezes onde a banda foi melhor que o Metallica5000 acessosLemmy: "as pessoas se tornam melhores quando morrem"

Sobre a turnê autraliana com o MEGADETH:

“Foi ótimo, cara. Quer dizer, eu estive ocupado pra caralho... Quer dizer, estivemos tão ocupados que nem mesmo saíamos após os shows. Depois que acabávamos, todo mundo (do MEGADETH) já tinha sumido. Eu nunca tinha saído em turnê com eles antes; não conheço o jeito deles, mas, sim, eles são como fantasmas para nós”.

Sobre rumores de que o baixista/vocalista do SLAYER, Tom Araya, ter dito em uma recente entrevista que o novo trabalho da banda, “World Painted Blood”, seria provavelmente o antepenúltimo álbum antes que o SLAYER pendurasse as chuteiras e descansasse o pescoço permanentemente:

“Eu nem sei de onde isso saiu. Tom deve ter dito alguma coisa porque eu fico perguntando sobre isso. Eu nem sei o que isso significa. Nós não nos sentamos e conversamos sobre essas coisas. Eu vejo coisas na imprensa, mas quem sabe? Poderiam ser três, poderia ser só este e o próximo. Tudo depende da demora entre os álbuns. Se demorar muito, aí sim, o relógio começa a contar. Eu acho que isso começou com o ‘Christ Illusion’, porque levou cinco anos para fazê-lo. Quer dizer, eu disse mesmo que se levasse mais cinco anos para gravar outro álbum, seria provavelmente o último; quer dizer, serão dez anos e só dois álbuns feitos. Mas este foi este foi feito em três e espero que o próximo seja feito em dois ou três. Estou me divertindo, os shows tem sido incríveis e estamos fazendo ótimas músicas, a galera jovem está comparecendo e curtindo pra caralho”.

Sobre o “World Painted Blood” conter quatro partes diferentes de um mapa mundi em cada CD, cada um vendido separadamente (devido à pressão dos varejistas americanos por conteúdo “exclusivo”):

“Eu sei que fãs são loucos, vão sair e comprar os quatro, mas para mim seria tipo, ‘cara, eu tenho um, nele tem todas as músicas, é tudo que eu preciso’. Mas muitos varejistas nos EUA querem exclusividade nas músicas. Então, ao invés de ‘gastar’ músicas, Dave (Lombardo, baterista) teve a idéia de ‘por que não pegarmos a arte e dividirmos em quatro?’ Quer dizer, uma loja quer uma versão, outra loja quer outra versão... Então eu não vou ‘gastar’ músicas desse jeito. Se as pessoas estão comprando músicas, elas deveriam poder comprar a coleção. Quer dizer, sobraram duas músicas e tenho certeza que elas vão acabar numa edição de luxo ou num jogo de vídeogame ou numa trilha sonora de filme. Esse foi um jeito de não desperdiçar músicas e manter os varejistas felizes”.

Sobre a afirmação de que eles foram os “responsáveis pela criação do death metal”:

“Bem, a coisa de que eu tenho mais orgulho do que isso é, bem, em minha história, foi juntar a galera do punk com o metal. Acho que nós servimos de instrumento para aquilo. Eu lembro que, se você estivesse num show de metal, não havia nenhum punk lá. Éramos um tipo de banda que ambas as ‘facções’ gostavam. Era uma tentativa de faze-los co-existir, saca? D.R.I. teve uma grande participação nisso também, e eu acho que isso é importante. Quer dizer, seria importante para os fãs de death metal e isso é ótimo, mas não sou muito fã de death metal. Não é minha área”.

Leia a entrevista na íntegra no The Metal Forge.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MegadethMegadeth
Cinco vezes onde a banda foi melhor que o Metallica

3109 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa527 acessosMarty Friedman: ouça "Miracle", single do novo álbum solo3537 acessosMetallica: e se James Hetfield cantasse no Megadeth?0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Megadeth"

Rock In Rio 1991Rock In Rio 1991
10 curiosidades sobre a 2ª edição do evento

MegadethMegadeth
Mustaine pensou em regravar "Killing Is My Business" com Kiko e Adler

Kiko LoureiroKiko Loureiro
Filha ajuda o guitarrista a aprender "Holy Wars"

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Slayer"0 acessosTodas as matérias sobre "Megadeth"

MotorheadMotorhead
Lemmy fala sobre Metallica, Ozzy, Randy Rhoads e mulheres

New MetalNew Metal
Raiva, calças folgadas, problemas na infância...

HeadbangersHeadbangers
O preconceito mostrado em vídeo bem-humorado

5000 acessosGuns N' Roses - Perguntas e Respostas5000 acessosDavid Bowie: muito mais assustador que Michael Jackson5000 acessosShaman: baixista desabafa sobre cena brasileira5000 acessosDave Mustaine: falando como foi tocar com o Metallica2447 acessosLed Zeppelin: "Bron-Y-Aur Stomp" tem relação com J.R.R. Tolkien?5000 acessosSlayer: "Nós somos nossos piores críticos", diz Araya

Sobre Kako Sales

Mineiro de Januária, baterista autodidata, cresceu em ambiente familiar ligado à música popular e erudita. Seu pai chegou a fazer pequenas turnês com bandas da Jovem Guarda como tecladista no fim da década de 70. Aos 10 anos, iniciou os estudos de teoria musical e piano clássico. Teve o primeiro contato com o mundo do metal ao escutar o CD Angels Cry do Angra, aos 15 anos. Desde então tem se dedicado a conhecer, colecionar e difundir o melhor do metal brasileiro e mundial. Graduado em Letras/Inglês, principalmente por influência da língua-mãe do rock, tem como principais ícones do metal as bandas Angra, Symphony X, Dream Theater e Opeth.

Mais informações sobre Kako Sales

Mais matérias de Kako Sales no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online