Lacerated And Carbonized: peso e uma mensagem a ser passada

Resenha - Narcohell - Lacerated And Carbonized

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Oscar Xavier
Enviar correções  |  Ver Acessos

O Brasil e o metal, cada vez mais vem se mostrando com uma sólida união. Basta olhar na última década, na qual surgiram diversas bandas de qualidade, e que ganharam espaço não só na cena nacional, como na internacional. Lacerated And Carbonized é uma dessas bandas que vem demonstrando uma força absurda. O som da banda é extremamente bem produzido, e a brutalidade em seus instrumentos e vocais não deixa a desejar em nada. Seu último álbum intitulado "Narcohell" é a prova concreta disso.

Metal Sucks: os melhores álbuns de metal do século 21Scorpions: As 20 melhores canções com temática romântica

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O álbum abre com "Spawned in Rage", um death metal sem firulas, repleto de blast beats, e um poderoso refrão.

Logo em seguida vem a faixa título, "Narcohell", com uma intensa linha de baixo do grande Paulo Doc, e com direito a um Lyric Video.

A terceira faixa se chama "Bangu 3". A música é completamente caótica, com direito à sirenes no meio da música, representando bem a violência que assola a cidade natal da banda, o Rio de Janeiro(não muito diferente do resto do país.) Um ponto que contribui muito para essa hostilidade musical foi a presença de Marcus D'Angelo, vocalista do Claustrofobia, nos vocais.

A próxima faixa, chamada "Severed Nation", começa com um ritmo mais cadenciado, mas logo dá lugar à brutalidade que se espera da banda. Na minha opinião, nessa faixa Victor Mendonça demonstra um dos pontos altos da bateria no álbum, mostrando uma técnica bem apurada.

"The Urge" é o nome da quinta faixa, e meus amigos, essa é aquela típica faixa que rende um belo pescoço dolorido. Caio Mendonça ainda nos presenteia com um solo de tirar o folego. Sem dúvidas essa merece ter um lugar garantido nos shows ao vivo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A quinta faixa, intitulada "Broken", conta com a presença do norte-americano Mike Hrubovcak, vocalista da banda Monstrosity. Mais uma grande parceria que lhes rendeu uma grande canção.

A faixa seguinte se chama "Terminal Greed", e aqui temos mais uma aula de bateria com Victor Mendonça, com um pedal duplo digno de reverência. A música segue com o mesmo padrão das outras música, com peso e agressividade reinando.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Condition Red", oitava faixa do álbum, conta com o guitarrista Caio Mendonça se destacando mais que nas faixas anteriores. Percebe-se que os riffs estão bem mais trabalhados, tudo isso atribuído a uma banda que transborda hostilidade.

Chegamos a nona faixa, intitulada "Ruinous Breed". Aqui é a vez de Jonathan Cruz entrar em destaque, com um vocal destruidor, chegando a lembrar o grande David Vincent do MORBID ANGEL. Sem dúvidas uma das minhas faixas favoritas do álbum.

Em "Decree of Violence", a impressão que a banda passa é a de que estão aptos a destruir tudo ao seu redor. Na metade da música, temos uma transição para um som com mais grooves, com conversas de rádio ao fundo, mostrando bem a terrível realidade nas comunidades brasileiras. Essa é mais uma daquelas faixas que lhe deixarão com dor no pescoço.

Estamos na reta final do álbum, agora com a instrumental "Parallel State". Aqui não temos nada de novo, sendo uma faixa mais experimental, porém abrindo alas para a faixa seguinte.

"Hell de Janeiro" cairá nas graças do fãs da banda. A faixa é cantada toda em português, fazendo com que a mensagem seja passada aos ouvintes com mais facilidade.

Aqui estamos na última faixa, chamada "Mass Social Suicide". O que a banda apresenta aqui uma junção de letras em inglês e português. Aqui ela demonstra um death metal bem poderoso, e com os segundos finais sendo tocado apenas um violão acústico isolado, encerrando o álbum de forma brilhante.

Bom pessoal, Narcohell é um álbum espetacular, não só pela sua sonoridade, e pela sua produção, mas também pela mensagem que a banda tenta passar. Sem falar na belíssima arte capa que representa bem a realidade brasileira. Enfim, são álbuns assim, que nos fazem perceber que o metal nacional definitivamente não está morto.

Lineup:
Jonathan Cruz - Vocals
Caio Menconça - Guitars
Paulo Doc - Bass
Victor Mendonça - Drums

Tracklist:
01. Spawned In Rage
02. NarcoHell
03. Bangu 3 (Feat. Marcus D'Angelo - Claustrofobia)
04. Severed Nation
05. The Urge
06. Broken (Feat. Mike Hrubovcak - Monstrosity)
07. Terminal Greed
08. Condition Red
09. Ruinous Breed
10. Decree of Violence
11. Parallel State
12. Hell de Janeiro
13. Mass Social Suicide




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Lacerated And Carbonized"


Metal Sucks: os melhores álbuns de metal do século 21Metal Sucks
Os melhores álbuns de metal do século 21

Scorpions: As 20 melhores canções com temática românticaScorpions
As 20 melhores canções com temática romântica


Sobre Oscar Xavier

Headbanger, ouviu Heavy Metal pela primeira vez aos 11 anos de idade, o disco "Brave New World" do Iron Maiden, desde então não parou mais. Atualmente suas bandas favoritas são Pantera, Slayer, Dissection e Satyricon.

Mais matérias de Oscar Xavier no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280