Matérias Mais Lidas

Iron Maiden: As 44 músicas nunca tocadas ao vivo, segundo a LoudwireIron Maiden
As 44 músicas nunca tocadas ao vivo, segundo a Loudwire

AC/DC: as ordens de Malcolm para quem ia subir ao palcoAC/DC
As ordens de Malcolm para quem ia subir ao palco

AC/DC: a reação de Angus Young quando ouviu Jimi Hendrix pela primeira vezAC/DC
A reação de Angus Young quando ouviu Jimi Hendrix pela primeira vez

David Ellefson: a diferença de trabalhar com Max Cavalera e Dave Mustaine, segundo eleDavid Ellefson
A diferença de trabalhar com Max Cavalera e Dave Mustaine, segundo ele

Guns N' Roses: quando a banda ajudou Ian Astbury, do The Cult, a fugir da políciaGuns N' Roses
Quando a banda ajudou Ian Astbury, do The Cult, a fugir da polícia

Metallica: a fortuna que Robert Trujillo recebeu só para se juntar à bandaMetallica
A fortuna que Robert Trujillo recebeu só para se juntar à banda

Metaleiro também ama: músicas escritas por bandas de metal que falam de amorMetaleiro também ama
Músicas escritas por bandas de metal que falam de amor

Gene Simmons: como Paul Stanley teve a ideia do nome KissGene Simmons
Como Paul Stanley teve a ideia do nome Kiss

Nightwish: As 10 músicas que mudaram a vida de Floor JansenNightwish
As 10 músicas que mudaram a vida de Floor Jansen

Pitty: cantora publica foto nua na internet e bate recorde de curtidasPitty
Cantora publica foto nua na internet e bate recorde de curtidas

Deep Purple: a fase com David Coverdale e Glenn Hughes foi o auge da banda? (vídeo)Deep Purple
A fase com David Coverdale e Glenn Hughes foi o auge da banda? (vídeo)

Sepultura: Wacken Open Air compartilha quatro clássicos da banda do show de 2018Sepultura
Wacken Open Air compartilha quatro clássicos da banda do show de 2018

Alcione: Peguei Axl Rose logo pela cintura, ele me abraçou, me chamou de 'amazing'Alcione
"Peguei Axl Rose logo pela cintura, ele me abraçou, me chamou de 'amazing'"

Motorhead: 10 das frases mais marcantes de Lemmy KilmisterMotorhead
10 das frases mais marcantes de Lemmy Kilmister

Megadeth: Max Norman diz que Mustaine roubou seus créditos de produção em álbum famosoMegadeth
Max Norman diz que Mustaine roubou seus créditos de produção em álbum famoso


Blind Guardian
Stamp

Harem Scarem: 20 anos do álbum "Mood Swings"

Resenha - Mood Swings - Harem Scarem

Por Diogo Bizotto
Fonte: Consultoria do Rock
Em 14/06/13

Escrevo hoje por uma razão muito especial: celebrar os 20 anos do lançamento de "Mood Swings", segundo álbum dos canadenses do HAREM SCAREM, ocorrido em 11 de junho de 1993. Nada mais justo, afinal, poucos grupos ligados ao lado mais melódico do hard rock ganharam um culto tão ímpar quanto a banda liderada pela dupla Harry Hess (vocais, guitarra, teclados) e Pete Lesperance (guitarra), especialmente em se tratando de formações egressas da década de 90.

O primeiro disco do grupo, auto-intitulado (1991),conseguiu aproveitar a rabeira do sucesso que o hard rock oitentista vinha fazendo ao redor do mundo e foi recebido positivamente, chegando a alcançar êxito moderado em seu país natal, inclusive emplacando um hit, "Slowly Slipping Away", e dois outros sucessos menores, "Honestly" e "Love Reaction". O cenário musical da época, porém, já apresentava fortes indicativos de que o lado rock do mainstream estava prestes a ter seu equilíbrio desestabilizado, pendendo para o lado daquilo que era, até então, rotulado como "alternativo". Dessa maneira, e também devido a outros fatores difíceis de determinar, afinal, a carreira do HAREM SCAREM não é exatamente muito bem documentada, a banda não conseguiu desbravar as paradas norte-americanas e teve seu crescimento restringido. Os canadenses, no entanto, conseguiram criar uma base bastante fiel de seguidores, que lhes atribuíram o status de cult, fato que cresceu mais e mais com o passar do tempo, tornando "Harem Scarem" um dos registros mais adorados por quem aprecia a faceta mais melódica do hard rock, superando grupos muito mais conhecidos e melhor sucedidos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em pouco tempo, porém, o HAREM SCAREM editaria um álbum capaz de fazer frente ao seu primeiro lançamento, confirmando de vez a capacidade do quarteto, completo por Darren Smith (bateria, vocais) e Mike Gionet (baixo), e conquistando popularidade no Japão, país que recebeu bem e abrigou várias bandas de hard rock que entraram em decadência, especialmente no mercado norte-americano, durante os anos 90. Mais do que isso, "Mood Swings" mostrou um grupo que não estava preso aos anos 80, apresentando uma produção que, apesar de não negar o estilo do quarteto, deixou para trás os vínculos mais fortes com a sonoridade da década anterior, que ainda apareceram com força em "Harem Scarem". "Mood Swings" tem mais guitarras em profusão, menos teclados e mais peso em geral, além de Harry Hess, um dos melhores vocalistas de sua geração, abusar bem mais dos drives.

Sobre as guitarras, é necessário abrir um aparte: Pete Lesperance conseguiu algo raro em se tratando de um músico que se consolidou após a grande explosão de guitar heroes que ocorreu nos anos 80. Sem necessariamente seguir uma escola pré-determinada, o guitarrista consolidou um estilo próprio que tem tanto a ver com a maneira como executa o instrumento quanto com o equipamento com que trabalha, extraindo uma timbragem reconhecível em poucos segundos. Tanto é que, mesmo com todas as possibilidades que a gravação digital ofereceu com o passar do tempo, Lesperance conseguiu fugir da pasteurização de sonoridades e ainda mantém essa característica intacta.

É justamente com sua guitarra, acompanhada de mais nada, que "Saviors Never Cry" abre esse pequeno clássico, cuja dose maior de agressividade fica bastante evidente quando os outros instrumentos ecoam nas caixas de som. Mesmo assim, em momento algum a banda esconde que sua verdadeira vocação é criar canções com um tino melódico muito acima da média, fazendo com que compor músicas viciantes pareça fácil, além de produzir refrões que trazem apelo comercial, mas não costumam cair nas armadilhas das rimas fáceis e batidas, denotando o esmero que a dupla de compositores Hess e Lesperance tem ao colocar suas ideias em prática.

Se em "Harem Scarem" o hit foi "Slowly Slipping Away", coube, em "Mood Swings", a "No Justice" a tarefa de ser o primeiro single. O impacto não foi o mesmo, mas, considerando a mudança de cenário, apenas uma conjunção muito positiva de acontecimentos conseguiria fazer com que uma banda da estirpe do quarteto canadense emplacasse um grande sucesso em pleno 1993. O fato torna-se ainda mais lamentável quando nos damos conta da qualidade da canção, destacando a performance de Lesperance, tanto em se tratando de bases quanto de solos (estes, próximos à linha de Eddie Van Halen), e o crescendo final, no qual a música adquire contornos quase heavy metal.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Parece ser um tanto inútil querer destrinchar faixa a faixa um disco como "Mood Swings", cujas qualidades são tão evidentes e constantes que fica difícil conseguir não me repetir. Caso o leitor não conheça o álbum e já tenha chegado a esse ponto do artigo sem ao menos ter criado vontade de escutá-lo, dificilmente esse fato se modificará. No entanto, não posso deixar de citar que "Stranger Than Love" dá sequência ao disco de forma magnífica, enquanto "Change Comes Around" injeta ainda mais doses de guitarra, incluindo momentos em que Lesperance soa como uma mistura entre Eddie Van Halen e Paul Gilbert (MR. BIG, RACER X). Como se não bastasse, "Jealousy" traz uma interessante pitada de blues e um refrão arrebatador, além de ter a maior cara de candidata a single, fato que infelizmente não se concretizou.

Ainda não se convenceu? Talvez a estreia do baterista Darren Smith como vocalista principal o convença, pois "Sentimental Blvd." é empolgante do início ao fim, além de contar com uma bela letra. Aliás, nunca é tarde para frisar: ao contrário de grande parte de seus contemporâneos no hard rock, cuja preocupação com esse aspecto não era exatamente prioritária, o HAREM SCAREM costumava demonstrar mais esmero com esse elemento, tanto em se tratando de conteúdo, de caráter mais sóbrio que a maior parte das bandas do gênero, quanto na forma, preenchendo linhas vocais que trazem a marca registrada do melhor hard rock melódico que a década de 90 produziu.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Para atestar ainda mais os dotes de Lesperance nas seis cordas, a curta instrumental "Mandy" traz apenas o músico, amparado por leves camadas de teclados ao fundo, solando com sutileza, sem se preocupar com velocidade ou quaisquer outras demonstrações de exibicionismo. Já com Hess de volta ao microfone, "Empty Promises" traz mais uma performance esperta de Lesperance, além de, justiça seja feita, mostrar que Smith e Gionet também estavam na ponta dos cascos. Mais ainda, evidencia que vocais de apoio não eram problema para a banda, já que os outros músicos também se saem muito bem. Não à toa, em seus projetos fora do HAREM SCAREM, Lesperance e Smith assumiram o controle do microfone de forma satisfatória.

Sei que afirmei parecer inútil destacar as qualidades de cada faixa, mas isso se torna ainda mais impossível ao ouvir uma canção como "If There Was a Time". Teclados dão o clima que a introduz, seguidos pelo violão de Lesperance e pela voz de Hess, quase sussurrada, até explodir em gritos rasgados que viram a mesa e conduzem a música para um caminho diverso, atípico, mas que ainda assim é cheia de apelo, do tipo para ouvir em sequência, repetidas vezes. O HAREM SCAREM dá mais uma prova de seu talento vocal em "Just Like I Planned", que, sem estar munida de linhas instrumentais, traz apenas as vozes do quarteto em um coral magnífico, conduzido por Hess e amparado pelos outros músicos.

"Had Enough" finaliza de forma quase metálica um álbum sem erros, colocando os ânimos no alto através de uma canção sem compromisso, mais básica e veloz, bem escolhida para ser o fechamento de "Mood Swings", para muitos o melhor disco daquilo que se convencionou rotular como AOR ou hard rock melódico em todos os tempos, disputando, inclusive, esse título com seu predecessor. Da mesma maneira que a banda não se limitou a repetir em seu segundo disco o trabalho que apresentou no primeiro, o HAREM SCAREM seguiu uma interessante linha evolutiva em seu terceiro registro, "Voice of Reason" (1995). Trata-se de uma progressão natural de seu antecessor, explorando dessa vez uma faceta mais sombria, mas que infelizmente não foi tão bem compreendida, fazendo com que esse álbum não seja tão bem cotado quanto os dois primeiros lançamentos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O grupo, que passou por mudanças de formação e chegou a encerrar atividades após o lançamento de "Hope" (2008), hoje traz, em suas fileiras, Hess, Lesperance, Smith e Creighton Doane, que chegou a ocupar o posto de baterista, no baixo. A banda encontra-se em processo de regravação de "Mood Swings" e promete lançar um álbum inédito em 2014, saciando uma base de fãs que pode não ser grande, mas que tem um apreço muito especial pelo trabalho desses canadenses e aguardam ansiosamente pela turnê que deve ter início em outubro, com datas marcadas por Europa e Japão. Brasil? Bem, sonhar ainda é de graça…

Track list:

1. Saviors Never Cry
2. No Justice
3. Stranger Than Love
4. Change Comes Around
5. Jealousy
6. Sentimental Blvd.
7. Mandy
8. Empty Promises
9. If There Was a Time
10. Just Like I Planned
11. Had Enough

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Pentral
Arte Musical
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

AOR: dez álbuns essenciais dos anos noventaAOR
Dez álbuns essenciais dos anos noventa


Metallica, Guns, Slipknot, Kiss: tombos, erros e fatos engraçadosMetallica, Guns, Slipknot, Kiss
Tombos, erros e fatos engraçados

Heavy Metal: os maiores álbuns da história para os gregosHeavy Metal
Os maiores álbuns da história para os gregos