Beatles: qual foi o maior erro cometido por Brian Epstein?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Marcelo de Andrade, Fonte: CBC Radio, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nas conversas sobre os Beatles é sempre mencionado que a participação de Brian Epstein foi fundamental pro sucesso do grupo. Ele “educou” os caras. Veio com a ideia dos terninhos, de não fumarem e beberem no palco e da famosa saudação no final do show.

3469 acessosUlrich no U2: ele perdeu para McCartney a chance de tocar bateria5000 acessosDossiê Guns N' Roses: A versão de Slash para os fatos

Como nem tudo é perfeito, o erro de Brian foi em uma das maiores fontes de receitas de qualquer banda: os produtos licenciados. Eis a história:


De contrato assinado com os Beatles em 1962, Epstein criou uma empresa chamada NEMS para gerir a banda. Com a Beatlemania nos EUA, Brian abriu uma filial chamada Seltaeb. Por ser muito atarefado, Brian pediu para um amigo, Nicky Byrne, tomar conta da filial norte-americana. Byrne sugeriu uma divisão 90/10. Até aí tudo bem, mas os 90% seriam dele enquanto que os 10% para os Beatles.

Epstein concordou imediatamente, pensando que os 10% era melhor do que nada, pois a principal fonte de receita da banda ainda não eram os produtos licenciados.

Brian acabou subestimando o potencial de sua própria criação. Quando os Beatles atingiram a América do Norte, a demanda por mercadorias da banda era sem precedentes. A corporação Reliant vendeu um milhão de camisas em três dias. Remco, uma das maiores produtoras de brinquedos nos EUA, fabricou 100.000 bonecos e tinha mais de meio milhão encomendos. As famosas perucas eram fabricadas a uma taxa de 35.000 por dia. E esses foram apenas três dos 150 produtos que haviam sido licenciados.

O Wall Street Journal estimou que mais de 50 milhões de dólares no valor de mercadorias seriam vendidos até o final de 1964. Essa notícia fez Brian Epstein visivelmente doente. Foi então que ele percebeu o erro colossal que tinha feito em concordar com uma divisão de 90/10.

Acredita-se que Epstein tenha vivido com receio de ter que enfrentar os Beatles sobre o assunto. O que aliviava bem a cagada do Brian era a grana feita com as turnês e as vendas dos discos. Mas em 1966, quando os Beatles anunciaram que não excursionariam mais, a luz amarela ascendeu pro empresário.


A enorme perda de receita com os produtos licenciados, a “aposentadoria” das excursões da banda e alguns problemas pessoais, como o fato de ser Gay na Inglaterra, onde naquela época era proibido, fizeram com que Brian se sentisse completamente abatido.

Em 27 de agosto de 1967, Brian Epstein foi encontrado morto em seu apartamento. O motivo: uma overdose de pílulas para dormir.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 24 de fevereiro de 2014
Post de 24 de fevereiro de 2014

Lars Ulrich no U2Lars Ulrich no U2
Ele perdeu para Paul McCartney a chance de tocar bateria

2257 acessosE se for verdade?: Famosos que morreram e foram substituídos1352 acessosShows: em vídeo, Top 11 Músicas Viscerais de Encerramento254 acessosVersões: Clássicos que você talvez não saiba, ou não lembre que são0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Beatles"

HeróisHeróis
Astros da música transformados em heróis de HQ

The BeatlesThe Beatles
O xingamento de Paul McCartney em "Hey Jude"

Paul McCartneyPaul McCartney
"Me chamo Fabíola e você é fabuloso!"

0 acessosTodas as matérias da seção Curiosidades0 acessosTodas as matérias sobre "Beatles"

Dossiê GNRDossiê GN'R
A versão do guitarrista Slash para os fatos

GuitarristasGuitarristas
E se os mestres esquecessem como se toca?

CinemaCinema
O melhor e o pior dos rockstars em filmes

5000 acessosMotorhead: Lemmy fala sobre ser solteiro para sempre5000 acessosSlayer: Kerry King fala sobre sua relação com religiões5000 acessosÁlbuns: os vinte piores discos de todos os tempos5000 acessosExodus: "Vão se fuder aqueles babacas", diz Rob Dukes1444 acessosScorpions: as dez piores músicas da banda5000 acessosBruno Sutter: resumo da carreira em fotos e vídeo

Sobre Marcelo de Andrade

Mora em São Paulo e tem 30 anos. Fanático pelo Kiss e pelo Iron Maiden. Morou em Londres por mais de 7 anos. Seus primeiros discos foram Xou da Xuxa e Trem da Alegria.

Mais matérias de Marcelo de Andrade no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online