Max e Igor: "estilo Cavalera de fazer Metal"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Carlos Vinícius dos Santos Oliveira, Fonte: Soulfly - site oficial, Tradução
Enviar Correções  

Em entrevista publicada no site oficial do SOULFLY, Max Cavalera comenta as perspectivas sobre o novo trabalho da banda e a parceria com seu irmão, Igor.

Kirk Hammett: "Mustaine toca rápido e eu, melódico"

VH1: 100 melhores músicas de hard rock de todos os tempos

Soulfly Web: Primeiramente, nós provavelmente iremos discutir "Inflikted", pois é o que todos andam escutando ultimamente. É notório o fato de que todos estão escutando algo diferente, pois ouvi comparações englobando muita coisa, como crust punk, amebix, Thrash metal e até industrial. Inegavelmente está tudo bem cru e punk. Como você consegue juntar sons tão distintos de uma forma coesa em uma só música? E quais bandas pesadas você anda ouvindo mais neste verão [americano]?

Max: "Fazer isso com 'Inflikted' foi realmente prazeroso para mim, é algo que eu nunca havia feito antes. Sabe, normalmente eu faria o meu esquema '4-tracks', mas eu também tenho a chance de ir ao estúdio e trabalhar nisso, escutar isso com a banda antes de todos saberem o que estou pensando sobre. Bem, é muito legal, pois aquela gravação é tão crua como deveria. Eu já voltei e refiz algumas partes vocais e adicionei um punhado de outras, mas nesse ponto, ainda continua tudo muito cru. Mas é como você disse, eu gosto do fato de 'Inflikted' ser uma música que carrega diferentes sons. Com certeza tem uma veia hardcore/punk nela, influenciada por coisas como o velho Cro-Mags, mas também temos o aspecto 'heavy', os riffs, por exemplo, que estão na veia até do Death Metal, sabe, coisas que ouvimos; Morbid Angel e Massacre. Nessa faixa só temos a 'Drum Machine' [tipo de bateria eletrônica], o que alguns irão ver como algo similar ao Nailbomb - na verdade é a mesma que usei no Nailbomb. Usei também com o Deftones na 'Head Up', e também em todas as gravações do Soulfly. No final, ficou parecendo que 'Inflikted' veio como uma mistura de todos esses sons, mal posso esperar para tocar as novas músicas ao vivo. Cada vez que escuto as músicas, elas me absorvem mais e mais. E eu sei que 'Inflikted' irá trazer fúria à platéia quando tocada ao vivo".

Soulfly Web: Quando conversamos, há aproximadamente dois meses atrás, você estava apenas começando a colocar algumas dessas demos que estávamos falando para gravar. Em que estágio da gravação do próximo album do Soulfly você e a banda estão?

Max: "Nós todos estamos tendo um contato próximo com TUDO, a banda está bastante firme agora - mais do que nunca. Acho que esse álbum vai mostrar um Soulfly mais desenvolvido, concreto e muito mais sólido. Pois eu conheço Bobby, Marc e o Joe muito bem agora, e amo o que todos fazem, amo o projeto solo do Marc e tudo o que eles estão fazendo musicalmente, mas ao mesmo tempo, isso tudo não interfere no Soulfly nem nada parecido. Do cover de Marilyn Manson que gravamos a fazer shows na Argentina, Chile e Espanha, eu já posso ver que esse vai ser um dos álbuns mais fortes do Soulfly, justamente por quê estamos todos na mesma página. Ninguém está segurando ninguém e só queremos ir pra frente com isso. Se começarmos a gravar com esse tipo de atitude, as gravações serão muito divertidas. Agora estamos vendo planos de gravar e fazer a tour logo depois. Eu amei o 'Dark Ages', mas, quero começar a tocar algumas das coisas novas".

Soulfly Web: Com todo esse papo de peso e brutalidade no novo álbum, você acha que os fãs de longa data do Soulfly poderão se incomodar com o possível fato de que o positivismo e a característica alto-astral da sua música talvez não seja mais o foco da banda? Digo, essas músicas ainda são influenciadas por dub, ambient e outros estilos como esses?

Max: "É claro, você não precisa se preocupar quanto a isso. Como qualquer pessoa que sabe o que eu fiz antes, estou procurando caminhos para fazer com que o novo álbum seja muito interessante. Além do que não veja razão para me repetir, e eu penso assim desde os tempos de Sepultura, no começo mesmo. Ainda existem elementos daquela época, mas sempre temos um progresso que se torna evidente de álbum pra álbum. A mensagem, entretanto, está toda lá, cara. Eu acredito em tudo que disse com o Soulfly, as coisas positivas e as negativas. O 'Dark Ages', por exemplo, foi um pouco mais obscuro que o 'Prophecy', mas isso ocorreu pois era um tempo obscuro pra mim, com a morte de Moses, o assassinato do Dimebag - rolou muita tragédia e frustração pra mim. Mas sim, essas influências ainda estão lá, ainda que bastante diferentes. Ainda sou o mesmo Max loucão".

Soulfly Web: Você tem alguma idéia de quais serão os planos do Soulfly pelo resto do verão, quanto às gravações e turnês?

Max: "Ainda não temos muita certeza, mas estamos tentando planejar o ano agora mesmo, parece que faremos uma tour pela Europa em agosto com muitas bandas boas, depois, vamos entrar de cabeça nos ensaios, e finalmente vamos pro estúdio gravar o álbum. Normalmente nós chegamos da tour, temos um pequeno descanso, e vamos direto para o álbum. Dessa vez vamos direto da tour para o estúdio começar as gravações, acho que isso vai se refletir no álbum. Vamos estar saindo direto da turnê, tudo estará bastante fresco e novo, estou contando com isso como um fator marcante nessa gravação. Quero aproveitar a energia da tour pro álbum, direto para a primeira nota que vou ouvir dele".

Soufly Web: Caralho! Perfeito! Bem, Jose, do Sirus, deixou escapar que você e seu irmão Igor estão de volta em uma parceria musical depois de muito, muito tempo. Ele apenas usou a palavra "doentio" [a palavra usada aqui foi "sick", interprete como um elogio] para descrever o som, mas alguns fãs do Sepultura talvez precisem de algo mais que isso. Você poderia tentar descrever este projeto? Por quê você está fazendo isso? E como ele soa musicalmente?

Max: "Yeah, nós havíamos saído com o Jose fim de semana passado, ele é um grande fã e amigo meu. Nós não temos muitos detalhes sobre o projeto, pois não queremos colocar nenhum limite nisso, mas o que tocamos com ele era muito cru. Eram minhas demos pessoais, assim como a de 'Inflikted', mas ainda mais cru, sem vocais nem nada. Espero que as pessoas fiquem bastante animadas com isso, será um álbum muito especial pra gente, independente do que aconteça. É a primeira vez em dez anos que trabalho em estúdio com meu irmão. Em vários aspectos é histórico e até mágico pra mim - dez anos é muito tempo. Esse projeto será algo como um vulcão em erupção. Temos tanta ira e agressão crescendo, sei que o Igor vai destroir a porra do kit de bateria no estúdio. Duvido até que o kit sobreviva à gravação, espero que não. Até agora está soando bastante agressivo, mas de novo, não tem regras nem limitações nisso. Será basicamente eu e o Igor, mas gostaria de ter alguns outros caras envolvidos no projeto. Algo parecido com o Nailbomb no aspecto de que serão dois caras, alguns amigos e um álbum - mas definitivamente terá seu próprio estilo. O estilo Cavalera de fazer metal. E o mais próximo que qualquer pessoa vai ver em questão de reunião. Não sei o que vai acontecer, mas estou MUITO animado pra ver onde isso vai chegar e o que podemos fazer".




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Kirk Hammett: Mustaine toca rápido e eu, melódicoKirk Hammett
"Mustaine toca rápido e eu, melódico"

VH1: 100 melhores músicas de hard rock de todos os temposVH1
100 melhores músicas de hard rock de todos os tempos


Sobre Carlos Vinícius dos Santos Oliveira

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin