Matérias Mais Lidas

Nicko McBrain: pedal duplo é pra caras como Aquiles PriesterNicko McBrain
Pedal duplo é pra caras como Aquiles Priester

Jon Schaffer: nomes do Iced Earth e Demons & Wizards somem do site da gravadoraJon Schaffer
Nomes do Iced Earth e Demons & Wizards somem do site da gravadora

Greta Van Fleet: Robert Plant odeia aquele vocalistaGreta Van Fleet
Robert Plant "odeia" aquele vocalista

Metallica: veja o primeiro (e curioso) cartão de visitas da bandaMetallica
Veja o primeiro (e curioso) cartão de visitas da banda

Megadeth: Dave Lombardo quase entrou pra banda, mas percebeu a merda que ia darMegadeth
Dave Lombardo quase entrou pra banda, mas percebeu a merda que ia dar

Joe Lynn Turner: detonando gravadora por continuar projeto Sunstorm sem eleJoe Lynn Turner
Detonando gravadora por continuar projeto Sunstorm sem ele

Nervosa: Banda lança videoclipe de Under RuinsNervosa
Banda lança videoclipe de "Under Ruins"

Pantera: as cinco melhores músicas da banda, segundo leitores da RevolverPantera
As cinco melhores músicas da banda, segundo leitores da Revolver

Megadeth: Dave Mustaine, agora, é faixa roxa em jiu-jitsu brasileiroMegadeth
Dave Mustaine, agora, é faixa roxa em jiu-jitsu brasileiro

Iron Maiden: As faixas do clássico The Number Of The Beast, da pior para a melhorIron Maiden
As faixas do clássico "The Number Of The Beast", da pior para a melhor

Pearl Jam: exigindo que banda cover Pearl Jamm mude nome, sob ameaça de processoPearl Jam
Exigindo que banda cover Pearl Jamm mude nome, sob ameaça de processo

Lista: 10 grandes sucessos que farão 30 anos em 2021 e continuam sendo ouvidos até hojeLista
10 grandes sucessos que farão 30 anos em 2021 e continuam sendo ouvidos até hoje

Quiet Riot: quebrando disco de banda brasileira em 1985Quiet Riot
Quebrando disco de banda brasileira em 1985

Loudwire: o melhor álbum de thrash metal de cada ano, de 1983 até 2020Loudwire
O melhor álbum de thrash metal de cada ano, de 1983 até 2020

Dedo x Palheta: Jason Newsted joga gasolina na fogueira do debateDedo x Palheta
Jason Newsted joga gasolina na fogueira do debate


Matérias Recomendadas

Metal Brasileiro: 10 bandas recomendáveis fora o SepulturaMetal Brasileiro
10 bandas recomendáveis fora o Sepultura

Lemmy: Eddie Van Halen nunca chegará aos pés de Hendrix!Lemmy
"Eddie Van Halen nunca chegará aos pés de Hendrix!"

Power Metal: 10 álbuns essenciais do estiloPower Metal
10 álbuns essenciais do estilo

System of a Down: casamento vai abaixo com Toxicity, vídeo viraliza e Serj divulgaSystem of a Down
Casamento vai abaixo com "Toxicity", vídeo viraliza e Serj divulga

Freddie Mercury: 18 fotos espontâneas ao lado do namorado Jim HuttonFreddie Mercury
18 fotos espontâneas ao lado do namorado Jim Hutton

Tunecore
Malvada

Blackfield: O retorno efetivo de Steven Wilson ao projeto

Resenha - V - Blackfield

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fábio Nobre, Fonte: Blog Audiorama
Enviar Correções  

8

O BLACKFIELD se formou em 2004 como uma colaboração entre STEVEN WILSON e AVIV GEFFEN, depois que os dois se conheceram em Israel após um show do PORCUPINE TREE. O álbum de estreia foi uma ótima mistura do estilo melancólico de Geffen e Wilson com um cenário pop mais alternativo. O resultado foi um "Porcupine Tree-lite", enquanto canções que poderiam ter normalmente 10 minutos como PORCUPINE TREE, se tornavam canções de 3-4 minutos no máximo do BLACKFIELD. A sequência, Blackfield II, foi uma continuação do primeiro álbum. Ambos foram álbuns fantásticos que ofereceram algo diferente para os fãs de Wilson para absorver enquanto esperavam por um novo álbum do PT. Os dois álbuns seguintes (Welcome to my DNA, Blackfield IV), no entanto, ficaram aquém da qualidade pela qual a banda era conhecida. Os álbuns foram em grande parte muito suaves e unidimensionais, talvez devido a Wilson ter dado um passo para trás nos últimos 2 álbuns. Há, no entanto, uma razão para se animar se você é um fã do BLACKFIELD. O novo álbum V coloca STEVEN WILSON de volta no fronte e, como resultado, o álbum é o melhor do duo desde o segundo álbum, e pode até ser o seu trabalho mais diversificado e refrescante até aqui.

O álbum começa com a introdução orquestra "A Drop in the Ocean" antes de cair numa faixa com o estilo clássico de Wilson, "Family Man". Combinada com poderosos bateria e teclas, a voz de Wilson começa imediatamente, e imediatamente o álbum traz uma sensação diferente e fresca dos álbuns anteriores do Blackfield. O refrão é velha guarda do PORCUPINE TREE, que deve fazer fãs daquela banda vibrar em nostalgia. É definitivamente um retorno ao som clássico de Wilson. A forte abertura do álbum continua com a brilhante, "How Was Your Ride", uma linda balada que começa simplesmente com um piano e a voz de Wilson. A orquestração desempenha um papel importante aqui enquanto a canção se desenvolve. A simplicidade aqui destaca as habilidades de Wilson e Geffen de deixar um grande refrão fazer o trabalho e deixar a canção subir. Esta é uma das melhores faixas do catálogo do BLACKFIELD.

A voz de Geffen definitivamente tem um forte sotaque quando canta em inglês, mas tem melhorado desde os primeiros álbuns, e certamente não parece forçado. Em faixas como "We'll Never Be Apart", ele parece natural, o rock midtempo é um tipo diferente de canção para a banda e uma mudança agradável de ritmo. Há outros destaques, como a etérea "Life is an Ocean". Os backing vocals criam uma chamada e uma resposta agradáveis com os vocais principais, e quando a bateria volta no final, embora esperado, a canção se encaixa.

A segunda metade do álbum coloca os dois assumindo mais alguns riscos. Enquanto os álbuns anteriores do BLACKFIELD tiveram mais do que sua cota de baladas sombrias e melancólicas, aqui há algumas opções diferentes por toda parte. "Lately" é uma das faixas mais otimistas que a dupla já produziu. É como uma faixa de rock para a frente como se pode ouvir na levada de Wilson, ele soa em casa nesta faixa que poderia até mesmo se encaixar bem no álbum Stupid Dream do PORCUPINE TREE. A instrumental "Salt Water" separa duas músicas de lideradas por Geffen, a blues, "Jackyl", que tem algumas surpresas, e a grande "Undercover Heart".

O álbum conclui e atinge o ápice com outro dos destaques, a semi-biográfica "From 44 to 48", a qual Wilson empresta sua voz. As letras começam estranhamente com "e depois entre 13 e 17 ..." enquanto ele canta sobre os diferentes estágios à medida que envelhece. A guitarra que atua como refrão é uma reminiscência da parte de guitarra de "Prodigal", outra música clássica do PT. As harmonias da dupla aqui são gloriosas. Esta é uma daquelas canções que só Wilson pode fazer justiça e totalmente bela e brilhante. Um ótimo final para o álbum.

O BLACKFIELD só é tímido em comparação com as outras responsabilidades em tempo integral dos membros. Por qualquer outra medida, este é um grande álbum e que é fácil de desfrutar. É ótimo ter o retorno da banda para o que eles fazem melhor.

Tracklist:

A Drop In The Ocean
Family Man
How Was Your Ride?
We'll Never Be Apart
Sorrys
Life Is An Ocean
Lately
October
The Jackal
Salt Water
Undercover Heart
Lonely Soul
From 44 To 48


Stamp
Receba novidades de Rock e Heavy Metal por Whats App
Anunciar no Whiplash.Net


Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Bateristas: os trinta mais ricos do mundoBateristas
Os trinta mais ricos do mundo

Mike Portnoy: a reação ao ouvir garoto de 8 anos tocando cover do Dream TheaterMike Portnoy
A reação ao ouvir garoto de 8 anos tocando cover do Dream Theater


Sobre Fábio Nobre

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.