Ceremonya: Entrevista exclusiva com Demiam Tiguez e Danilo Lopes

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Richard Navarro
Enviar correções  |  Ver Acessos

Desde a terceira edição do BMU (Fev/2003), quando o fenomenal Danilo Lopes, ex baterista e vocalista do Eterna, e o talentosíssimo Demian Tiguez, guitarrista e vocalista do Symbols, fizeram suas últimas apresentações ao lado de suas bandas de origem, seus fãs aguardam por notícias desses dois grandes ídolos do cenário do Metal undergorund brasileiro, para o qual ambos tanto contribuíram.

Dave Mustaine: "Kiko é o primeiro que me intimida desde Friedman"Fotos de Infância: Amy Lee, do Evanescence, muito antes da fama

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Eis que finalmente esses talentosos músicos se juntam e formam o Ceremonya, uma banda de Heavy Metal com temática católica, seguindo a missão de Danilo no Eterna, com instrumental e vocais poderosos e fortes influências do Metal tradicional da década de 80, destacando o sensacional dueto de vocais, característico das formações clássicas do Symbols e Eterna.

A banda surgiu com o nome de Storm Master, quando finalmente mudou para Ceremony e estabilizou sua formação, que conta também com o excelente tecladista Francis Botene e o grande baixista Marcelo Fleming. Esta é a primeira entrevista oficial com o Ceremonya, que fará seu show oficial de estréia neste próximo domingo, 31 de outubro, no Blackmore Rock Bar em São Paulo, ao lado dos brasilienses do Khallice, e levando em conta o talento dos músicos envolvidos e o que nomes como Danilo Lopes e Demian Tiguez representam para o cenário do Heavy Metal no Brasil e o que conquistaram ao lado de suas bandas originais, podemos dizer que sem dúvidas o Ceremonya já nasceu vencedor e se transformará rapidamente no próximo grande ícone do Metal nacional. Conheçam em primeira mão a espetacular e promissora banda Ceremonya.


Whiplash - Embora ainda seja uma banda muito nova, o Ceremonya traz em sua formação músicos de grande renome do cenário Metal nacional, como Danilo Lopes, ex baterista e vocalista do Eterna, e Demian Tiguez, guitarrista e vocalista do Symbols. Como surgiu essa parceria e qual o objetivo de vocês com o Ceremonya, um projeto ou uma banda mesmo?

Danilo Lopes / O objetivo do Ceremonya (antes chamado Storm Master) sempre foi de ser uma banda e ainda, o é. Três meses após sair do Eterna, ou seja, em junho de 2003, eu estava pedindo a Deus, uma direção sobre quais seriam os próximos passos de minha vida musical. E muito claramente, a primeira pessoa que me veio à mente, para a guitarra e voz, foi o Demian. Além de ser um guitarrista bastante respeitado no meio metal, ele vem de uma família católica, sendo ele, também praticante de nossa religião; e sempre teve vontade de trabalhar com metal cristão. Liguei para ele e o lance rolou.

Demian Tiguez / Já fazia um tempo que eu tinha vontade de tocar com o Danilo, tanto pelo lado musical, quanto pela questão de tocar para Deus. Como ele falou, vivo a fé católica e já toquei com minha família em grupos da Renovação Carismática Católica. Sendo assim, esperava uma oportunidade para fazer este tipo de trabalho com o Metal na Igreja. Quando recebi o convite, aceitei no ato e estou bastante satisfeito com o estamos fazendo juntos.

Whiplash - Como chegaram aos demais integrantes? Fale sobre eles.

Danilo Lopes / O Francis Botene, tecladista, veio ainda antes do Demian. Nos conhecemos há um bom tempo, já que ele já tocou em duas bandas no meio Metal Católico: Ministerium e Skylord. Ele chegou a ser convidado para entrar no Eterna, na época em que o Douglas Codonho saiu da banda, e não pode assumir o trampo, porque havia começado a cursar a UNICAMP e tínhamos muito trampo marcado que exigiria dele, dar-nos exclusividade. O Marcelo Fleming, baixista curiosamente, também foi convidado para fazer teste no Eterna, na época da saída do Alexandre Emanuel Cláudio (B/V) e também não pôde por causa da faculdade, que tomava-lhe muito tempo na época. Atualmente, ele também toca com o Pe. Marcelo Rossi.

Whiplash - Danilo, você gravou 4 álbuns ao lado do Eterna e sempre teve uma participação muito ativa nas composições e shows da banda. Por que afinal deixou o Eterna logo após fechar de forma brilhante a primeira noite do BMU 2003?

Danilo Lopes / Na época, também não entendi. Porém, hoje, após um ano e meio de minha saída, vejo que tudo encaixou-se perfeitamente. Eles gravaram um novo álbum, que estou esperando o lançamento para conferir, mas pelo talento deles, que conheço muito bem, deve estar maravilhoso. De minha parte, estou com uma banda nova e estou muito feliz com o que estamos fazendo. Além disso, assumi definitivamente minha missão de pregador, algo que tem me dado a oportunidade de visitar muitas partes do Brasil, conhecendo ainda mais a minha Igreja e as ações de Deus através dela. Resumindo, para tudo, há um tempo na vida (Ecle 3). Fico muito feliz por tudo que fiz com o Eterna e tenho saudades de tudo que vivemos em sete anos de missão.

Whiplash - Demian, desde a terceira edição do BMU (2003), não tivemos mais notícias do Symbols. Na época vocês já estavam com o disco novo totalmente gravado e inclusive apresentaram uma música inédita que teve uma ótima aceitação. Por que motivo ainda não lançaram o disco e não fizeram mais shows? Qual a atual formação do Symbols e quando finalmente teremos novidades da banda e do terceiro disco?

Demian Tiguez / Após aquele show, tivemos problemas com empresários que trabalhavam com o Symbols. Tais problemas impediram que o disco fosse lançado como previsto. Alguns meses depois, a banda separou-se e precisei convidar novos músicos para recompor o time e seguir caminho. Em relação ao terceiro CD, seu lançamento deve acontecer até o final do ano. Muito em breve, estarei divulgando tudo o que estamos fazendo, tipo lançamento do novo CD, nova formação, shows, etc.

Whiplash - Tanto a formação clássica do Symbols quanto a do Eterna, era caracterizada pela presença de duetos de grandes vocalistas, o que tornava diferente das demais bandas. Vocês pretendem levar essa característica única nos discos e shows do Ceremonya?

Demian Tiguez / Pode crer. Eu já estou bastante acostumado com isto e não poderemos deixar isto de lado no Ceremonya.

Danilo Lopes / Com certeza, teremos dois vocalistas. Eu e o Demian estamos dividindo os vocais, em praticamente, todas as composições. Estamos no barato de explorar isto ao máximo.

Whiplash - De que forma poderíamos comparar a música do Ceremonya com o trabalho de vocês no Eterna e Symbols? Falem sobre a música do Ceremonya e suas principais influências.

Danilo Lopes / O Ceremonya está bastante diferente do Symbols e do Eterna, em termos sonoros. Partiu do princípio de que desejávamos fazer um som um pouco mais pesado, objetivo e agressivo. Além disto, a participação de toda a banda nas composições e arranjos. Como já é de praxe, é uma banda nova com elementos novos e diferentes, uns dos outros. Podemos citar que estamos tomando como base, bandas mais novas com bandas de Metal Tradicional.

Whiplash - As músicas do Ceremonya seguem temática cristã tal como o Eterna. Podemos então dizer que trata-se de uma banda White Metal e que todos os membros são católicos, incluindo o Demiam?

Demian Tiguez / Com certeza, cara. O lance de tocar para Deus, está sendo muito bom pra mim, como citamos na primeira pergunta.

Danilo Lopes / Sim. O principal motivo de nosso trabalho é o Evangelho de Jesus Cristo. Todos os membros são católicos.

Whiplash - A propósito, a banda já vem fazendo algumas apresentações em eventos do cenário católico. Como seus antigos fãs do Eterna tem recebido o Ceremonya?

Danilo Lopes / Graças a Deus, os shows têm sido bem legais em relação ao público. Tá rolando um clima bem interessante. Ainda não tocamos nenhuma música de nossas antigas bandas e é como se eles já conhecessem o nosso som. Estamos bastantes contentes com este fato.

Demian Tiguez / Não podemos esquecer também, que fizemos um show em Campinas, em agosto, que para um público quase 100% secular e foi bem legal.

Whiplash - Este show no Blackmore está sendo considerado a estréia oficial do Ceremonya no cenário Metal, o que vocês esperam desse show? O que os antigos fãs do Eterna e Symbols podem esperar dessa nova banda? Além das músicas próprias, vocês pretendem tocar algo de suas bandas originais?

Danilo Lopes / Será bem legal tocar nesta casa. O curioso é que já estávamos programando-nos para marcar uma data lá, quando recebemos o convite da organização. Acho que a galera que conhece o trampo de nossas antigas bandas vai conhecer algo bem diferente do que fazíamos. Pelo menos, é o comentário que temos ouvido de quem já nos viu ao vivo. Quanto a tocar músicas do Eterna e do Symbols, é bem provável que role...

Whiplash - Quantas músicas do Ceremonya já possuem? Quando pretendem lançar um CD?

Danilo Lopes / Estamos atualmente, com cerca de quinze músicas prontas e algumas outras em andamento. A intenção é fazer mais algumas para podermos escolher as melhores, para o CD de estréia, que deverá sair em 2005.

Whiplash - Muito obrigado pela entrevista, o espaço está aberto para as considerações finais.

Demian Tiguez / Muito obrigado pela força galera!! Espero que a galera compareça no Blackmore, dia 31/10 e curta o nosso trabalho. Fiquem com Deus.

Danilo Lopes / Valeu!! Muito obrigado pela força. E, mais uma vez, ao Blackmore Bar e ao Whiplash!, parabéns pelo apoio e atenção que sempre dedicaram às bandas nacionais. Deus os abençoe!!!!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Ceremonya"


Edu Falaschi: os dez vocalistas brasileiros preferidos deleEdu Falaschi
Os dez vocalistas brasileiros preferidos dele


Dave Mustaine: Kiko é o primeiro que me intimida desde FriedmanDave Mustaine
"Kiko é o primeiro que me intimida desde Friedman"

Fotos de Infância: Amy Lee, do Evanescence, muito antes da famaFotos de Infância
Amy Lee, do Evanescence, muito antes da fama


Sobre Richard Navarro

Jornalista e Produtor de Eventos, responsável pelo festival ¨BMU¨ (Brasil Metal Union) e o antigo fanzine Heavy Melody. Foi co-fundador da Brasil Music Press, e por muitos anos colaborador oficial da revista Roadie Crew, onde se especializou em matérias com bandas nacionais.

Mais matérias de Richard Navarro no Whiplash.Net.

adGoo336