Matérias Mais Lidas

Guns N' Roses: Axl entendia que as coisas mudaram, mas Slash tinha virado um personagemGuns N' Roses
Axl entendia que as coisas mudaram, mas Slash tinha virado um personagem

James Hetfield: dez das músicas favoritas do vocalistaJames Hetfield
Dez das músicas favoritas do vocalista

Vocalistas: 12 velhinhos que ainda mandam muito bem ao vivoVocalistas
12 "velhinhos" que ainda mandam muito bem ao vivo

Steve Hackett: ele diz que compositor do século 19 inventou o heavy metalSteve Hackett
Ele diz que compositor do século 19 inventou o heavy metal

O Pestinha: o que o ator mirim do filme tem a ver com rock?O Pestinha
O que o ator mirim do filme tem a ver com rock?

Iron Maiden: cantora americana alega ser filha ilegítima de Bruce DickinsonIron Maiden
Cantora americana alega ser filha ilegítima de Bruce Dickinson

Doug Aldrich: explicando as diferenças entre Dio, David Coverdale e Glenn HughesDoug Aldrich
Explicando as diferenças entre Dio, David Coverdale e Glenn Hughes

Mike Terrana: Malmsteen foi uma das piores pessoas que conheci!Mike Terrana
"Malmsteen foi uma das piores pessoas que conheci!"

Bon Jovi: por que o mandaram tocar com Kiss e Judas Priest em vez de Bryan AdamsBon Jovi
Por que o mandaram tocar com Kiss e Judas Priest em vez de Bryan Adams

AC/DC: por que Bon Scott não era só um bêbado lunático, segundo ex-baixistaAC/DC
Por que Bon Scott não era só um "bêbado lunático", segundo ex-baixista

Van Halen: a diferença entre David Lee Roth e Sammy Hagar, segundo Alex Van HalenVan Halen
A diferença entre David Lee Roth e Sammy Hagar, segundo Alex Van Halen

AC/DC: monge budista grava cover inusitado de Thunderstruck, com direito a meditaçãoAC/DC
Monge budista grava cover inusitado de "Thunderstruck", com direito a meditação

Yngwie Malmsteen: Joe Lynn Turner fala sobre ego do guitarristaYngwie Malmsteen
Joe Lynn Turner fala sobre ego do guitarrista

Nirvana: músico canadense muito parecido com Kurt Cobain faz sucesso no TikTokNirvana
Músico canadense muito parecido com Kurt Cobain faz sucesso no TikTok

Metallica: Veja números impressionantes da carreira (vídeo)Metallica
Veja números impressionantes da carreira (vídeo)


Matérias Recomendadas

Você sabe que o rock está moderninho quando...
Você sabe que o rock está moderninho quando...

Black Sabbath: o dia em que Tony Iommi quase matou Bill WardBlack Sabbath
O dia em que Tony Iommi quase matou Bill Ward

Heavy Metal: estressante, perturbador e faz mal ao coração?Heavy Metal
Estressante, perturbador e faz mal ao coração?

Ultraje a Rigor: Roger diz que foi tratado como lixo pela equipe dos StonesUltraje a Rigor
Roger diz que foi tratado como lixo pela equipe dos Stones

Rob Halford: explicando por que chutou o celular do fã durante o showRob Halford
Explicando por que chutou o celular do fã durante o show

Malvada
Dead Daisies

Redemption: Com pegada insana, mas sem nunca perder a melodia

Resenha - Redemption: Snowfall on Judgement Day

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por MATHEUS BERNARDES FERREIRA
Enviar Correções  


Quarto álbum de estúdio da banda de metal progressivo estadunidense Redemption. O tecladista Greg Hoshariah torna-se integrante permanente, certamente tendo em vista a turnê de divulgação deste álbum, já que Van Dyk é o responsável tanto pelos teclados quanto pela guitarra principal e precisava de um tecladista de suporte para desafogá-lo. O prestígio que a banda conseguiu com os últimos lançamentos possibilitou-os dividir o palco com o Dream Theater nesta nova turnê. O resultado desta experiência na estrada foi gravado em CD e DVD com o nome Frozen in the Moment – Live in Alanta, contendo um show ao vivo e muito material de bastidores. Vamos ver se tanto alarde é justificável.

Após alguns segundos de espera, Peel abre detonando um riff rápido e poderoso, pedais duplos triggados e um teclado ambiente de fundo gerando uma atmosfera épica. Esses caras engrossaram o caldo, definivamente. Com 1:20 já surge o primeiro solo de teclado de Van Dyk, primeiro de muitos neste álbum. Em seguida os vocais entram e a pegada continua a mesma, e não muda durante a música toda. O refrão é o único momento em que temos uma alternância na sonoridade, mas não por falta de pegada, mas pela adição de suaves melodias de vocal que mesclaram perfeitamente à química explosiva. Abertura estrondosa!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Como se redimindo pelo desaparecimento do contrabaixo na primeira música, em Walls o instrumento ganha destaque desde a introdução. A música é mais cadenciada com riffs pesados e bons vocais, que às vezes soam um pouco nasalados demais. A ponte para o refrão é excelente e o refrão melódico é intenso. Música acessível e de bom gosto.

Leviathan Rising é uma faixa agressiva, dominada pelo impetuoso riff de guitarra e pedais duplos. A composição me lembra muito a primeira faixa, Peel, com ótima performance de Ray Alder cantando os versos agressivos, as pontes melódicas e o refrão. Energia pura.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Na mais espetacular faixa do disco, Black And White World começa com uma magnífica introdução em piano e contrabaixo, abrindo para uma série de riffs e versos da mais pura e intensa energia. A música gera emoções de um hibridismo alucinante, do começo ao fim, alternando excelentes melodias que dançam ao ritmo errático da bateria. A última progressão mostra Ray Alder em seu melhor desempenho à frente da banda. A composição geral é genial.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Um bom riff repetido a exaustão não deixa de ser um bom riff. O problema é quando as melodias também são repetitivas e dão uma sensação de sufoco grudento, pegajoso. Em Unformed os efeitos de teclado estão fora do tom pela primeira vez no álbum, principalmente no refrão, que chega a ser irritante. Porque colocar aquele azucrinante tilintar no verso após o primeiro refrão, ou o porquê daquele bisonho efeito de teclado no verso imediatamente em seguida, são questões a ser respondidas. Mas que riff empolgante essa música tem! A passagem instrumental é das melhores do álbum. A sensação que fica é de Unformed ser uma excelente idéia que poderia ter sido mais bem desenvolvida.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em Keep Breathing o ritmo esfria com uma longa introdução em contrabaixo e versos cantados suavemente. A sensação é de que a qualquer momento a música explodiria, mas não é exatamente isso o que acontece. As guitarras e a batida entram lentamente e só vão pegar mesmo quase na metade da música. E como vale a pena esperar! Ótimo trabalho das duas guitarras. Belíssimo refrão, daqueles melódico e grudento. A sequência instrumental é simplesmente de tirar o fôlego, que solo de guitarra espetacular! Outra belíssima composição.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Another Day Dies começa com um riff matador e a voz do Sr. James Labrie surge para tudo soar como o Dream Theater seria se tivesse pegada mais enérgica. O dueto com Ray Alder ficou excelente, mas é nítido que a voz de Labrie se sobressai principalmente quando canta em tons altos nos refrões, provando porque é um dos melhores vocalistas do gênero. Power-prog metal a 200 km/h.

Piano e voz iniciam What Will You Say, que tem uma melodia chorosa e suplicante que se arrasta por toda música. As guitarras e o suave teclado de fundo logo dão as caras para caracterizar uma balada com pegada que em nenhum momento deixa de soar mela-cueca. A passagem instrumental acelera, mas apresenta solos genéricos e sem inspiração. No fim a repetição exaustiva do refrão como é típico nesse tipo de música. Ponto mais baixo do álbum.

Fistful of Sand é petardo! A bateria soa como uma metralhadora e as guitarras estão com a distorção mais pesada do álbum. Teclados apenas como camada de fundo e adicionando alguns efeitos esquisitos que estão devidamente soterrados pela avalanche rítmica. De modo geral, os vocais estão um pouco deslocados, talvez pela falta de agressividade, o que não parece ser o forte de Ray Alder. Já nos refrãos melódicos, sua voz se encaixa bem melhor. Épica progressão instrumental. Enfim, mais um trambolho a 200km/h, este um tanto desgovernado e sem freios.

Love Kill us All / Life in one Day é a mais longa música do álbum e se divide em duas partes. A primeira abre sonolenta com voz em triste melodia e vários efeitos de teclado, contrabaixo e percussão. Ela lembra muito a faixa Keep Breathing, que também sofre por se arrastar por tempo demais. A música só vai pegar aos 3 minutos e meio com a entrada das guitarras. Segue então uma ótima passagem instrumental com batida toda quebrada e riffs atraentes. Pois que tudo subitamente se acalma e Life in one Day inicia. O efeito de teclado à 4:30 é o início de uma progressão absolutamente empolgante. O delicado piano entra, então as guitarras zunem, e por fim o teclado ambiente se junta para uma entusiasmante dança harmônica. O riff é o melhor do álbum, que, repetido à exaustão, se faz hipnótico e viciante. A voz de Alder se mescla à harmonia de modo impecável. O refrão é de uma positividade quase alérgica. O verso que Alder canta logo após a passagem instrumental é prova que ele possui uma das vozes mais bonitas do gênero.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Snowfall on Judgement Day segue exatamente a mesma fórmula do último álbum da banda, The Origins of Ruin, com pegada enérgica, muitos efeitos de teclado, riffs matadores e a voz de Ray Alder como porto seguro. De modo geral, o som da banda está mais pesado e coeso. As distorções das guitarras e o pedal duplo dominaram totalmente a pegada do álbum. Ótimo trabalho nos teclados, pois são raros os momentos em que um efeito ou melodia fogem do tom da música. Sean Andrews ganhou mais terreno para mostrar sua competência no contrabaixo, fazendo a introdução de várias músicas. Ray Alder nunca desafina, fato concreto.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Snowfall é o aperfeiçoamento e consolidação do modo Redemption de se tocar prog metal: técnico, com pegada insana, mas sem nunca perder a melodia. Recomendado para qualquer fã de metal.

Redemption
Snowfall on Judgement Day, 2009
Prog Metal (EUA)

Lista de músicas:

Peel (6:31)
Walls (6:57)
Leviathan Rising (6:42)
Black and White World (8:03)
Unformed (6:30)
Keep Breathing (7:37)
Another Day Dies (5:15)
What Will You Say (5:20)
Fistful of Sand (6:35)
Love Kills Us All / Life in One Day (11:00)

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Tempo total: 70:26

Músicos:
Ray Alder / vocal
Nick van Dyk / guitarras, teclados
Bernie Versailles / guitarras
Sean Andrews / contrabaixo
Chris Quirarte /bateria
Greg Hoshariah / teclado

Músico convidado:
James LaBrie / vocal ( faixa 7)


Stamp
Tunecore
Como consegui viver de Rock e Heavy Metal
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Curiosidades: 40 fatos inacreditáveis do rockCuriosidades
40 fatos inacreditáveis do rock

Axl Rose: como ele pegava todas as garotas que Slash conquistavaAxl Rose
Como ele pegava todas as garotas que Slash conquistava


Sobre MATHEUS BERNARDES FERREIRA

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.