Bullet For My Valentine: quando a criatividade vai embora

Resenha - Temper Temper - Bullet For My Valentine

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Gabriel Touron
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 4

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Formada em 1998, o Bullet For My Valentine é uma das bandas do heavy metal atual, que com o debut The Poison, veio com um execelente trabalho de Metalcore. Entretanto a banda migrou para uma abordagem de metal mais tradicional e influência do thrash metal, nos álbuns Scream Aim Fire (2008) e Fever(2010) mantendo a qualidade. Sempre com linhas pegajosas e músicas que viciam, a banda não é bem vista pelos metaleiros true, mas sem dúvida fez um excelente trabalho nos três primeiros álbuns. Infelizmente isso não acontece no quarto, que será analisado aqui...
120 acessosBullet For My Valentine: vídeo ao vivo para a faixa "Don't need you"5000 acessosQuais são os rockstars mais chatos do mundo?

O álbum Temper Temper é o quarto da banda, lançado no início de 2013. Seguindo o seus antecessores, a banda continuou a se afastar do Metalcore que os lançou no meio musical com o primeiro álbum The Poison. Entretanto o que existe nesse álbum é uma falta de criatividade enorme, o que não acontece em Scream Aim Fire e Fever. O álbum tem seus momentos, mas nenhuma música é incrível, nem sequer pode salvar o álbum da mediocridade. O que acontece na maioria dos casos, são riffs e estruturas interessantes e empolgantes que acabam por cair em um verso horrendo ou um refrão nojento.

Logo de cara, 'Breaking Point' já denuncia esse caráter do álbum. A introdução mostra um riff destruidor e impactante que faz com que o ouvinte acredite que vai escutar um álbum excelente. Mas não é o caso, o ritmo diminui e os versos simplesmente broxam qualquer metaleiro que se empolgou com a intro. E infelizmente se trata de uma das melhores músicas do álbum, com um excelente solo...Mas é só. 'Truth hurts' e 'Temper Temper' apenas mantém a mediocridade em ponto alto, mostrando alguns riffs legais, que simplesmente não vingam a música ao todo.

'P.O.W' se mostra uma tentativa de balada, ou uma tentativa de power-balad, mas não sai bem como nenhuma das duas. Entretanto é uma das poucas músicas em que a estrutura é decente, e o fluxo da música corre razoavelmente bem. 'Dirty Little Secret' então vem com uma introdução incrível que cai em um verso tosco e fraco. O abuso de graves nas transições é simplesmente ridículo e repetitivo, pois está em quase todas as faixas. 'Leech' segue a desgraça com uma mistura de sequencias que não combinam e simplesmente irritam. E se nessa eles acertam no verso, simplesmente falham no resto da música inteira. Pra piorar as letras que nunca foram o forte da banda ficaram ainda mais ridículas, parecendo retratar o drama de um adolescente irritado porque não ganhou o novo Iphone de natal. A sétima faixa então segue a onda das baladas que ficam pesadas. 'Dead to the world' é boa, e tem solos bons, entretanto a parte acelerada é um plágio descarado de 'Welcome home (Sanitarium)' do Metallica. Fora isso, é uma música e que se salva. O single 'Riot' apesar de ter uma pegada forte nos riffs e um solo esmagador é um rock comum que não cheira nem fede, e 'Saints & Sinners' também, sendo que esta última também não tem um fluxo horrendo, porém não se destaca.

Então vem um agudo irritante que começa a segunda parte de um clássico da banda: 'Tears don't fall (Part 2) e vai fazer qualquer um tapar os ouvidos. A música é picotada como as outras, entretanto não é ruim, provavelmente por ser fortemente baseada na 'Tears don't fall' original. Living Life (on the edge of a kinfe) termina o álbum fraco e falho, com introdução e versos empolgantes que caminham para um refrão horrendo.

O álbum é isso, partes boas que não se misturam bem, e partes ruins que destroem o fluxo da música e do álbum por inteiro. O que acontece é um monte de riffs com potencial, misturados a ótima perfomance dos músicos, e solos incríveis do guitarrista Michael Padget, que simplesmente caem na desgraça graças a falta de criatividade e noção na composição, que peca ao juntar partes sem nexo na maioria das músicas. O ouvinte vai começar aquele headbang tímido na maioria das músicas para depois broxar diante de um verso sem energia, ou um refrão chato.

Se o Bullet For My Valentine quiser se manter como uma das forças do heavy metal atual, vai ter que se superar no próximo álbum, trazendo algo decente, e que tenha músicas boas, e não um riff legal solto ali, misturado com partes nojentas. O álbum parece forçado e apressado e a sensação que fica é de uma tremenda falta de criatividade e dedicação da banda para criar músicas que fluem bem, pois qualidade todos os membros tem para/com seus instrumentos e funções.

1. "Breaking Point" - 3:42
2. "Truth Hurts" - 3:36
3. "Temper Temper" - 3:08
4. "P.O.W. " - 3:53
5. "Dirty Little Secret" - 4:55
6. "Leech" - 3:59
7. "Dead to the World" - 5:15
8. "Riot" - 2:49
9. "Saints & Sinners" - 3:29
10. "Tears Don't Fall (Part 2)" - 5:38
11. "Livin' Life (On the Edge of a Knife) " - 4:01

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

120 acessosBullet For My Valentine: vídeo ao vivo para a faixa "Don't need you"0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Bullet For my Valentine"

Guns N RosesGuns N' Roses
O que ninguém deve fazer ao se tornar um rockstar

MetalMetal
Dez álbuns de metal que poderiam ter sido bons mas algo deu errado

BateristasBateristas
Os dez melhores em vídeo, com algumas surpresas

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Bullet For my Valentine"

HumorHumor
Quais são os rockstars mais chatos do mundo?

Sílvio SantosSílvio Santos
"The Number Of The Beast" em ritmo de festa, ôôôeeee

AC/DCAC/DC
As 10 melhores músicas da banda com Bon Scott

5000 acessosSlipknot: Qual é o significado e a tradução do nome da banda?5000 acessosHard Rock: as 100 maiores bandas do estilo segundo a VH15000 acessosAC/DC: setlist, fotos e vídeos do show arrasador com Axl Rose5000 acessosMacarrão Black Metal: alimento de todo headbanger from hell5000 acessosRegis Tadeu: Los Hermanos fez um tremendo mal ao rock brasileiro5000 acessosMosh Pits: você sabe como eles começaram?

Sobre Gabriel Touron

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online