Nocturnal Rites: 10 anos buscando um lugar ao sol no Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Ver Acessos

Dez anos depois, e sete álbuns de estúdio lançados, os suecos do Nocturnal Rites ainda buscam seu lugar ao sol. Competência não lhes tem faltado, mas a banda decidiu partir para o ataque de vez, com o objetivo de consolidar-se como um dos grandes nomes do metal melódico europeu. Seu novo CD, "Grand Illusion" é um grande passo para tal, com elementos novos sendo trazidos para enriquecer seu tradicional power metal. Acompanhe esta interessante conversa com o baixista Nils Eriksson, que se por um lado é um tanto quando objetivo em suas respostas, não se esquiva de falar sobre nada. Completam o time o talentoso vocalista Jonny Lindqvist, os guitarristas Fredrik Mannberg e Nils Norberg e o baterista Owe Lingwall.

Slash: Saul Hudson explica qual a origem de seu apelidoMúsica Brasileira: Quais os discos mais vendidos da história?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Whiplash! - Em 2005 o Nocturnal Rites competou 10 anos de carreira. Vocês lançaram "Lost in Time", contendo os dois primeiros CDs da banda com mais algumas faixas extras. Não teria sido mais interessante re-gravar os CDs com a formação atual?

Nils Eriksson - Pensamos nisso. Mas o objetivo principal era disponibilizar para os fãs nossos dois primeiros lançamentos ("In a Time of Blood and Fire" e "Tales of Mystery and Imagination") para o público, já que os mesmos não estavam mais disponíveis no mercado, e a procura era grande. Queríamos deixar a vibração daquela época, e não mexer nas gravações, mas incluímos algumas músicas extras como um presente para todos que sempre nos deram apoio.

Whiplash! - E o que você pode nos contar sobre o show "Demons At The Opera"? Será lançado em DVD?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Nils Eriksson - Espero que seja. Foi um show que fizemos com orquestra e numa filmagem extremamente profissional. Ficou muito bom, e estamos trabalhando nisso. Infelizmente ainda não tenho uma data para lhe fornecer, mas que sairá é certo.

Whiplash! - "New World Messiah" foi uma boa continuação para "Shadowland", mas o novo CD traz uma nova sonoridade para a banda. Porque vocês decidiram trabalhar com outros estilos musicais, ainda que de maneira suave?

Nils Eriksson - Neste novo CD queríamos nos expressar de outra maneira, soar maiores, bombásticos. Gosto de pensar que fizemos um trabalho diversificado, com músicas agressivas e baladas. Tem muita atitude nesse CD, e fiquei bem satisfeito.


Whiplash! - "Fools Never Die" é uma ótima faixa de abertura, e percebo algumas influências da música gótica nela. Você concorda com isso?

Nils Eriksson - Sim... Talvez (risos). A música é bem agressiva, cadenciada, boa para ser tocada com som alto. De fato notam-se alguns experimentos, o que pode ratificar o que você falou. Fizemos um excelente vídeo, e a banda toda concordou que esta era a música ideal para iniciar o CD.

Whiplash! No refrão a banda parece mandar uma mensagem ao dizer "I'm Not a Fool". Para quem seria?

Nils Eriksson - Para aqueles que acham que podem controlar as pessoas, usando sua fama, dinheiro ou recursos que possam transparecer alguma superioridade. O fato de você não ser famoso ou rico não quer dizer que você seja um tolo.

Whiplash! - "Never Trust" incorpora uma sonoridade mais moderna ao heavy metal praticado pela banda. Como foi o processo de composição?

Nils Eriksson - Na verdade fizemos como sempre. As idéias surgem de todos os lados. Nils (Nordberg - guitarra) e eu escrevemos juntos a maioria das músicas. E eu escrevo as letras. Depois Jonny acrescenta suas linhas vocais e acaba colocando suas idéias. E nos ensaios vamos moldando tudo até o resultado final. É um trabalho em grupo bem legal e agradável.

Whiplash! - Outro exemplo desta modernidade é "Still Alive". Vocês não pensaram em usar elementos industriais neste CD?

Nils Eriksson - Neste novo CD não. Mas não estamos fechados para esta idéia. Sempre discutimos muito sobre a musicalidade da banda, e tentamos com isso absorver novas idéias que venham a nos fazer evoluir musicalmente. Quem toca em uma banda precisa ter a mente aberta, e isso funciona muito bem conosco, porque além de sermos um time, somos grandes amigos.

Whiplash! - "Cuts Like a Knife" traz um clima atmosférico e "dark" para o CD, com as boas participações de Jens Johansson e Kristofer Olivius. Porque decidiram convidar estes músicos?

Nils Eriksson - Quando começamos a gravar pensamos em ter alguns convidados. Bastava checar quais as músicas das demos permitiriam que isso acontecesse. "Cuts" foi a melhor opção. Somos amigos de Krist, e ele topou na hora, vindo ao estúdio e fazendo suas partes com competência. O mesmo ocorreu com Jens, que é um excepcional tecladista. Foi tudo muito fácil e o resultado ficou maravilhoso.

Whiplash! - Em "Never Ending" a banda usa elementos de orquestra em sua música. Há planos para se gravar um CD inteiro com orquestra?

Nils Eriksson - Com certeza! É algo que queremos fazer, basta apenas termos o tempo disponível para tal. Como eu disse, você tem que ter a cabeça aberta para estar sempre crescendo musicalmente, e é algo que queremos fazer. Penso muito nisso e imagino coisas muito legais neste formato.

Whiplash! - A última faixa do CD, "Deliverance", encerra o trabalho de maneira épica. Vocês já decidiram quais faixas novas serão tocadas nos shows?

Nils Eriksson - Devemos tocar três ou quatro faixas novas. Com certeza "Fools Never Die", "Never Trust" e mais algumas, que vamos decidir nos ensaios, além de "Cuts Like a Knife". Estou ansioso para começarmos a tocar ao vivo, pois quero ver a reação do público a nosso novo material. Além do que, amo estar num palco. (Risos)

Whiplash! - Vocês fizeram uma ótima turnê com o Edguy em 2004. Como foram esses shows?

Nils Eriksson - Fantásticos. Era um pacote de três bandas, e os shows estavam sempre com um bom público, participativo e empolgado. Adorei cada momento, e nossa gravadora (Sanctuary Records) gostou muito do resultado. Foi um pacote que funcionou muito além do esperado. E nos tornamos muito amigos uns dos outros.

Whiplash! - "Grand Illusion" está longe de ser uma ilusão. É uma realidade e agora fica a pergunta: o que podemos esperar do Nocturnal Rites daqui pra frente?

Nils Eriksson - Posso dizer que vamos sempre compor o que estivermos sentido no momento. Estamos em constante evolução, e nosso próximo trabalho será diferente deste, desde que seja interessante para nós e para nossos fãs. Me divirto compondo e tocando, e isso é o mais importante de estar numa banda. Estamos sempre nos desafiando e os resultados vêm surgindo com nossos CD's. Odeio bandas que compõem sempre o mesmo álbum, apenas mudando um ou outro detalhe.

Whiplash! - Como estão os planos para turnê. Há alguma chance de se lançar um DVD ao vivo?

Nils Eriksson - Vamos fazer alguns shows na Suécia e um giro pela Europa. Em 2006 planejamos tocar em alguns festivais europeus. Há sim planos para um DVD ao vivo, principalmente porque temos o show orquestrado para lançar. Planejamos gravar um show completo, com tudo que temos direito no palco, e lançar junto com o show orquestrado. Vai ser um pacote animal!

Whiplash! Planos para o Brasil?

Nils Eriksson - Quem sabe... é clichê, mas vou dizer do mesmo jeito (Risos): queremos tocar no Brasil, sabemos que o público de seu país é animalesco. Espero que consigamos viabilizar isso em 2006.

Whiplash! - Nils, obrigado pela entrevista. Este espaço é seu para deixar sua mensagem aos fãs da banda e visitantes do WHIPLASH! Rocksite:

Nils Eriksson - Como sempre muito obrigado. Cada nota que tocamos é para vocês, porque sem vocês não somos nada. Espero poder um dia tocar no Brasil, e sorrir vendo uma platéia animal! Abraços!!!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Nocturnal Rites"


Power Metal: 20 bandas para quem é fã do estiloPower Metal
20 bandas para quem é fã do estilo


Slash: Saul Hudson explica qual a origem de seu apelidoSlash
Saul Hudson explica qual a origem de seu apelido

Música Brasileira: Quais os discos mais vendidos da história?Música Brasileira
Quais os discos mais vendidos da história?


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline