Matérias Mais Lidas

imagemO grave problema do refrão de "Eagle Fly Free", segundo Fabio Lione

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemA categórica opinião de Dave Mustaine sobre religião "abusiva e falsa" de sua mãe

imagemEdu Falaschi descobriu que seu primo famoso tem mais seguidores que ele no Instagram

imagemGregório Duvivier: "Perto de Chico Buarque, Bob Dylan é uma espécie de Renato Russo!"

imagemIggor Cavalera diz que reunião da formação clássica do Sepultura seria incrível, mas...

imagemDave Mustaine cutuca Kiss e bandas "preguiçosas" que usam playbacks

imagemGene Simmons diz que não sabe quando última tour do Kiss vai acabar

imagemJoão Gordo diz que não torce pela seleção brasileira de futebol

imagemRádio canadense está tocando uma música do Rage Against The Machine sem parar

imagemQuando Jimi Hendrix chamou Eric Clapton para subir no palco e afinar sua guitarra

imagemLobão explica porquê todo sertanejo gostaria, no fundo, de ser roqueiro

imagemTravis Barker, do Blink-182, é hospitalizado às pressas e filha pede orações

imagemDave Mustaine, eufórico, compara James LoMenzo com Cliff Burton


Stamp

Placebo: Envelhecendo para ficar cada vez melhor

Resenha - Loud Like Love - Placebo

Por Ronaldo Celoto
Em 30/11/13

A arte de não decepcionar talvez seja a mais difícil arte, pois ela pode ser reluzente no primeiro disco de estréia, mas dificilmente consegue manter a mesma qualidade em todos os demais trabalhos. Mas bandas como o PLACEBO traduzem realmente, esta arte. Tal como o vinho, eles simplesmente envelhecem para ficarem cada vez melhores.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O início, com a faixa título, traz de volta a grande sonoridade desta banda, marcada por homenagens diretas a DAVID BOWIE em seu alter-ego ZIGGY STARDUST, e, LOU REED na melhor apologia pós-VELVET UNDERGROUND, em trabalhos como "Blue Mask".

"Breathe... breathe... believe", são as palavras marcantes que rasgam as distorções bem melódicas das guitarras cortantes, que, de forma agradável aos ouvidos, trazem na minha imaginação enquanto a escuto, uma mensagem similar a de um músico prisioneiro de seus fantasmas em uma torre, que de repente, abre a janela e vê lá embaixo a multidão clamar, aos brados: "We... are... loud... like... love !!!". É talvez uma das mais belas canções dos últimos dez anos e certamente, está entre as cinco melhores canções de BRIAN MOLKO e sua trupe. Ouso dizer que ela é o HINO DE AMOR E JUVENTUDE (a exemplo do que foi a música "Sit Down", do grupo JAMES, há muitos anos atrás) para o biênio de 2013 - 2014...

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

...Após o belo início, onde MOLKO mostra que este álbum tem os seus melhores trabalhos de voz, segue-se "Scene of the Crime", com uma batida beatle, violões e uma narrativa onde o crime não é matar, e, sim, amar. Aliás, a cozinha entre as duas guitarras e a bateria está fantástica em todos os momentos. E os teclados com sons de piano infante, surpreendem em muitos momentos do álbum.

A balada autobiográfica "Too Many Friends" inicia-se relembrando épocas de "Rise and Fall of Ziggy Stardust" e "Alladin Sane" (DAVID BOWIE), com as respectivas "Lady Stardust" e "Drive in Saturday". É aquela canção onde você conclui que entre todos os seus lamentos e sua dor, você percebe que tem muitos bons amigos que jamais poderá conhecer. Para quem espera melancolia estilo "Charlote Sometimes" (THE CURE) para uma letra como esta, esqueça. A canção é belíssima e chega a confundir-se também com épicas passagens de bandas como THE KILLERS e sua canção "Human", por exemplo. Isto em nenhum momento é um desprestígio, ao contrário, é apenas uma prova de que é possível fazer letras introspectivas e até mesmo dolorosas, mas com sonoridade popular e agradável, a exemplo do que já fez o próprio THE CURE com "Friday I’m in Love" ou "In Between Days". Nunca é demais dizer que esta terceira canção (sim, estamos apenas na terceira) traz, como já mencionei estar presente em todo o disco, um belíssimo e peculiar trabalho de teclados.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Hold On To Me" é a quarta faixa, também, muito introspectiva, como que a relatar alguém que resolve levantar da sua cadeira depressiva e perguntar: "Quem disse ao mundo que eu estava mais velho? Quem disse que a corrida terminou?". O ritmo é leve, no estilo de "Sonnet" do THE VERVE, e, com algumas passagens que remotam a LOU REED nos momentos mais gritantes de "Caroline Says", entre outros ápices. O fundo orquestrado dos teclados é maravilhoso e o final da música sofre uma mutação magnífica. É muito, muito impressionante mesmo dizer como MOLKO está cantando neste disco: - Magníficamente bem.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Rob The Bank" é a mais underground do álbum. Tem um belo trabalho de baixo e bateria feito por STEFAN OLSDAL e STEVE FORREST, respectivamente. E, claro, conclama a todos para roubarem os bancos do Reino Unido e de toda a União Européia, e, ao final, celebrar em casa, fazendo amor em nome da arte. É uma canção rebelde, limpa e muito bem serviria para tocar em algum comercial antipartidário.

Seguem-se "A Million Little Pieces", que conta a saga de alguém que perdeu o poder de compreender o mundo ao seu redor, que antes se contentava com a brisa de um sorriso a soprar em seu rosto, e, agora, vê-se em um inverno nebuloso mesclado a perda de um amor e da capacidade de sentir. Belo momento, belo trabalho dos teclados, violões, guitatras, numa canção ritmica que poderia ser intitulada como a "One" (U2) do PLACEBO. Para os mais despercebidos, a voz de MOLKO chega até a lembrar o intrépido GEDDY LEE, do RUSH (eu disse "chega a lembrar"). Mas com mais seriedade, mais dor, mais beleza. Linda canção.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Exit Wounds" é a tentativa do PLACEBO de soar como NINE INCH NAILS, ao menos no início, para depois, retomar a alegria melancólica, se é que isto possível existir tamanha antítese, mas com eles, isto torna-se real. Grande trabalho de guitarras, novamente.

"Purify" traz novamente um momento perdidamente glam...sim, é glam desde os riffs até a forma com que MOLKO convida a sua (ou o seu) meretriz a ouvi-lo declamar: "My kiss...Can you feel it yet?...In the back of your legs...And on the nape of your neck...Are you a temple? Are you a temptress?". Enfim, é uma canção daquelas canções que gruda nos ouvidos, pois traz o barulho pop de forma fantástica. Eles já fizeram isto como "Every You, Every Me" e conseguiram de novo, de uma forma surreal.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O penúltimo momento fica com "Begin The End", com guitarras rítmicas após a primeira estrofe, copiadas propositalmente do estilo criado por THE EDGE (U2), para dar um ressonar atmosférico à canção, e, fazer com que a falta de refrão seja substituída inteligentemente pelas guitarras. Gosto destes climas atmosféricos...servem para todo e qualquer momento, de preferência, ao lado de alguém que se ama e se encontra inserido na mesma filosofia de ouvir rock para respirar, fazer amor, viver, trabalhar, estudar, pensar e repensar a própria existência.

E por fim, a balada "Bosco", muito, muito melancólica, introspectiva, ao estilo de "Perfect Day", "Sad Song" e tantas outras baladas tristes compostas por LOU REED. A letra traz um amor em forma de agradecimento, de autodependência, mas também, de afirmação de alguém que entende o quanto suga a energia, o amor e a vitalidade da outra pessoa, mas de repente, também entende que precisa se embriagar deste amor mais e mais e mais. Novamente, um belíssimo trabalho orquestral dos teclados, que resumem uma bela música de desfecho, com um pequeno ressonar de bateria que lembra mini-tambores, em certo momento.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sim, eles conseguiram. "Loud Like Love" é o melhor álbum de sua carreira. Os fãs mais saudosos que adoram "Without You I’m Nothing", "Black Market Music", entre outros, talvez duvidem desta minha afirmativa. Mas é uma questão pessoal. A meu ver, a fusão e evolução perfeita de tudo que eles já fizeram, está neste disco. Sem dúvida, um dos melhores álbuns de 2013 e, do gênero, certamente o melhor dos últimos anos.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Airbourne 2022
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre Ronaldo Celoto

Natural do Estado de São Paulo, é escritor, professor, poeta e consultor em direito, política e gestão pública. Bacharel em Direito, com Mestrado em Ciência Política, atualmente cursa Doutorado em Direito, Justiça e Cidadania pela Universidade de Coimbra. Além destas atividades, dedica diariamente parte de seu tempo à pesquisa e produção de artigos científicos, contos, romances, matérias jornalísticas, biografias e resenhas. Seus interesses pessoais são: cinema, política, jornalismo, literatura, sociologia das resistências, ética, direitos humanos e música.

Mais matérias de Ronaldo Celoto.