Matérias Mais Lidas

Nicko McBrain: pedal duplo é pra caras como Aquiles PriesterNicko McBrain
Pedal duplo é pra caras como Aquiles Priester

Jon Schaffer: nomes do Iced Earth e Demons & Wizards somem do site da gravadoraJon Schaffer
Nomes do Iced Earth e Demons & Wizards somem do site da gravadora

Greta Van Fleet: Robert Plant odeia aquele vocalistaGreta Van Fleet
Robert Plant "odeia" aquele vocalista

Metallica: veja o primeiro (e curioso) cartão de visitas da bandaMetallica
Veja o primeiro (e curioso) cartão de visitas da banda

Megadeth: Dave Lombardo quase entrou pra banda, mas percebeu a merda que ia darMegadeth
Dave Lombardo quase entrou pra banda, mas percebeu a merda que ia dar

Joe Lynn Turner: detonando gravadora por continuar projeto Sunstorm sem eleJoe Lynn Turner
Detonando gravadora por continuar projeto Sunstorm sem ele

Nervosa: Banda lança videoclipe de Under RuinsNervosa
Banda lança videoclipe de "Under Ruins"

Pantera: as cinco melhores músicas da banda, segundo leitores da RevolverPantera
As cinco melhores músicas da banda, segundo leitores da Revolver

Megadeth: Dave Mustaine, agora, é faixa roxa em jiu-jitsu brasileiroMegadeth
Dave Mustaine, agora, é faixa roxa em jiu-jitsu brasileiro

Iron Maiden: As faixas do clássico The Number Of The Beast, da pior para a melhorIron Maiden
As faixas do clássico "The Number Of The Beast", da pior para a melhor

Pearl Jam: exigindo que banda cover Pearl Jamm mude nome, sob ameaça de processoPearl Jam
Exigindo que banda cover Pearl Jamm mude nome, sob ameaça de processo

Lista: 10 grandes sucessos que farão 30 anos em 2021 e continuam sendo ouvidos até hojeLista
10 grandes sucessos que farão 30 anos em 2021 e continuam sendo ouvidos até hoje

Quiet Riot: quebrando disco de banda brasileira em 1985Quiet Riot
Quebrando disco de banda brasileira em 1985

Loudwire: o melhor álbum de thrash metal de cada ano, de 1983 até 2020Loudwire
O melhor álbum de thrash metal de cada ano, de 1983 até 2020

Dedo x Palheta: Jason Newsted joga gasolina na fogueira do debateDedo x Palheta
Jason Newsted joga gasolina na fogueira do debate


Matérias Recomendadas

Metal Brasileiro: 10 bandas recomendáveis fora o SepulturaMetal Brasileiro
10 bandas recomendáveis fora o Sepultura

Lemmy: Eddie Van Halen nunca chegará aos pés de Hendrix!Lemmy
"Eddie Van Halen nunca chegará aos pés de Hendrix!"

Power Metal: 10 álbuns essenciais do estiloPower Metal
10 álbuns essenciais do estilo

System of a Down: casamento vai abaixo com Toxicity, vídeo viraliza e Serj divulgaSystem of a Down
Casamento vai abaixo com "Toxicity", vídeo viraliza e Serj divulga

Freddie Mercury: 18 fotos espontâneas ao lado do namorado Jim HuttonFreddie Mercury
18 fotos espontâneas ao lado do namorado Jim Hutton

Tunecore
Malvada

Rage: Inaugurando uma das fases mais criativas do grupo

Resenha - Black In Mind - Rage

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Giales Pontes
Enviar Correções  

9


Em termos mais rígidos, este ‘Black In Mind’(1995) é o oitavo álbum na discografia do Rage (portanto, aqui não estamos considerando Prayers Of Steel (1985) quando a banda ainda se chamava Avenger, nem ‘10 Years In Rage’(1994) que era na verdade um apanhado de faixas raras nunca lançadas até então). Este trabalho inaugurou o que eu considero uma das fases mais criativas deste grupo alemão. Trazendo a estréia da dupla de guitarristas Spiros e Sven, podemos dizer que o álbum deve grande parte de sua energia, criatividade e carisma, a estes dois músicos em particular. Claro que nada disso seria possível sem a competência do batera Chris(irmão de Spiros) e a inquestionável genialidade de Peter "Peavey" Wagner como compositor e vocalista.

O play já abre com a faixa-título, um arrasa-quarteirão impossível de resistir! A cabeça começa a "bangear" sem a gente perceber. A sucessão de riffs nervosos é contagiante, as linhas vocais de Peavy misturam melodia com uma agressividade irrepreensível, e na parte dos solos as guitarras capricham, mantendo-se melodiosas e fazendo um ótimo contraponto aos riffs pesados e distorcidos. ‘The Crawling Chaos’ segue a linha de guitarras power metal, linhas vocais mesclando agressividade e melodia tudo na medida certa. O refrão é estupendo! Melodioso, com backings de arrancar lágrimas. Sem dúvida é uma das melhores do álbum.

Eu comentei no início da resenha sobre a enorme importância da dupla de guitarristas estreante no resultado final desse trabalho, e num primeiro momento aqueles que não conhecem o álbum podem achar que tratam-se de músicos virtuosos. Na verdade o trabalho "guitarrístico" não é tão técnico assim, nem traz grandes arroubos de virtuosismo. Mas extrapola legal no feeling. Que o digam as três faixas seguintes: ‘Alive But Dead’, ‘Sent By The Devil’(rápida e contagiante) e ‘Shadow Out Of Time’(riff sensacional!).

‘A Spider’s Web’ também possui um ritmo que entusiasma já nos primeiros acordes, desde o dedilhado da guitarra no início, passando pela levada de bateria que conduz a maior parte da música, e atentando para a atmosfera carregada durante o refrão nervoso, em que Peavy as vezes parece estar xingando alguém ao cantar "Just like a spider’s web". Os dez minutos de duração da épica ‘In A Nameless Time’ passam como um relâmpago. A música é tão maravilhosa que quando a gente percebe, ela já acabou. ‘The Icecold Hand Of Destiny’ segue a sonoridade predominante no álbum inteiro e é para mim a melhor de todas, muito embora todas as demais músicas do álbum me causem uma sensação parecida. ‘Black In Mind’ é realmente o trabalho muito linear, tornando difícil destacar essa ou aquela música. Todas são de tirar o fôlego.

‘Forever’, ‘Until I Die’ (lembro que a primeira vez que ouvi essa, comecei a "bater cabeça" sozinho no meio da sala empunhando minha "air guitar"), ‘My Rage’(mais uma rifferama destruidora), ‘The Price Of War’, ‘Start!’ e a balada meio orquestrada ‘All This Time’, conseguem manter a altíssima qualidade do álbum. ‘Black In Mind’ em 1995 era o Power Metal ganhando uma nova roupagem, o que só mesmo um gênio como Peavy poderia proporcionar. E na versão alemã do álbum, que é a que esta sendo resenhada aqui, ainda temos as excelentes bônus ‘Tie The Rope’ e ‘Forgive But Don’t Forget’. Aliás, essas duas músicas poderiam facilmente fazer parte do track-list principal do álbum e isso não traria qualquer prejuízo à qualidade do mesmo, pois são tão boas quanto as demais.

Line-up:

Peter "Peavy" Wagner (Vocal/Baixo)
Spiros Efthimiadis (Guitarras)
Sven Fischer (Guitarras)
Chris Efthimiadis (Bateria)

Track-list:

1 . Black In Mind
2 . The Crawling Chaos
3 . Alive But Dead
4 . Sent By The Devil
5 . Shadow Out Of Time
6 . A Spider’s Web
7 . In A Nameless Time
8 . The Icecold Hand Of Destiny
9 . Forever
10. Until I Die
11. My Rage
12. The Price Of War
13. Start!
14. All This Time

Bonus tracks (German version)

15. Tie The Rope
16. Forgive But Don’t Forget


Stamp
Receba novidades de Rock e Heavy Metal por Whats App
Anunciar no Whiplash.Net


Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Terrana: Nunca um computador limpará minha bunda!Terrana
"Nunca um computador limpará minha bunda!"

Mike Terrana: Malmsteen foi uma das piores pessoas que conheci!Mike Terrana
"Malmsteen foi uma das piores pessoas que conheci!"


Cover: 15 bandas que são quase tão boas quanto o originalCover
15 bandas que são quase tão boas quanto o original

Metallica: garoto de 10 anos destrói com Enter Sandman em programa de TVMetallica
Garoto de 10 anos destrói com "Enter Sandman" em programa de TV


Sobre Giales Pontes

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.