The Pale Emperor: O mais novo trabalho de Marilyn Manson

Resenha - Pale Emperor - Marilyn Manson

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Giovanni Lucena Costa, Fonte: Destilaria de Ideias
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Bem, há quem critique ou conteste as obras deste artista, e diante de toda controvérsia estabelecida em protestos cristãos sobre Brian Hugh Warner devo informar (ou avisar) que o mais novo trabalho do nosso "Anticristo Superstar" deixa a desejar em alguns quesitos, e além disso há um ruptura no visual do músico que já foi indiciado o artista mais assustador do mundo. No entanto, acerta em cheio em diversos outros pontos, estes que deixam este disco como uma OBRA PRIMA e um dos melhores de sua carreira (se não o melhor desde o Holly Wood). Temos então um disco em que o consagrado estilo industrial, que foi o principal rótulo sobre suas músicas, esteja um pouco de lado para dar mais ênfase ao hard rock, algo nisto que não há como não ser notado.

Marilyn Manson: ele interpretará cantor viking/death na série American GodsUSA Today: as 20 maiores bandas de todos os tempos nos EUA

1 - Killing Strangers
Nesta faixa de abertura é possível observar uma batida bem característica de suas músicas. No decorrer dela Mr. Manson começa a citar os versos, de forma rítmica e marcial, onde é importante ressaltar que o baixo da música está absolutamente impecável! Bom, a música vai se "desenrolando" e nem de longe ela consegue ser uma das melhores do disco, mas no geral é uma boa música que peca apenas com o tempo de duração, excessivamente estendido.

2 - Deep Six
Deep Six, o primeiro single liberado pela banda. Desde quando foi lançado, ao ouvi-lo pela primeira vez, me senti completamente preso na atmosfera desta obra-prima! Ela começa de uma forma bem sombria, logo somos introduzidos aos vocais arrastados do Mr. Manson, e então, de cara ouvimos belíssimos riffs de guitarras, com uma pegada meio que "eufórica" em um inusitado dueto entre vocal/guitarra, chegamos ao refrão: "It's in my half-frozen wax/ And your artillery lead/ Do you like our plan?/ Do you like our plan?/ Deep six, six, six feet deep/ Deep six, six, six feet deep". A música consiste em um hard rock matador e marca como um das melhores músicas do disco, bem como da carreira do músico. As influências relacionadas ao rock mais clássico e ao hard já começam por aqui...

3 - Third Day of A Seven day Binge
Esta faixa têm um ritmo bem interessante, as linhas de baixo aqui é o grande destaque, e as guitarras estão com uma pegada mais country, com ótimos arranjos e solos. Os vocais estão muito bons e Marilyn Manson veio para dizer que ainda têm muito o que mostrar com sua versatilidade vocal.

4 - The Mephistopheles Of Los Angeles
Com toda certeza, uma das melhores faixas do disco! Temos excelentes linhas de baixo, belos arranjos de guitarra, bateria, vocais e um dos melhores refrões do álbum! Com um ritmo que cola na cabeça de qualquer um, a música possui um feeling incrível, onde, mais uma vez, é possível notar influências clássicas setentistas e oitentistas. Chega a soar um pouco com pitadas de new wave, só que aos moldes da banda.

5 - Warship My Wreck
Até agora é impossível não notar o clima mais "hard" da obra, pois esta música consiste numa balada, a primeira do álbum, mas que não deixa nada a desejar! O feeling da música está fantástico, a atmosfera está impecável com todo o clima dramático criado por Marilyn e transmitido em sua voz, a música se desenrolando de forma bastante virtuosa.

6 - Slave Only Dreams To Be King
Esta é uma das faixas que mais lembram alguns de seus trabalhos anteriores, no entanto se limita a faixa mais genérica. Ela começa com uma batida à lá Personal Jesus e Beautiful People, com a reclusão dos vocais mórbidos para serem substituídos pelos mais rasgados. Temos aqui a primeira faixa razoável do The Pale Emperor.

7 - The Devil Beneath My Feet
Bateria e baixo resumem essa faixa. O baixo por si só está sendo o maior destaque do disco. A música possui uma quebrada, as guitarras alternam entre um riff que leva a música toda para uma pegada mais soft, mas apenas por alguns segundos, e então temos o apelo vocal de Marilyn Manson e mais uma vez notamos o hard rock sendo enfatizado. De alguma forma lembra um pouco Nu Metal. Vale ressaltar que até agora é praticamente impossível não notar a ausência dos elementos eletrônicos.

8 - Birds Of Hell Awaiting
Nesta música a interpretação vocal do Marilyn Manson é o grande destaque! A música é um pouco repetitiva, mas possui uma pegada bem interessante que me chega a lembrar um pouco da fase do Psycho Circus do KISS (apenas no instrumental).

9 - Cupid Carries A Gun
A música se inicia num clima mais sombrio, como se fosse uma continuação da faixa anterior. Destaque desta vez para as guitarras com seus belos arranjos, o vocal e sua ótima versatilidade performática, e o baixo, que já vem sendo um grande destaque em todo o disco.

10 - Odds Of Even
Esta música possui uma pegada Blues, com influências de rock setentistas até mesmo de bandas como Led Zeppelin. A guitarra aqui é o grande destaque da faixa, com BELÍSSIMOS arranjos e extremamente bem trabalhados. A ousadia que a banda teve em incorporar tais elementos nesta música foi excepcional, tornando uma música bem diferente, mas que não deixa de ser interessante.

11 - Day 3 (BONUS TRACK, DELUXE VERSION)
Trata-se de uma faixa acústica com uma pegada country e um pouco de blues, mas com um clima bem sombrio e obscuro, o vocais nesta música merecem bastante destaque.

12 - Fated, Faithful, Fatal (BONUS TRACK, DELUXE VERSION)
Versão acústica de "The Mephistopheles Of Los Angeles", com uma pitada de blues.

13 - Fall Of The House Of Death (BONUS TRACK, DELUXE VERSION)
Versão acústica de "Third Day Of A Seven Day Binge" com algumas influências recorrente ao blues, soft, country e hard rock.

Conclusão:
Ao ouvir este disco é de se surpreender com a ousadia da banda: influências do rock clássico, blues e até mesmo do Glam! Dando uma volta com pitadas de Led Zeppelin, KISS e David Bowie, o disco consiste em um mix de influências do cantor, uma atmosfera bem diferente dos demais, mas que consegue ser ousado na medida certa enquanto varia entre o hard rock, glam e até mesmo hard/heavy. Talvez os fãs mais radicais possam não apreciar a obra, simplesmente pela ausência dos elementos eletrônicos e industriais que consagraram a carreira da banda Marilyn Manson, ou melhor, do artista solo auto-intitulado Marilyn Manson (o que parece fazer mais sentido). No geral, o disco é um hard rock de primeira! possui melodias muito bem compostas e elaboradas, ótimas linhas de baixo e belos arranjos de guitarra. A produção também está de parabéns pela qualidade do trabalho feito!

PONTOS POSITIVOS:
- Ousadia
- Influência do Glam
- Influência do Blues
- Influência do Hard rock
- Influência do New Wave
- Versatilidade vocal
- Elementos do Nu Metal
- Linhas de baixo
- Guitarra enfatizada
- Arranjos acústicos

PONTOS NEGATIVOS:
- Ausência dos elementos eletrônicos
- Ausência do consagrado Industrial Metal, que parece estar completamente nulo neste disco.
- O disco está menos "metal" e mais "rock"
- Ausência de peso


Outras resenhas de Pale Emperor - Marilyn Manson

Marilyn Manson: Continuando em sua metamorfose sonora



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Marilyn Manson"


Marilyn Manson: ele interpretará cantor viking/death na série American GodsMarilyn Manson
Ele interpretará cantor viking/death na série American Gods

Justin Bieber: ele diz ter feito Marilyn Manson relevante de novoJustin Bieber
Ele diz ter feito Marilyn Manson relevante de novo

Marilyn Manson: entenda a treta com a Courtney LoveMarilyn Manson
Entenda a treta com a Courtney Love

Fotos de Infância: Marilyn MansonFotos de Infância
Marilyn Manson


USA Today: as 20 maiores bandas de todos os tempos nos EUAUSA Today
As 20 maiores bandas de todos os tempos nos EUA

Max Cavalera: triste ver uma banda tão importante virar uma merdaMax Cavalera
Triste ver uma banda tão importante virar uma merda

Demonstrações de afeto: fotos de rockstars que já se beijaramDemonstrações de afeto
Fotos de rockstars que já se beijaram

Enjaulados: Os crimes mais chocantes da história do rockEnjaulados
Os crimes mais chocantes da história do rock

Paula Fernandes: aos 19 anos ela ia em shows de Black MetalPaula Fernandes
Aos 19 anos ela ia em shows de Black Metal

Andre Matos: cinco livros que influenciaram suas composiçõesAndre Matos
Cinco livros que influenciaram suas composições

Linkin Park: como adolescentes de hoje reagem ao ouvir a banda?Linkin Park
Como adolescentes de hoje reagem ao ouvir a banda?


Sobre Giovanni Lucena Costa

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.