Cult: Hard Rock que não resvalava na farofice nos anos 80

Resenha - Sonic Temple - Cult

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Paulo Severo da Costa
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Os anos 80, representam a década da esquizofrenia para o rock n´roll. Apertados nos mesmos dez anos, surgiram tendências tão díspares como o new romantic e o thrash metal, o death metal e o glam metal, METALLICA e GO GO´s. Dentre essas tendências estava o chamado rock gótico, marcado por letras obscuras e guitarras entorpecidas, que, no início da década, viu surgir o SOUTHERN DEATH CULT, fundado pelo habilidoso vocalista IAN ASTBURY.
3319 acessosSão Paulo Trip: Veja vídeo de divulgação oficial do festival5000 acessosHeavy Metal: os 10 álbuns mais importantes da história

Fundado por volta de 1983, a banda seguia os passos do deprimido estilo de BAUHAUS e SIOUXSIE AND THE BANSHEES, mudando seu nome logo em seguida para DEATH CULT. Nessa época se juntam ao grupo o baterista RAY TAYLOR-SMITH, o baixista JAMIE STEWART, e o guitarrista BILLY DUFFY. Logo depois, a banda abrevia mais uma vez o nome, e passa a se chamar THE CULT.

A vinda dos novos integrantes conduziu gradualmente a um som cada vez mais individualizado - sobretudo graças a DUFFY, um herdeiro do hard “setentão”, fortemente influenciado por JIMMY PAGE e MICHAEL SCHENCKER. Ainda que os dois primeiros álbuns ainda carregassem uma boa carga de influência gótica, a partir de ELECTRIC (1987) a banda assume uma faceta mais voltada ao hard blues contemporâneo, mas íntegro o suficiente para não resvalar na “farofice” reinante na época.

Após mais mudanças na formação (sobretudo pela marcante presença de MATT SORUM na bateria), lança, em 1989, o álbum SONIC TEMPLE, carregado de distorção e vocais pra lá de inspirados.

O disco mostra que a banda não estava de brincadeira: “Sun King”, “Sweet Soul Sister” e “New York City” (com a indefectível presença de IGGY POP nos refrões), dão um show de peso cheio de referência de arena rock de primeira como SCORPIONS e uma pitada de KISS fase “Destroyer”. Os solos de DUFFY em “Soldier Blue” e “Eddie”, mostram o que uma Gibson podia fazer em uma década em que brilharam os fritadores em suas guitarras escalopadas, correndo escalas a 200 quilômetros por hora.

“American Horse” mostra ASTBURY berrando a plenos pulmões, deixando muitos a comer poeira em segundo lugar. Em todas as faixas, o que se observa é uma coesão incrível, onde se ouve um time reunido em torno da força de vontade de fazer um disco singular.

É uma pena que logo após o lançamento, MATT SORUM tenha se bandeado para o GUNS AND ROSES,e STEWART (já em sua segunda passagem pela banda) também tenha saído no ano seguinte. Desde então, a banda não lançou um disco completo tão legal quanto esse. Felizmente, “Sonic Temple”, lançado a mais de vinte anos ficou aí, guardando lugar na galeria dos grandes.

Track list:
1. "Sun King"
2. "Fire Woman"
3. "American Horse"
4. "Edie (Ciao Baby)"
5. "Sweet Soul Sister"
6. "Soul Asylum"
7. "New York City"
8. "Automatic Blues"
9. "Soldier Blue"
10. "Wake Up Time For Freedom"

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

São Paulo TripSão Paulo Trip
Veja vídeo de divulgação oficial do festival

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Cult"

GóticasGóticas
10 grandes bandas do gênero dos anos 80

The DoorsThe Doors
Banda esnobou Ian Astbury por 13 anos

Matt SorumMatt Sorum
A entrevista mais reveladora de sua carreira

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 17 de junho de 2012

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Cult"

Heavy MetalHeavy Metal
Os 10 álbuns mais importantes da história

Dream TheaterDream Theater
John Myung, o habilidoso baixista caladão

Nirvana e GunsNirvana e Guns
Veja Kurt imitando "snake dance" de Axl Rose

5000 acessosIron Maiden: Bruce não quer mais cantar Hallowed Be Thy Name?5000 acessosSlayer: Tom Araya e os sorrisos nos shows ao vivo5000 acessosGuitarras: algumas podem mudar a sua vida, outras não5000 acessosMetallica: banda toca "Enter Sandman" com instrumentos de brinquedo5000 acessosPovo compra, mas não ouve: fim da moda do vinil pode estar perto5000 acessosCorey Taylor: "Scott Weiland é um preguiçoso de merda"

Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n´roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: joaopsevero@bol.com.br.

Mais matérias de Paulo Severo da Costa no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online