Rage: "Vocês são loucos e selvagens! Queremos voltar logo!"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Ver Acessos

Peavy (baixo/vocal) sabia que estava dando um tiro certeiro no alvo ao recrutar Victor Smolski para a guitarra e Mike Terrana para a bateria em 1996. O Rage, que já contava com uma sólida reputação no meio metal, só fez produzir CD's de alto nível com esse "DREAM TEAM". Após a turnê do excelente "Soundchaser" e os shows marcantes no Live N`Louder, a banda lança "Speak Of The Dead", retomando a linha das músicas com orquestra. Conversamos via fone com Peavy, que já chegou dizendo: "Quero voltar logo ao Brasil!"

Black Metal: o lado mais negro da cena brasileiraSlayer: "Não sei improvisar", diz Kerry King

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Entrevista Concedida ao Portal Mundo Rock (http://www.mundorock.net)


Mundorock - Como você analisa os dois shows no Brasil em 2005 como parte do festival Live N`Louder? O público se surpreendeu com a performance do Rage.

Peavy - Demais! (risos). Foi a segunda vez que nos apresentamos no Brasil, a primeira com Victor e Mike. Vocês são loucos e selvagens, cantam tudo. Eu curti demais, tanto que estamos negociando uma nova turnê que esperamos realizar no fim do ano. Queremos voltar logo ao Brasil.

Mundorock - Um grande momento destes shows foi ver a galera cantando "Higher Than The Sky" junto com você, assim como ocorre no DVD "From The Cradle To The Stage". Como você se sentiu?

Peavy - Emocionado... muito feliz. A música é ótima e funciona bem para a galera cantar junto, e os brasileiros não deixaram barato, foram fantásticos... já disse isso? (risos).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mundorock - Voltando ao DVD, vocês tocam um longo, extenso e abrangente repertório do Rage com a nova formação. Como Victor e Mike lidam com o material antigo?

Peavy - Muito bem. Eles são grandes músicos, capazes de ir da música mais difícil à mais simples com naturalidade. E estamos juntos há mais de 10 anos, logo o entrosamento acaba com qualquer problema.

Mundorock - Falando particularmente em Mike, ele tem dezenas de projetos e CD's em que participa, como a banda de Axel Rudi Pell. Isso não o preocupa caso um dia ele tenha que escolher uma banda para focar como projeto principal?

Peavy - Cara... não mesmo. Ele é um grande baterista e somos grandes amigos. Ele mesmo já me disse que seus vários projetos não deixam tempo para ele pensar em sair de alguma banda (risos), logo não há motivos para preocupações. Mike é capaz de lidar com tudo isso naturalmente.


Mundorock - O novo CD ("Speak Of the Dead") traz uma longa suite com a Lingua Mortis Orchestra. Em "Unity" e "Soundchaser" vocês não compuseram músicas neste estilo, porque voltar a trabalhar com eles agora?

Peavy - Começamos com eles há 10 anos aproximadamente. Os fãs sempre nos questionavam, porque fizemos grandes trabalhos juntos, e com Victor na banda tudo ficou mais fácil, porque ele sabe muito bem como lidar com isso. Foi o momento certo, a suíte certa, mas músicas certas, após 10 anos voltamos a trabalhar com a Lingua Mortis. Mas não fizemos um álbum todo com eles, como antigamente, pois a banda mudou e decidimos que precisávamos de músicas sem orquestra também.

Mundorock - "No Regrets" destaca os excelentes riffs de Victor, bem diferentes do normal. Como você vê essa faixa em especial?

Peavy - Adorei... é uma faixa especial para mim (risos). Ele tem um trabalho de guitarras intrincado e cativante, que desperta muita fúria, e contrasta com boas melodias no decorrer da canção. É uma das melhores músicas que já fizemos, e está selvagem ao vivo.

Mundorock - "Soul Survivor" e "Full Moon" já nos levam ao metal que o Rage costuma apresentar, mas com muita agressividade. Foi intencional colocá-las logo após a suíte orquestrada?

Peavy - Na verdade o álbum tem duas partes. Uma com a orquestra e outra mais heavy metal. O projeto inicial era para gravarmos um CD duplo, um orquestrado e outro bem mais heavy, mas a Nuclear Blast achou melhor manter tudo num CD simples, e concordamos, porque esse contraste entre as músicas ficou sensacional.

Mundorock - E o que você pode falar sobre a capa, que segue o estilo dos CD's anteriores, mas com uma arte mais abstrata?

Peavy - Mudamos de artista, e ele conseguiu manter a essência dos álbuns anteriores. Ele veio com as idéias e gostamos muito. Ficou muito boa.

Mundorock - Desde o começo com a banda Avenger você esteve sempre cercado por vários músicos talentosos, mas vejo esta formação como uma das melhores, você concorda com isso?

Peavy - Só posso dizer que este é meu DREAM TEAM! (gargalhadas).

Mundorock - Vocês pensam em continuar trabalhando com a orquestra no próximo CD?

Peavy - Não posso dizer isso agora. Acabamos de gravar um DVD na Rússia, para uma platéia de 10 mil pessoas, e queremos lançá-lo no fim do ano ou começo de 2007. Até lá, nem queremos pensar em nada novo de estúdio. (risos).

Mundorock - E como estão os planos para turnê em 2006?

Peavy - Passaremos boa parte do ano na Europa, fazendo os festivais de verão, e depois iremos para a América do Sul e Japão. Pretendemos lançar o DVD ao fim da turnê japonesa, lá para dezembro acho...

Mundorock - Peavy, obrigado pela entrevista. O espaço é seu.

Peavy - Muito obrigado pelos momentos insanos e maravilhosos de 2005. Espero repetí-los com intensidade triplicada este ano!

Site Oficial: http://www.rage-on.de




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Rage"


1988: 99 discos de rock e metal lançados há 30 anos1988
99 discos de rock e metal lançados há 30 anos

Terrana: Nunca um computador limpará minha bunda!Terrana
"Nunca um computador limpará minha bunda!"


Black Metal: o lado mais negro da cena brasileiraBlack Metal
O lado mais negro da cena brasileira

Slayer: Não sei improvisar, diz Kerry KingSlayer
"Não sei improvisar", diz Kerry King


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo300x250 GooInArt