RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA opinião de Slash sobre Dave Mustaine e "Rust In Peace", clássico do Megadeth

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemOs 10 maiores vocalistas de heavy metal de todos os tempos, em lista do Ruthless Metal

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemOs 4 fatores determinantes que levaram Renato Russo a dependência química

imagemPara John Lennon, os Beatles poderiam ter acontecido sem George e Ringo

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemRolê aleatório: Geoff Tate e Rhapsody se divertem em aeroporto no aeroporto

imagemEx-guitarrista do Megadeth não liga para Mustaine e diz que está "fazendo dinheiro para ele"

imagemMike Portnoy comprou "Piece Of Mind", do Maiden, em excursão escolar

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagemA medida extrema que Dio pensou em tomar por não curtir "Rainbow in the Dark"

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco


Stamp

Alice Cooper: chutando qualquer tradição hermética

Resenha - School's Out - Alice Cooper

Por Paulo Severo da Costa
Postado em 30 de outubro de 2012

O Teatro do Grand Guinol de Paris se tornou um daqueles emblemáticos casos em que o nome se confunde com o próprio conceito: fundado no século dezenove, absorveu o conceito de freak show e do teatro gore: encenações sanguinolentas temperadas com humor negro se tornaram sua grande marca e, seus efeitos, se alastraram pelo show bussiness do século seguinte. Nessa onda, no final dos anos 60, ALICE COOPER, a banda que adotara o pseudônimo do vocalista VICENT FURNIER como nome próprio em 1968 (após se chamarem "The Spiders" e "The Nazz") passou a incorporar, lentamente, a faceta do bizarro (ainda amadoristicamente) em seus shows - momento em que foram contratados pela Straight Records, posteriormente encampada pela Warner – e lançaram dois discos que afundaram feio - "Pretties for You" (1969) e "Easy Action" – no ano seguinte.

Diante da calamitosa situação, o produtor BOB EZRIN foi contratado, naquela que seria a última chance da banda. "Love it To Death" de 1971 foi a tábua de salvação do grupo, edificando de vez sua cênica burlesca e, no mesmo ano, soltou o clássico "Killer". Cristalizados em uma mistura de hard, proto punk, jazz e psicodelia, o grupo alcançou uma identidade autônoma da fórmula blues-rock de seus contemporâneos e, insaciáveis, lançaram em 1972 "School´s Out".

Precedido pelo lançamento do single homônimo, 'School´s Out" foi além no experimentalismo dos registros anteriores, criando uma usina sonora onde o vaudeville, a ópera, FRANK ZAPPA e STOOGES conviviam pacificamente, chutando qualquer tradição hermética para o outro lado. Se a faixa título antecipava a resistência de "Another Brick In The Wall" ao conceito de produção em massa do decrépito sistema escolar (Sem mais lápis\Sem mais livros\Sem mais olhares sujos dos professores) em meio a riffs desconcertantes enquanto "Public Animal # 9" vai pela linha de um hard progressivo, ""Grand Finale" e "Blue Turks" eram passeios despretensiosos por um gueto jazzístico de New Orleans, tendo como guia JERRY GARCIA; o acesso "Sgt. Peppers" de "Alma Mater" e a grandiloquência rock-ópera de "My Stars" convivem pacificamente com a mezzo – stoneana, mezzo doideira geral de "Gutter Cats vs. The Jets".

A capa de "School´s" foi idealizada pelo fotógrafo CRAIG BRAUN - que também teve a idéia da "calcinha envólucro" nos lp´s originais - e a mesa que lá aparece está exposta no Hard Rock Café em Berlim. Depois desse disco a banda ainda lançaria o não menos sensacional "Billion Dolar Babies" e, o menos inspirado "Muscle Of Love", ambos de 1973. Logo após, o grupo se desfez e VINCENT ficou, em definitivo, com o nome que lhe fez conhecido no mundo inteiro. O resto é história...

Track list:
1. "School's Out"
2. "Luney Tune"
3. "Gutter Cat Vs. the Jets"
4. "Street Fight"
5. "Blue Turk"
6. "My Stars"
7. "Public Animal #9
8. "Alma Mater"
9. "Grande Finale"


Outras resenhas de School's Out - Alice Cooper

Resenha - School's Out - Alice Cooper

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps



Alice Cooper e TNT: a semelhança de Be my Lover e Não Sei

Morte: confira 15 das melhores músicas sobre o tema


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n'roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: [email protected]
Mais matérias de Paulo Severo da Costa.