30 Seconds to Mars: a crueza em seu começo de carreira

Resenha - 30 Seconds to Mars - 30 Seconds to Mars

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Flavio Lens
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Porque escrever sobre o 30 Seconds to Mars??? Pelo simples fato de ser uma banda daquelas que causam as mais diversas reações. Alguns idolatram, outros abominam, sem contar aquela parcela de fãs (na maioria esmagadora meninas) que só conhece a banda por causa do vocalista, guitarrista, principal letrista, ator, galã "ai-como-ele-é-lindo-mamãe-quero-dar-pra-ele" que atende pelo nome de Jared Leto, sem às vezes nem saber o nome dos outros integrantes da banda, e achando que a banda é apenas o frontman supracitado.

Blender: as letras mais repulsivas do Heavy MetalPorta dos Fundos: Andreas Kisser e a cobrança dos metaleiros

Mas atrás de toda esssa hype que veio após o lançamento do ótimo "A Beautiful Lie", há uma faceta da banda que é praticamente ignorada não só pelos "fãs", mas provavelmente pela própria banda, vide a quase total ausência de músicas do primeiro álbum auto-intitulado quando eles vieram ao Brasil - e é justamente sobre este álbum que irei comentar neste review.

O álbum, lançado em 2002, tem forte influência do new metal, estilo que estava em seu auge na época, mas desde a primeira faixa possui uma originalidade que impede de rotular a banda como tal. Capricorn, Edge of the Earth, Buddha for Mary possuem riffs que poderiam estar em qualquer música de bandas de heavy metal sem maiores problemas, enquanto Echelon traz passagens eletrônicas que remetem ao som gótico dos anos 80, trazendo guitarras pesadas e muita melodia no refrão - um dos pontos altos do disco. Da metade pro final do álbum, temos aquela sensação de "mais do mesmo", sem muita variação entre as músicas, mas é algo que não compromete em nada a audição do disco por completo, pois o mesmo é muito bem produzido (a produção ficou a cargo dos próprios irmãos Jared e Shannon Leto, que é o baterista da banda) e as músicas são extremamente agradáveis de se ouvir, com peso e melodia na dose certa. A formação da banda é uma incógnita, pois a própria banda parece fazer questão de "esconder" tudo o que é relacionado a eles antes do A Beautiful Lie. O que é uma pena, pois, apesar de eu gostar tanto do ABL e do This Is War, considero este debut o melhor registro da carreira do trio.

Mais um ponto que merece destaque positivo é a performance vocal de Jared. Se você espera por vocalizações em tons altos, gritaria e berração pra todo lado, esqueça. Aqui, ele está bem mais contido e são raros os momentos em que a voz sobe o tom, e os gritos à la metalcore/screamo são praticamente nulos. Os temas das letras são bem abstratos, como os próprios integrantes dizem, "nós criamos um mundo e nos escondemos por trás dele", e os efeitos e distorções na voz são algo recorrente nas músicas, mas, ao contrário do que os mais puristas possam imaginar, os efeitos acabam acrescentando mais ao som, ao invés de atrapalhar a audição.

No geral, é um ótimo álbum que merece atenção especial, tanto dos fãs mais novos quanto do pessoal mais old school que não tenha mente fechada e curta rock pesado em geral. É um disco que mostra toda a "crueza" da banda em seu começo de carreira, e no final manda uma mensagem que pode servir de alívio aos fãs em meio a todos estes boatos sobre o fim da banda: "Nós nunca iremos desaparecer..."

Line-up:
Jared Leto - vocal, guitarra
Shannon Leto - bateria

1. Capricorn (A Brand New Name) - 3:53
2. Edge of the Earth - 4:37
3. Fallen - 4:57
4. Oblivion - 3:27
5. Buddha for Mary - 5:43
6. Echelon - 5:47
7. Welcome to the Universe - 2:38
8. The Mission - 4:02
9. End of the Beginning - 4:37
10. 93 Million Miles - 5:18
11. Year Zero - 7:52 (contém a música bônus "The Struggle")




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "30 Seconds To Mars"


30 Seconds To Mars: Jared Leto comenta sobre o Coringa de Heath Ledger30 Seconds To Mars
Jared Leto comenta sobre o Coringa de Heath Ledger

30 Seconds To Mars: fã mandou uma orelha para Jared Leto30 Seconds To Mars
Fã mandou uma orelha para Jared Leto

VMA da MTV: Chester e Cornell foram desrespeitados no evento, dizem fãsVMA da MTV
Chester e Cornell foram desrespeitados no evento, dizem fãs


Blender: as letras mais repulsivas do Heavy MetalBlender
As letras mais repulsivas do Heavy Metal

Porta dos Fundos: Andreas Kisser e a cobrança dos metaleirosPorta dos Fundos
Andreas Kisser e a cobrança dos metaleiros

As regras do New Metal/Nu-metalAs regras do New Metal/Nu-metal
As regras do New Metal/Nu-metal

Max Cavalera: triste ver uma banda tão importante virar uma merdaGuitarristas: você consegue identificar todos nesta imagem?Chris Cornell: irmão condena teorias de que cantor foi assassinadoTestament: Bostaph comenta momento embaraçoso no palco

Sobre Flavio Lens

Nascido em Santos, atualmente mora no interior de SP. Desde pivete curte um som, há mais de dez anos tem participado de bandas na cidade de Catanduva e toca uns projetos de estúdio nas horas vagas.

Mais matérias de Flavio Lens no Whiplash.Net.