Sonata Arctica: Revisitando desnecessariamente seu maior clássico

Resenha - Ecliptica Revisited - Sonata Arctica

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Junior Frascá
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 3


No final dos anos 90, mais especificamente em 1999, quando o metal melódico saia de seu auge, e já começava a dar sinais de desgaste, uma banda finlandesa lançava seu primeiro disco, dando um novo gás para o estilo, e tornando um de seus nomes mais importantes nos anos seguintes. E não é a toa que "Ecliptica" é até hoje aclamado como um dos melhores (senão o melhor) disco do SONATA ARCTICA.

Sonata Arctica: nova longa turnê pela América Latina em 2020CD vs Vinil: não diga que o som do vinil é melhor - porque não é

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Me lembro muito bem na época de lançamento do disco, que todos os fãs do estilo, assim como eu, ficaram totalmente perplexos com uma banda que, mesmo aliando todos os clichês típicos do power metal melódico, consegui criar um estilo todo próprio, cativante e energético. E mesmo tendo mudado bruscamente no futuro, desagradando muito de seus fãs, os caras até hoje possuem credibilidade na cena, e "Ecliptica" é um disco de cabeceira de vários bangers (nos quais também me incluo).

Agora, para comemorar os 15 anos do debut, resolveram "revisitá-lo", regravando todas as faixas, e incluindo um bônus.

E, infelizmente, às regravações ficaram totalmente sem sentido. Em primeiro lugar, cabe lembrar que a versão original de "Ecliptica" foi muito bem produzida e gravada, ou seja, o motivo dessa regravação não era por qualidade. Ora, então nada justifica os caras regravarem um disco inteiro, praticamente nota a nota, com raríssimas variações em relação às faixas originais.

Na grande maioria do disco, a impressão que temos é que estamos ouvindo a versão original do trabalho, sendo totalmente sem sentido as regravações. Além disso, nas regravações, as faixas parecem perder o ritmo frenético e energético das originais. Ou seja, pouco mudou e, no que mudou, foi para pior.

É óbvio que não há como estragar faixas como "Blank File", "My Land", "8th Commandment", "Replica", "Fullmoon" e "Kingdom for a Heart". Não é esse o problema, mas sim o fato de tais faixas já serem excelentes em suas versões originais, e a regravação praticamente igual das mesmas é incompreensível, ainda mais por uma banda como o SONATA ARCTICA, que sempre primou pela ousadia.

Se a tentativa dos caras foi trazer de volta os antigos fãs, certamente não terão sucesso, vez que não há nenhum atrativo novo. E se a intenção foi mostrar aos novos fãs os primórdios da banda, também falharam miseravelmente, pois hoje em dia, com a internet, qualquer um pode ter acesso ao disco original, muito melhor que esse, com muita facilidade.

Sem dúvida um lançamento incompreensível, ainda mais nos dias de hoje, em que a forma de consumir a música vem mudando consideravelmente.

Ecliptica Revisited - Sonata Arctica
(2014 - Importado)

1 - Blank File 4:09
2 - My Land 4:48
3 - 8th Commandment 5:04
4 - Replica 3:46
5 - Kingdom For A Heart 3:47
6 - Fullmoon 5:12
7 - Letter To Dana 6:23
8 - UnOpened 3:13
9 - Picturing The Past 3:35
10 - Destruction Preventer 7:45
11 - I Can't Dance (Bonus Track) 3:52




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Sonata Arctica"


Sonata Arctica: nova longa turnê pela América Latina em 2020Sonata Arctica: shows em oito cidades no Brasil em abril de 2020

Sonata Arctica: a história por trás da música Letter to DanaSonata Arctica
A história por trás da música "Letter to Dana"

Sonata Arctica: Finlândia não é o paraíso que muitos pensamSonata Arctica
Finlândia não é o paraíso que muitos pensam


CD vs Vinil: não diga que o som do vinil é melhor - porque não éCD vs Vinil
Não diga que o som do vinil é melhor - porque não é

Guns N' Roses: os 10 melhores não-clássicos da bandaGuns N' Roses
Os 10 melhores não-clássicos da banda


Sobre Junior Frascá

Junior Frascá, casado, é advogado, e apaixonado por heavy metal em todas as suas vertentes (em especial thrash, stoner, doom e power metal) desde seus 15 anos. Também é fã de filmes de terror e séries americanas, faz parte da equipe da revista digital Hell Divine e do site My Guitar, e é guitarrista da banda de metal tradicional MUD LAKE.

Mais matérias de Junior Frascá no Whiplash.Net.

adGoo336