Satyricon: Um álbum magnífico, no ano decisivo para o Black Metal

Resenha - Shadowthrone - Satyricon

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Oscar Xavier
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Em 1994, vários clássicos do Black Metal foram lançados na Noruega, dentre eles, 'In the Nightside Eclipse' do EMPEROR, 'De Mysteriis Dom Sathanas' do MAYHEM, 'Transilvanian Hunger' do DARKTHRONE, 'Pentagram' do GORGOROTH, 'Frost' do ENSLAVED, 'Hvis lyset tar oss' do BURZUM, dentre outros vários. Mas meu foco aqui será o grandioso 'The Shadowthrone' do SATYRICON.

Satyricon: Uma ótima porta de entrada para o Black MetalOs Headbangers não praticantes

O álbum já começa com uma faixa totalmente em norueguês, intitulada 'Hvite Krists død'(em português "A Morte do Deus Branco"). É um clássico da banda, e tem presença confirmada em quase todos os set-list da banda. A música começa com os vocais isolados de Satyr, onde ele fala "Kampen mot Gud og hvitekrist er igang!"(em português "A luta contra Deus e o Cristo branco está começando!"). É uma faixa onde há várias mudanças ao longo dela, com partes mais cadenciadas, outras onde se usam apenas sintetizadores procurando dar um clima mais sombrio, e Satyr com vocais limpos em tom de narrativa. A música encerra de forma genial com um coro, deixando a música mais épica.

A segunda faixa intitulada 'In the Mist by the Hills'(em português "Na névoa pelas colinas"), começa com um ritmo cadenciado, com riffs mais cativantes, onde logo dão espaço aos blast beats de Frost. É provável que essa seja a faixa onde Frost mais demonstra sua técnica.

A terceira faixa se chama 'Woods to Eternity'(em português "Bosques para a eternidade"). Ela já começa em um ritmo acelerado e continua assim por quase toda a música. Logo após toda a fúria sonora da banda, há um interlúdio acústico, dando um toque medieval a faixa. Logo ela se encerra com os membros da banda demonstrando entrosamento com seus riffs e viradas de bateria. Uma das melhores do álbum.

A quarta faixa é uma de minhas favoritas de toda a carreira da banda, 'Vikingland'(em português "Terra Viking"). A música é toda em norueguês, e os vocais de Satyr se destacam nessa faixa, onde ele alterna de vocais rasgados, para um coro em vocais limpos, soando como um hino viking. O ponto alto da música é aos 03 minutos e 15 segundos, onde todos os instrumentos param, e ao fundo o som de uma batalha de espadas com sons de vento, deixando o ouvinte mais próximos de sua imaginação. Logo surge a voz de Satyr mais uma vez isolado, porém, dessa vez com vocais rasgados bem ásperos, onde ele narra batalha que está ocorrendo.

A quinta faixa intitulada 'Dominions of Satyricon'(em português "Domínio dos Sátiros"), tem a presença de teclados em mais destaque, porém não espere nada como orquestrações exageradas, os teclados aqui tem apenas o intuito de deixar o climas das músicas mais sombrio. A música se encerra com o verso "Arise northern spirit and come forth under, the might of the castle satyricon"(em português "Levanta-te espírito nórdico e se apresentem sob, o poder do castelo dos sátiros").

A sexta música se chama 'The King of the Shadowthrone'(em português "O rei do trono das sombras"). No começo dessa faixa, Satyr nos mostra que não é apenas um ótimo vocalista, mas também um excelente compositor com seus riffs de guitarra. A música se encerra de maneira genial, com um interlúdio acústico, e em seguida um instrumental mais experimental, com Satyr mais uma vez mostrando seus vocais limpos.

A sétima e última música intitulada 'I en svart kiste'(em português "Em um caixão negro") é um instrumental feito apenas com sintetizadores, maneira ideal de finalizar o álbum, com esse clima atmosférico soando como um funeral de um guerreiro que perdeu a vida bravamente em uma batalha.

SATYRICON sempre esteve um passo a frente em relação às outras bandas, procurando sempre inovar, ao invés de regravar sempre a mesmo coisa. Isso prova o quão criativos e competentes são os músicos. Resumindo, 'The Shadowthrone' é basicamente um black metal tradicional com toques acústicos medievais e atmosféricos, onde narra as batalhas vivida pelos guerreiros nórdicos.

tracklist:
01 - Hvite Krists død
02 - In the Mist by the Hills
03 - Woods to Eternity
04 - Vikingland
05 - Dominions of Satyricon
06 - The King of the Shadowthrone
07 - I en svart kiste

lineup:
Satyr(Sigurd Wongraven) - Vocais/Guitarra/Teclados/Letras
Frost(Kjetil-Vidar Haraldstad) - Bateria
Samoth(Tomas Thormodsæter Haugen) - Baixo/Guitarra




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Satyricon"Todas as matérias sobre "1349"


Satyricon: Uma ótima porta de entrada para o Black Metal

Como acalmar seu bebêComo acalmar seu bebê
Black Metal é a solução!

Metal InjectionMetal Injection
Os cinco bateristas mais insanos do Black Metal

Metal norueguêsMetal norueguês
As dez melhores bandas segundo o About.com


OpiniãoOpinião
Headbangers não praticantes: radicalismo no Metal

Tarja TurunenTarja Turunen
A agressão de um fã durante show no México em 2000

Musical BoxMusical Box
Os vinte discos seminais do Hard Rock

A7X: Curiosidades sobre a banda que talvez você não saibaMetal: Gibson.com enumera 50 melhores músicas do gêneroVan Halen: os álbuns da banda, do pior para o melhorStratovarius: baixista animando São Paulo com o hit "Que Porra!"

Sobre Oscar Xavier

Headbanger, ouviu Heavy Metal pela primeira vez aos 11 anos de idade, o disco "Brave New World" do Iron Maiden, desde então não parou mais. Atualmente suas bandas favoritas são Pantera, Slayer, Dissection e Satyricon.

Mais matérias de Oscar Xavier no Whiplash.Net.

adGooILQ