Elephant Tree: Doom metal com baixo pH

Resenha - Habits - Elephant Tree

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcelo Hissa
Enviar Correções  

8

Há quem acredite que o ano de 2020 está perdido, que a pandemia destruiu qualquer tipo de progresso prometido e que nada mais resta fazer a não ser espera o fim daquilo que já se acabou; e há também aqueles que gostam de música de qualidade. Para esses, o ano tem evoluído maravilhosamente bem e ainda não chegou nem na metade. Dando o exemplo desse viés positivo, o quarteto inglês Elephant Tree acabou de sair da hibernação de 4 anos para lançar um dos grandes álbum do ano, Habits.

Rock In Rio I: Pra quem tem menos de quarenta anos fica difícil imaginar

A História da Tatuagem: Forma de expressão artística há mais de 3.500 anos

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Habits é um doom acidficado pelo belíssimo trabalho vocal. As guitarras chiadas características com vibe semi-drônicas combinam perfeitamente com os vocais líricos, distantes e limpos de Jack Townley e Peter Holland (guitarrista e baixista respectivamente). Após breve introdução instrumental de Wake Repeat, Sail abre a pesada viagem lisérgica recheada de serenidade decorrente dos solos de notas longas e demoradas. Daí em diante Habits desabrocha e se desenvolve, seja com o aprofundamento dos riffs drônicos que ameçam decolar como em Faceless e Wasted, seja com passagens mais limpas que se entrelaçam com o rock mais progressivo e com o post-metal como em Exit the Soul e Bird. The Fall Chorus chama atenção pelo acústico típico de folk rock que pode incomodar àqueles que não aderem a esse tipo de música. Broken Nails que fecha o álbum une todos os elementos em uma música só, folk acústico, riffs cadenciados doom, vocais distantes prog-rock e oscilações drônicas; uma das mais completas faixas do álbum.

Nem tudo está perdido em 2020, esse ominoso ciclo terrestre tem um lado apontado para o sol se o ouvinte souber para onde nortear as energias. Parafraseando a própria banda: em Habits, o Elephant Tree sai da infância para atingir a maturidade musical. Ao produzir um Doom lisérgico, escapam dos limites de confinamente genérico para se tornarem mercadores magistrais de um novo som.

Tracklist

1. Wake.Repeat (Intro) 01:14
2. Sails 04:20
3. Faceless 06:39
4. Exit the Soul 07:20
5. The Fall Chorus 03:44
6. Bird 06:36
7. Wasted 06:16
8. Broken Nails 07:11




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Rock In Rio I: Pra quem tem menos de quarenta anos fica difícil imaginarRock In Rio I
Pra quem tem menos de quarenta anos fica difícil imaginar

A História da Tatuagem: Forma de expressão artística há mais de 3.500 anosA História da Tatuagem
Forma de expressão artística há mais de 3.500 anos


Sobre Marcelo Hissa

Médico em horário comercial, fanático e colecionador de música em tempo integral. Tipo de música preferida: a boa, se tiver peso melhor ainda.

Mais matérias de Marcelo Hissa no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor