Rudy Sarzo: "existiram dois Randy Rhoads"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Alexandre Tamanini, Fonte: KNAC.com, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

Debby Rao, do site KNAC.COM, recentemente conduziu uma entrevista com um veterano do Hard Rock/Heavy Metal, o baixista Rudy Sarzo (OZZY OSBOURNE, WHITESNAKE, QUIET RIOT, DIO).

Sons Of Anarchy: a obra-prima televisiva e sua fantástica trilha!Uruca: Os 9 mais azarados da história do Rock

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

KNAC.COM: Quais suas perspectivas sobre o HEAVEN AND HELL?

Sarzo: "Sou um grande fã daquela versão do SABBATH. Eu estou muito excitado. Eu ouvi as três músicas novas que serão lançadas no CD "Black Sabbath: The Dio Years". Algumas das idéias são músicas que Ronnie [James Dio] pretendia usar em seu novo álbum. Mas ele se juntou à Tony e disse 'Hey, escutem, eu tenho estes riffs aqui'. Então eles se tornaram parte do novo box set. Ronnie tem seu estúdio em casa, fui até lá e ajudei nas gravações. Então eu pude ouvir tudo em primeira mão. Soa maravilhoso".

KNAC.COM: As novas músicas se parecem com o SABBATH das antigas?

Sarzo: "Estão mais para a época do Dio no SABBATH com Vinny Appice tocando. Tem bastante do 'Mob Rules' e 'Dehumanizer' nos sons e nos sentimentos".

KNAC.COM: Parabéns pelo seu novo livro, "Off The Rails". Como você se sente ao vê-lo finalmente nas lojas?

Sarzo: "Bem, estava pronto há anos. Estava morrendo de vontade de lançá-lo".

KNAC.COM: Você teve de mudar alguma coisa ou o que foi publicado é o manuscrito original?

Sarzo: "Nada. Nem uma palavra sequer. Eu não tenho nada a esconder. Lá não tem nada que fale mal sobre os Osbournes ou de alguém. Ele é o que é (Sarzo tentou lançar o livro em 2005 com o título de title "Off The Rails: My Adventures In The Land Of Ozz", mas bateu de frente com problemas legais da companhia Osbourne e o livro não foi publicado)".

"Minha meta era, quando eu viajei ao redor do mundo e toquei com Randy Rhoads, todo o tempo eu sentava e conversava com alguém, eu sempre tinha o sentimento que não havia dito o bastante. Havia muito mais a dizer sobre o Randy. Então eu pensei que eu poderia escrever tudo que eu sabia, todas as minhas memórias e toda a informação que eu tinha a respeito de Randy, em forma de um livro, de forma a que eu não sentisse que alguma coisa estivesse faltando. Está tudo lá".

KNAC.COM: Como você descreve Randy Rhoads?

Sarzo: "Randy Rhoads foi um músico maravilhoso. Mas não podemos limitar a isto apenas. Randy era muitas coisas: um professor maravilhoso, músico, amigo, artista, compositor, e muito mais".

KNAC.COM: Você realmente foi à única pessoa a tocar com Randy tanto no QUIET RIOT quanto com OZZY OSBOURNE.

Sarzo: "Eu fui abençoado. Tive a oportunidade de ver dois 'Randys' diferentes. Lá estava Randy com o QUIET RIOT, e lá estava Randy com o Ozzy. O Randy do QUIET RIOT tinha muitos parâmetros que eram ditados pela indústria de Los Angeles. Verdade seja dita, o QUIET RIOT era uma banda que estava querendo um contrato de gravação. Então ele estava sujeito aos ditames da indústria musical. A última banda de metal que assinou nos anos 70 foi o VAN HALEN. Logo em seguida, eles fecharam a porta. Daí começaram a assinar contrato com bandas como THE KNACK, THE MOTELS e DEVO... bandas new wave... Naquela época, eles diziam que 'o Heavy Metal está morto. É isso aí, nada mais de Heavy Metal'. Daí nos perguntávamos: 'o que nós vamos fazer agora'?"

"Você tem de levar em consideração que não havia internet. Ninguém sabia da nova onda de metal vindo da Inglaterra ou OZZY OSBOURNE. Ninguém sabia sobre o MAIDEN. Eles (as gravadoras) não se importavam com as bandas de LA que estavam fazendo Heavy Metal, Hard Rock ou Glam. Nos anos 80, o gênero não era conhecido como hoje".

"O QUIET RIOT original tinha um pouco de SWEET, THE FACES e de QUENN, todas as influências da década de 70 para o rock. QUIET RIOT se tornou mais pesado na segunda vez. Eu tenho de dar muito crédito disto para o jeito em que Frankie (Banali) tocava sua bateria. Frankie tocava cada vez mais pesado. Mais do que John Bonham (LED ZEPPELIN) fez. Então, para mim, haviam dois QUIET RIOT. Assim também havia dois Randy diferentes. Existia o Randy QUIET RIOT mais pop. Não dá para comparar com 'Mr. Crowley' ou 'Diary of a Madman'. Então, assim que Randy se juntou a Ozzy, este lhe disse: 'Seja você mesmo. Somente componha o que vier naturalmente a você'. Então Randy não tinha parâmetros e tocava o que ele realmente queria com Ozzy. Isto porque não havia nenhum acordo com gravadora".

Leia a entrevista completa (em inglês) no link abaixo.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Quiet Riot"Todas as matérias sobre "Ozzy Osbourne"Todas as matérias sobre "Black Sabbath"Todas as matérias sobre "Randy Rhoads"


Black Sabbath: quando eles sacanearam ocultistas de modo inusitadoBlack Sabbath
Quando eles sacanearam ocultistas de modo inusitado

Ozzy Osbourne: quem manda no Black Sabbath é o Tony IommiOzzy Osbourne
Quem manda no Black Sabbath é o Tony Iommi


Sons Of Anarchy: a obra-prima televisiva e sua fantástica trilha!Sons Of Anarchy
A obra-prima televisiva e sua fantástica trilha!

Uruca: Os 9 mais azarados da história do RockUruca
Os 9 mais azarados da história do Rock


Sobre Rafael Alexandre Tamanini

Vulgo Tamanini. Catarinense, administrador, chefe escoteiro, futuro historiador e ainda fã de rock and roll. Depois de comprar o disco "Powerslave" do Iron, nunca mais foi o mesmo. Já teve a oportunidade de ver ao vivo Helloween, Iron Maiden, Sepultura, Stratovarius, Ramones, e muitos outros. Além dessas bandas também é fã de carteirinha de Rhapsody of Fire, Black Sabbath, Angra, Blind Guardian e muitas outras. Está aguardando o dia em que o metal nacional irá tomar conta do mundo.

Mais matérias de Rafael Alexandre Tamanini no Whiplash.Net.

adGoo336