Death Angel: aumentando a dose dos "novos elementos"

Resenha - Relentless Retribution - Death Angel

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Pimentel, Fonte: Hangover Music
Enviar Correções  

7


O DEATH ANGEL desde o seu retorno - a banda tinha encerrado suas atividades em 1991 - lançou dois álbuns: o bom Killing Season (2008) e o ótimo The Art of Dying (2004). Ambos os álbuns, apesar de terem os "pés" fincados na velha escola do thrash metal da Bay Area, apresentavam outros elementos: toques de punk e até de rock alternativo podem ser conferidos nesses lançamentos.

publicidade

No caso do DEATH ANGEL tais elementos não podem ser vistos como demérito. É até de se espantar que esses álbuns tenham agradado o público mais "old school" típico fã de heavy metal. Em "Relentless Retribution" os filipinos/americanos resolveram aumentar um pouco a dose dos "novos elementos" apostando em uma sonoridade... Um pouco mais moderna... Terá esse lançamento a mesma resposta dos dois álbuns anteriores?

publicidade

Músicas como "Relentless Revolution" - que abre o álbum - e "Truce" mostram o pesado e rápido DEATH ANGEL de álbuns mais recentes como o "Killing Season", porém a primeira "surpresa" vem nos quase 7 minutos da segunda faixa, chamada "Claws In so deep". Devo dizer que essa faixa me surpreendeu negativamente. Os vocais limpos soaram estranhos, deslocados e forçados e o DEATH ANGEL tenta se aproximar do estilo metalcore/thrash de bandas como o TRIVIUM. No que me pareceu uma tentativa forçada e a finalização da música com o uso de violões - com a participação da dupla RODRIGO Y GABRIELA - não funcionou... a sensação é que a peça está deslocada no contexto da música. Contudo, a faixa possui um bom instrumental que não salva. Essa faixa apenas atrapalha, cansa o ouvinte e fica perdida no meio de tantas músicas rápidas. Resumindo: péssima escolha para fazer parte da abertura do álbum.

publicidade

As demais faixas, em sua maioria seguem um padrão linear, possuindo estruturas convencionais. Riffs como o da intro de "River of rapture" soam previsíveis e, infelizmente, vários deles sofrem esse problema no álbum - o que é uma falha grave tratando-se de thrash metal. "Absence of light" talvez tenha os riffs mais interessantes do disco - destaco também seu ótimo solo de guitarra, e é uma faixa bem interessante no geral. O trabalho de bateria do novato Will Carroll é excelente, conduzindo as músicas com maestria.

publicidade

Resgatando um pouco a veia punk da banda temos faixas como "This Hate" que possui uma excelente e furiosa performance vocal e riffs muito interessantes em seu final. Músicas como "Death on the meek" e Opponents At Sides" trazem de volta a pegada mais moderna para o álbum, em especial a última que não lembra nada que o DEATH ANGEL já tenha feito. Possuindo um refrão bacana e novamente remetendo o TRIVIUM.

publicidade

"Volcanic" é uma das mais distintas no disco, explico: trata-se de uma balada acústica. Soando como uma tentativa frustrada de refazer "Veil of Deception" (do Act III) e passa longe. "Where they lay" encerra o álbum sem apresentar surpresas - não possui nada de especial. Soa normal, assim como boa parte das composições do álbum.

O DEATH ANGEL é uma banda "cult" conhecida geralmente pelos apreciadores de metal, apesar de possuir um som que poderia ter sido comercialmente melhor explorado - escute "Act III" (1990) - isso não ocorreu . Tentar novos elementos tendo um público tão "fechado" é arriscado, porém ao mesmo tempo louvável. O álbum é bem dosado: o experimentalismo é misturado em meio a faixas que não arriscam. O problema é que nenhum dos lados funciona bem, sendo poucas as músicas que se destacam, tudo soa burocrático. Instrumentalmente falando a banda não apresenta problemas: excelente performance. O problema concentra-se na composição em si.

publicidade

"Relentless Retribution" é um bom álbum, que alterna bons e péssimos momentos... e é apenas isso. Por possuir um flerte maior com o metal moderno talvez arremate mais fãs para a banda. Não existe aqui nenhuma faixa que seja um destaque absoluto e este é o maior ponto fraco do álbum, do mesmo modo que a banda pode ganhar mais fãs a chance de muitos ignorarem esse álbum também é grande.

publicidade

Músicas-chaves:
Absence of light ; This Hate ; Opponents At Side

Formação:
Mark Osegueda - vocais
Ted Aguilar - guitarras
Rob Cavestany- guitarras
Damien Sisson - baixo
Will Carroll - bateria

Tracklist:
1. Relentless Revolution 04:28
2. Claws In So Deep 07:44
3. Truce 03:31
4. Into The Arms Of Righteous Anger 04:31
5. River Of Rapture 04:35
6. Absence Of Light 04:32
7. This Hate 03:33
8. Death Of The Meek 05:15
9. Opponents At Sides 06:21
10. I Chose The Sky 04:06
11. Volcanic 03:34
12. Where They Lay 04:30

Tempo total: 56:40

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Death Angel: banda lança EP acústico com bela versão de Under PressureDeath Angel
Banda lança EP acústico com bela versão de "Under Pressure"

Metallica: guitarrista do Death Angel grava versão de Orion com músicos convidadosMetallica
Guitarrista do Death Angel grava versão de "Orion" com músicos convidados

Death Angel: a sequela bizarra e intrigante que a Covid-19 deixou em Will CarrollDeath Angel
A sequela bizarra e intrigante que a Covid-19 deixou em Will Carroll


Death Angel: Em coma com COVID-19, baterista viu Satã e não o achou legalDeath Angel
Em coma com COVID-19, baterista viu Satã e não o achou legal

Thrash Metal: Os melhores discos lançados depois do ano 2000Thrash Metal
Os melhores discos lançados depois do ano 2000


Edu Falaschi: o fax com convite de seleção para o Iron MaidenEdu Falaschi
O fax com convite de seleção para o Iron Maiden

Pink Floyd: tudo sobre Another Brick in the WallPink Floyd
Tudo sobre "Another Brick in the Wall"


Sobre Thiago Pimentel

Tenta, desde meados de 2010, escrever textos que abordem as vertentes da mais peculiar - em seu ponto de vista - manifestação artística do ser humano, a música. Para tal, criou o blog Hangover-Music e contribui no Whiplash.Net. Além disso, é estudante de jornalismo, guitarrista e acredita que se algum dia o Deus metal existira, ele morreu em 13/12/2001.

Mais matérias de Thiago Pimentel no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin