Queen: "Pink Floyd é um grupo estranho", diz John Deacon em 1981

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Tiago Abreu, Fonte: Musikexpress & Sounds
Enviar correções  |  Ver Acessos

O baixista do QUEEN, John Deacon forneceu uma entrevista para a revista Musikexpress & Sounds em 1981, época em que a banda acabara de lançar a trilha sonora "Flash Gordon" e seguia em divulgação do álbum "The Game". Na conversa, o músico falou acerca do processo criativo do QUEEN e citou algumas bandas, como o THE WHO e o PINK FLOYD.

Motorhead: a gafe nazista de Lemmy em Nuremberg50 a menos: Cientistas descobrem que o Número da Besta é 616

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Deacon contou que, ao contrário do início da banda, até aquele momento as contribuições dos integrantes estavam praticamente equilibradas, enquanto, mais antigamente, a maioria do repertório era escrito por Brian May e Freddie Mercury. O músico reiterou que mesmo que existiam gostos e diferenças musicais entre os quatro, ele e Roger Taylor estavam bem mais inseridos no repertório do grupo.

Citando ainda sobre o individualismo dentro de um grupo, John fez observações acerca do PINK FLOYD nos tempos de The Wall: "[...] PINK FLOYD - bem, esse é um grupo estranho. Nós ainda tentamos fazer a cada ano um disco com uma turnê para chegar a algum lugar, mas o FLOYD faz alguns shows em Los Angeles, alguns em Nova York, alguns em Londres e agora alguns em Dortmund - e voltam a sumir por um longo tempo. Ou, por exemplo, o seu novo álbum, que não é nada mais do que um álbum solo de Roger [Waters]."

"[...] já deve ser um fardo para o grupo. O público sabe nada sobre isso, na visão deles é o PINK FLOYD. As tensões e deslocamentos que existem dentro de um grupo nos bastidores geralmente não são visíveis a todos. Posso imaginar que não é, necessariamente, mais vantajoso para a atmosfera em um grupo quando Nick Mason, por exemplo, sente-se que é o baterista e não tem mais nada para conquistar."

"De sorte que nós do QUEEN somos diferentes, embora recentemente nós tivemos um problema semelhante quando gravamos o novo LP Flash Gordon. Começamos a trabalhar e criar tudo juntamente, mas no final foi Brian que assumiu a posição de controle, decidindo que músicas eram para o disco, etc. Esta é uma situação incomum para o QUEEN, a partir do qual, então, prontamente gerou desentendimentos. Brian quis um engenheiro alemão, com quem havíamos trabalhado com proximidade em Munique, se autointitulando como produtor, [diferentemente de] como gostávamos de fazer um álbum conjunto do QUEEN. Brian então acabou prevalecendo, nós cedemos. Mas, para o público, ele ainda será um álbum normal do QUEEN. "Flash Gordon - música do QUEEN." Além disso, dificilmente há distinções. Eu também acredito que os de fora não percebem o quão pessoais e particulares são algumas músicas que surgem dentro de um grupo. Para o público, é uma música do QUEEN, ainda que na verdade é uma canção muito pessoal de um membro."




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção CuriosidadesTodas as matérias sobre "Queen"Todas as matérias sobre "Pink Floyd"Todas as matérias sobre "John Deacon"


Pink Floyd: Dark Side sincroniza com Star Wars O Despertar da ForçaPink Floyd
Dark Side sincroniza com Star Wars O Despertar da Força

Talvez fosse inveja: 13 grandes álbuns amados pelo público e odiados pela críticaTalvez fosse inveja
13 grandes álbuns amados pelo público e odiados pela crítica


Motorhead: a gafe nazista de Lemmy em NurembergMotorhead
A gafe nazista de Lemmy em Nuremberg

50 a menos: Cientistas descobrem que o Número da Besta é 61650 a menos
Cientistas descobrem que o Número da Besta é 616


Sobre Tiago Abreu

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGoo336