Andre Matos: Não ficou com o nome do Angra, mas ficou com o resto

Resenha - Andre Matos (Armazém, Fortaleza, 15/11/14)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Igor Soares
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Quando Andre Matos deixou o Angra em agosto de 2000, uma frase em sua carta de despedida chamava atenção: “Apesar de não ficarmos com o nome Angra, com certeza ficamos com todo o resto”. Muito tempo se passou e após ter visto o vocalista evitar, ano após ano, revisitar o passado de sua antiga banda, sempre dando prioridade aos seus novos projetos, finalmente pude ver que Matos tinha razão: o nome Angra não ficou com ele, mas todo o resto sim.

475 acessosAngra Fest: Fabio Lione e Pompeu convidam fãs para o festival5000 acessosJames Hetfield: "Você não iria gostar de mim se soubesse minha história"

Para comemorar os 20 anos do álbum “Angels Cry” o vocalista embarcou em uma longa turnê na qual executa o primeiro disco do Angra na íntegra. Um inquestionável clássico do Heavy Metal nacional, com músicas que muitos fãs nunca tiveram a oportunidade de ver ao vivo. Agora, em seus últimos shows, essa impressionante viagem no tempo desembarcou pela segunda vez em Fortaleza, onde vi Andre Matos e sua banda conseguir algo que o “nome” Angra jamais conseguiu após a separação de sua formação original: emocionar.

Após uma conturbada passagem por Teresina (minha cidade), onde se apresentaria no Planeta Brazuca, Andre Matos seguiu para a capital cearense. Com o cancelamento do festival, peguei a estrada e fui conferir o show em Fortaleza. Ao chegar no Complexo Armazém, local da apresentação, que fica nos arredores do Centro Cultural Dragão do Mar, a visão da enorme fila que dobrava o quarteirão já dava a certeza de que teríamos casa cheia naquela noite. Um pouco de demora na entrada infelizmente acabou fazendo com que perdesse o show de abertura dos cearenses do Jack The Jocker. Não vi ao vivo, mas ouvi “In The Rabbit Hole”, o excelente primeiro disco dos caras e recomendo!

A casa realmente estava cheia e os presentes disputavam um concorrido espaço em frente ao palco. Após a breve Intro, Andre Matos e sua banda abriram os trabalhos com “Liberty” do álbum “The Turn Of The Lights”. Problemas no som tiraram um pouco da empolgação inicial do show, mas na sequência, o refrão de “I Will Return” tratou de animar a plateia, que cantado em alto e bom som, mostrou que conhecia muito bem a carreira solo do vocalista. As ótimas “Course Of Life” e “Rio” deram continuidade a primeira parte do show, que mostrou músicas dos três álbuns solo de Matos, esta última mais uma vez cantada em coro pelos cearenses.

A essa altura da apresentação os problemas de som voltaram e o público resolveu se manifestar aos gritos de “Aumenta a Voz! Aumenta a Voz!”. Andre Matos resolveu então abrir mão das caixas de retorno, que foram viradas na direção do público: “Foda-se que eu vou ficar sem retorno”, brincou o vocalista.

Após comentar o lamentável cancelamento do show de Teresina, a apresentação continuou com a faixa título do novo disco: “The Turn Of The Lights”. A balada "Fairy Tale" foi a única do Shaman no setlist e nem precisa dizer que foi cantada em uníssono pelo público, que deu um espetáculo a parte no coro do refrão.

Mais uma do novo disco, a ótima "Stop!", com destaque para a performance dos guitarristas Hugo Mariutti e André Hernandes, riffs e solos impecáveis. A primeira do Angra veio logo depois, com o público literalmente na mão Andre Matos ouviu um quase que ensurdecedor coro em "Lisbon". Após um longo solo de bateria de Rodrigo Silveira, mais uma do disco novo, "On Your Own".

O show chegava em sua metade e o clássico "Living For The Night" fechou de maneira sensacional a primeira parte da apresentação. Durante essa música o vocalista apresentou a banda, que brincando com os riffs do clássico do Viper fez curiosas citações de Legião Urbana, Michael Jackson e até uma levada meio Reggae. Foi divertido.

Uma breve pausa e a intro "Unfinished Allegro" trouxe o que todos esperavam, a velha conhecida "Carry On" fez o público explodir! E como é bom ouvir o Andre cantando essa música. Outros vocalistas deveriam ser proibidos de assassinar (Ops!) cantar esse verdadeiro hino do metal nacional.

O que viria em seguida já era do conhecimento de todos, mas a cada música uma nova explosão do público. Um clássico atrás do outro. Após a sequência "Time", "Angels Cry" e "Stand Away" já faltava voz para acompanhar o show, mas Andre Matos seguia impressionando com os agudos como se estivéssemos no começo dos anos 90.

A nordestina "Never Understand" e a emblemática versão de "Wuthering Heights" da Kate Bush emocionaram pela perfeição com que foram executadas, esta última com uma performance digna de "palmas lentas" para o vocalista.

Uma breve pausa e uma brincadeira de Hugo Mariutti com o riff de "Nothing To Say" do álbum Holy Land, bagunçou o setlist do show, e que bagunça sensacional! A banda teve que acompanhar o guitarrista e acabou executando mais um clássico do Angra. Andre Matos teve que se render e perguntou ao público o que queríamos ouvir. Aos gritos de "Painkiller, Painkiller, Painkiller" fomos presenteados com um medley que além do hino máximo do Judas Priest teve ainda "Breaking The Law" e "Wasted Years" do Iron Maiden!

Ufa! E ainda faltavam 3 músicas: "Streets Of Tomorrow", "Evil Warning" e "Lasting Child", que encerraram com chave de ouro um dos melhores shows que eu já tive a oportunidade de ver.

Depois de assistir inúmeras apresentações da banda de Kiko Loureiro e Rafael Bittencourt, tive a impressão de nunca ter visto o Angra até aquela noite em Fortaleza. Realmente Andre, você só não ficou com o nome, mas com certeza ficou com todo o resto.

Set-list do show:

1. Intro
2. Liberty
3. I Will Return
4. Course Of Life
5. Rio
6. The Turn Of The Lights
7. Fairy Tale
8. Stop!
9 .Lisbon
10. On Your Own
11. Living For The Night
12. Unfinished Allegro
13. Carry On
14. Time
15. Angels Cry
16. Stand Away
17. Never Understand
18. Wuthering Heights
19. Nothing To Say
20. Painkiller (Judas Priest)
21. Breaking The Law (Judas Priest)
22. Wasted Years (Iron Maiden)
23. Streets Of Tomorrow
24. Evil Warning
25. Lasting Child

Fotos: Marcelo Sousa
http://bit.ly/AndreMatosFortaleza2014

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

AngraAngra
O peso de substituir Kiko Loureiro

475 acessosAngra Fest: Fabio Lione e Pompeu convidam fãs para o festival3542 acessosNando Moura: a trolagem do Megadeth e o Top 5 do Kiko Loureiro3678 acessosAngra: "É o melhor baixista com quem eu já trabalhei, um MONSTRO!"5000 acessosKiko Loureiro: "minha resposta para o Nando Moura"4440 acessosNando Moura: Kiko Loureiro, Megadeth e bondade0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Angra"

AngraAngra
Assista matéria antiga e equivocada na TV Globo

Luís MariuttiLuís Mariutti
Pelos fãs e meus filhos eu faria algo com o Angra

Paganini e o Heavy MetalPaganini e o Heavy Metal
A onipresença do "Capriccio nº 24" no Heavy Metal

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Andre Matos"0 acessosTodas as matérias sobre "Angra"


HetfieldHetfield
"Você não iria gostar de mim se soubesse minha história"

Edu FalaschiEdu Falaschi
O fax com convite de seleção para o Iron Maiden

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Marilyn Manson muito antes da fama

5000 acessosSeparadas no nascimento: Amy Lee (Evanescence) e Shione Cooper (atriz pornô)5000 acessosAxl Rose: como ele pegava todas as garotas que Slash conquistava5000 acessosScorpions: As 20 melhores canções com temática romântica5000 acessosNightwish: Hietala colocando bebê para dormir com Black Sabbath5000 acessosIron Maiden: Seria essa a camisa promocional do show em Fortaleza?5000 acessosBret Michaels: a pornografia que quase o matou

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 22 de novembro de 2014
Post de 26 de novembro de 2014


Sobre Igor Soares

Brasiliense de nascimento e piauiense de coração, Igor é Geógrafo e Desenvolvedor Web. Acessa o Whiplash.Net desde os primórdios e o Iron Maiden, sua banda favorita, é uma das razões dele ter se tornado colaborador do site.

Mais matérias de Igor Soares no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online