Matérias Mais Lidas

imagemA simpatia de James Hetfield ao conversar com pais de bebê que nasceu durante show

imagemMalmsteen ameaça cancelar show por que vocalista Jeff Scott Soto estava no local

imagemComo Max Cavalera aprendeu inglês tendo abandonado a escola aos 12 anos de idade

imagemConfira as músicas que o Iron Maiden está ensaiando para turnê que passa pelo Brasil

imagemMetallica faz doação para complexo de saúde e educação em Curitiba

imagemFoto feita após fim da turnê mostra todos do Ghost sem máscaras, incluindo "Ghoulettes"

imagemVocalista do Gwar diz que integrantes do Maiden são "um bando de velhas britânicas"

imagemAdrian Smith e a volta ao Maiden: "queriam o Bruce e já tinham dois guitarristas"

imagemKiko Loureiro explica por que acha uma merda seu solo de guitarra em "Rebirth"

imagemO segredo da longevidade do baixista do Guns N' Roses tem inspiração nos Stones

imagemLuciano Hang processa vocal do Fresno e quer indenização de R$ 100 mil por danos morais

imagemGuitarrista diz que não entrou na banda de Ozzy por não ter cabelo loiro

imagemJonathan Davis, do Korn, explica qual seu problema com o Cristianismo

imagemQuando Angus Young, do AC/DC, detonou o Led Zeppelin e os Rolling Stones

imagemFernanda Lira faz post com pura emoção às vésperas da aguardada volta aos shows


Stamp

Nervosa: Mais brutal do que nunca

Resenha - Downfall Of Mankind - Nervosa

Por Renan Soares
Em 02/06/18

Nota: 9

Se há uma banda que tem conseguido se provar cada vez mais na cena nacional é o power trio feminino da Nervosa. Após assinar contrato com a Napalm Records e fazer shows fora do país, as meninas mostram que estão conseguindo agregar tudo isso ao seu som.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Após os ótimos "Victim of Yourself" e "Agony", o trio paulista chega esse ano com o disco "Downfall of Mankind", o terceiro de sua carreira, e o primeiro com Luana Dametto assumindo as baquetas.

Logo na primeira audição já posso dizer que esse novo trabalho superou todas as minhas expectativas, pois nele, a Nervosa apresenta um som mais brutal do que qualquer outro mostrado nos dois discos anteriores.

Um coisa que já se destaca em praticamente todo o trabalho são os riffs de guitarra da Prika Amaral, que mostrou nesse novo disco o como evoluiu no instrumento desde o primeiro EP lançado pela banda em 2012, lembro de ter lido muitas criticas direcionadas a técnica dela no início da carreira do trio, mas agora imagino que nenhum desses críticos tenham algo para reclamar sobre isso.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Imagino também que a entrada de Luana na bateria possa ter influenciado nessa sonoridade mais pesada e rápida adotada nesse novo disco, pois ela demonstra uma boa velocidade nas baquetas, superando o que era apresentado pela antiga baterista Pitchu Ferraz.

E acompanhado do instrumental, o vocal da Fernanda Lira se mostrou muito mais potente nas faixas do trabalho, onde ela demonstrou toda a raiva que conseguia em cima de uma sonoridade agressiva até o último extremo, principalmente em temas que exigiam esse sentimento.

Como o nome do disco já diz, as letras retratam todo o lado podre da humanidade que ocasionou o mundo injusto que vivemos, tendo, mais uma vez, um enfoque maior nas questões político-sociais.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O disco já começa com toda potência com as faixas "Horrordome" e "Never Forget, Never Repeat", sendo a segunda, inclusive, a melhor faixa do trabalho ao meu ver, superando inclusive o single "Kill The Silence".

Ressalto também a referência feita ao "...And Justice For All" do Metallica feita na faixa "...And Justice For Whom?", além da mesma ser uma ótima música com uma letra bastante pertinente, assim como "Raise Your Fist!".

A música "Cultura de Estupro", certamente, tem o machismo como temática, que é algo que elas com certeza podem falar com propriedade, pois, sofrem com isso na pele diariamente. Mas, acho que a letra poderia ter sido melhor trabalhada, principalmente se tratando de um tema tão importante na sociedade atual. Ou talvez, se a música tivesse sido escrita em inglês, ao invés de português, poderia ter soado melhor.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

No mais, no "Downfall Of Mankind" a Nervosa nos entrega o que considero o melhor disco em seu repertório até o momento, com uma grande evolução técnica em relação aos trabalhos anteriores.

TRACKLIST:

01 Intro
02 Horrordome
03 Never Forget, Never Repeat
04 Enslave
05 Bleeding
06 ...And Justice For Whom?
07 Vultures
08 Kil the Silence
09 No Mercy
10 Raise Your Fist!
11 Fear, Violance and Massacre
12 Conflict
13 Cultura de Estupro
14 Selfish Battle


Outras resenhas de Downfall Of Mankind - Nervosa

Resenha - Downfall Of Mankind - Nervosa

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

PRB
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp




Sobre Renan Soares

Nascido em Recife no dia 03 de novembro de 1994, Renan adentrou ao mundo do rock/metal a partir dos 13 anos de idade e até hoje permanece fielmente no mesmo. Desde que se formou em Jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco, tem se dedicado a conseguir dar a relevância merecida ao nome do estilo.

Mais matérias de Renan Soares.