Motorhead: Espírito doidão, anárquico e festeiro

Resenha - Motorhead - Motorhead

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Paulo Severo da Costa
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Em entrevista ao programa That Metal Show, LEMMY KILMISTER foi questionado se GEEZER BUTLER tinha sido uma influência na sua forma de tocar baixo. Com sua peculiar “capacidade de síntese”, o fundador do speed metal respondeu, na lata: “Não!” Herege? Doido?
318 acessosSaxon: novo álbum pode trazer música com Lemmy5000 acessosMulheres no Rock: resistência em um meio machista

Primeiramente: sim para as duas respostas. Se existe algo de diferencial nesse inglês, tomador de Jack Daniel´s com Coca, que foi roadie de Jimi Hendrix e influência direta do thrash, é sua honestidade bruta e longe da babaquice politicamente correta. Mas, muito além disso, a verdade é que, olhando para a carreira do MOTÖRHEAD (leia-se LEMMY), sobretudo no seu início, o que se percebe são raízes mais fincadas em um espírito doidão, anárquico e festeiro do que no som industrial, sombrio e sério da galera de Birmingham.

O álbum homônimo, lançado em 1977 (na verdade gravado depois de “On Parole”, de 1975, mas lançado só em 1980) foi o debut da banda e já contava com sua formação mais conhecida com o visceral “FAST” EDDIE CLARKE na guitarra e o “doido de pedra” PHIL "PHILTY ANIMAL" TAYLOR nas baquetas. O disco, bem distante de uma produção polida, é cru e pesado como uma bigorna, mostrando uma banda que ainda procurava seu som em meio ao caos absoluto.

“Motörhead”, que já havia sido gravado no primeiro disco, parece um RAMONES com esteróides; influência que é nítida em todo o disco.CLARKE sola com a categoria de uma mistura cáustica de ALVIN LEE e ACE FREHLEY, mas sempre mantendo uma personalidade única.

“Lost Jhonny” tem uma cadência que já se familiariza com o metal europeu, porém sempre mantendo a aura “garageira”da banda. A dobradinha “Iron Horse/Born to Lose” dispensa apresentações, em sua levada mais hard rock com dinâmicas “top de linha” de TAYLOR.

“Keep us on the Road” parece um blues saindo do quinto dos infernos seguindo a linha da versão de “Train Kept A-Rollin”. Lemmy parece estar sempre em uma festa em uma boate de strip, se divertindo pra cacete e botando fogo nos ouvintes.

A bem da verdade, depois do lançamento de clássicos absolutos como “Overkill” (1979), “Bomber” (1979), “Ace of Spades (1980), “Iron Fist (1982), etc, etc, etc, esse primeiro registro ficou um pouco esquecido (e menos comentado). Existe ainda uma edição com um bônus muito legal que é uma versão foda para "Beer Drinkers & Hell Raisers" do ZZ TOP.

Balanço final: vale demais uma ouvida!

Track list (versão original):

1. "Motorhead"
2. "Vibrator"
3. "Lost Johnny"
4. "Iron Horse/Born to Lose"
5. "White Line Fever"
6. "Keep Us on the Road"
7. "The Watcher"
8. "Train Kept A-Rollin'"

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Phil CampbellPhil Campbell
"Até hoje não sei afinar uma guitarra de ouvido!"

318 acessosSaxon: novo álbum pode trazer música com Lemmy915 acessosBrazilian Tribute To Motörhead: Torture Squad e Hatefulmurder753 acessosMotorhead: ouça o Genocídio no tributo brasileiro à banda0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Motorhead"

MotorheadMotorhead
Destaques do funeral de Lemmy Kilmister

MotorheadMotorhead
Veja foto de edição de homenagem da Jack Daniel's

Max e LemmyMax e Lemmy
A relação teve um começo tempestuoso

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Motorhead"

GênerosGêneros
O rock se firmou com características machistas

Mórbida semelhançaMórbida semelhança
Alice Cooper e Gretchen

Musical BoxMusical Box
Os vinte discos seminais do Hard Rock

5000 acessosDead Fish: A proposta mais indecente que a banda já recebeu pelo Facebook5000 acessosMetallica: o video game da banda que nunca foi lançado5000 acessosFotos de Infância: Steven Tyler, do Aerosmith5000 acessosSepultura: Andreas Kisser comenta os primórdios da banda5000 acessosJimi Hendrix: Segundo Carmine Appice, ele não gostava do Led5000 acessosNa hora do sim: casal sobe ao altar tocando guitarra

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 20 de junho de 2012

Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n´roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: joaopsevero@bol.com.br.

Mais matérias de Paulo Severo da Costa no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online