W.A.S.P.: A ascensão e queda de Jonathan Steel em formato "remake"

Resenha - ReIdolized (The Soundtrack To The Crimson Idol) - W.A.S.P.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Alexandre Veronesi
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 7

"I look at my face in the mirror
And I don't understand
Don't feel like a boy and it's not getting clearer
But I don't feel like a man"

Com essa simbólica frase se inicia a epopeia de Jonathan Aaron Steel, um garoto de 17 anos rejeitado pelos pais, que perde seu amado irmão Michael em um terrível acidente de carro, e encontra no Rock N' Roll sua válvula de escape. Descoberto pelo ganancioso "Chainsaw" Charlie, dono de uma grande gravadora, Jonathan realiza seu desejo de se tornar um astro, o "ídolo vermelho", o que o leva a uma jornada regada à festas insanas, mulheres e, principalmente, drogas. Entretanto, nada disso é capaz de preencher o seu vazio interior (a ausência do amor de seus pais), e finalmente, em um ato dramático e desolado, o rapaz acaba por se suicidar em cima do palco, usando as cordas de sua própria guitarra. Um desfecho trágico para uma existência melancólica.

Eu poderia passar horas dissecando a monumental estória Shakespeariana de "The Crimson Idol", mas esse não é o foco da matéria. O disco, lançado em 1992, é aquele que considero como sendo a obra máxima de Blackie Lawless (vocalista, guitarrista, líder e mentor do W.A.S.P.), e agora, quase 26 anos depois, somos brindados com o "remake" desse clássico, em formato de CD duplo, batizado de "ReIdolized (The Soundtrack To The Crimson Idol)", contando com 6 faixas inéditas, sendo composições da época, mas que ficaram de fora do registro.

Devo confessar que sou um entusiasta de regravações, portanto, recebi o material com grande expectativa.

Podemos perceber que Lawless continua em ótima forma, com seu timbre singular intacto, além da interpretação ímpar, profundamente emocional, sendo de certo o grande destaque do álbum. Apesar do peso de seus 61 anos de idade, os drives e agudos característicos continuam lá (mesmo que com algumas adaptações necessárias).

É curioso notar que alguns "palavrões" presentes nas letras originais foram substituídos, como por exemplo em "Chainsaw Charlie (Murders In The New Morgue)" a palavra "motherfucker" foi trocada por "monster", e "faggot" (bicha) se tornou "maggot" (verme). Isso provavelmente se deve ao fato de o vocalista ter se convertido ao cristianismo anos atrás, inclusive banindo um dos maiores hinos do grupo, "Animal (Fuck Like a Beast)", de suas apresentações ao vivo.

A banda, como um todo, entrega uma performance coesa. A verdade é que a parte instrumental em pouco difere da obra original, então, obviamente, o saldo é bastante satisfatório. Pérolas como "Arena Of Pleasure", "I Am One", "The Idol", "Hold On To My Heart" e "The Great Misconceptions Of Me" permanecem impecáveis, grandiosas, executadas de forma enérgica e primorosa.

Outra questão a se destacar é a produção do álbum, bem limpa e de fácil assimilação, exatamente como as músicas aqui exigem.

Infelizmente, o ponto negativo fica por conta das faixas inéditas, que pouco acrescentam ao resultado final. Ao contrário, chegam até a tornar a audição um tanto cansativa. "Miss You" seria uma ótima canção, não fossem os seus longos e desnecessários 8:07 minutos (nada contra músicas longas, claro, esse mesmo disco conta com algumas absolutamente maravilhosas).

Por fim, "ReIdolized..." é um álbum de alta qualidade, que mostra uma banda ainda vigorosa, com muita lenha para queimar, mas fato é que a saga de Jonathan perdeu um pouco de sua magia em relação à obra do início dos anos 90. São outros tempos, afinal.

Atualmente, o W.A.S.P. é composto por, além do já citado Blackie Lawless, Doug Blair (guitarra), Mike Duda (baixo) e Aquiles Priester (bateria, ao vivo). Vale ressaltar que o disco foi gravado em meados de 2017, antes da entrada do brasileiro, e o comando das baquetas ficou por conta de Mike Dupke, com a participação especial de Frankie Banali (Quiet Riot) na faixa "The Peace".

TRACKLIST

Disco 1
01. The Titanic Overture
02. The Invisible Boy
03. Arena Of Pleasure
04. Chainsaw Charlie (Murders In The New Morgue)
05. The Gypsy Meets The Boy
06. Michael's Song
07. Miss You
08. Doctor Rockter

Disco 2
01. I Am One
02. The Idol
03. Hold On To My Heart
04. Hey Mama
05. The Lost Boy
06. The Peace
07. Show Time
08. The Great Misconceptions Of Me




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "W.A.S.P."


W.A.S.P.: álbum tributo traz brasileiros do Vengeance of Mine, The UnhaliGäst e TyrannoW.A.S.P.: turnê em 2020 trará apenas músicas dos quatro primeiros álbuns

W.A.S.P. e Accept: bandas confirmam show único no Brasil em GuarulhosW.A.S.P. e Accept
Bandas confirmam show único no Brasil em Guarulhos

W.A.S.P.: Blackie Lawless não é profissional, diz músico do Beast In BlackW.A.S.P.
Blackie Lawless não é profissional, diz músico do Beast In Black

W.A.S.P.: Aquiles Priester será o baterista da nova turnêW.A.S.P.
Aquiles Priester será o baterista da nova turnê


Punk Rock: seja feio, beba muito, e nunca penteie o cabeloPunk Rock
Seja feio, beba muito, e nunca penteie o cabelo

Slayer: a trágica e não revelada história do fim de Jeff HannemanSlayer
A trágica e não revelada história do fim de Jeff Hanneman


Sobre Alexandre Veronesi

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adClio336|adClio336