Death Angel: aumentando a dose dos "novos elementos"

Resenha - Relentless Retribution - Death Angel

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Thiago Pimentel, Fonte: Hangover Music
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O DEATH ANGEL desde o seu retorno - a banda tinha encerrado suas atividades em 1991 - lançou dois álbuns: o bom Killing Season (2008) e o ótimo The Art of Dying (2004). Ambos os álbuns, apesar de terem os "pés" fincados na velha escola do thrash metal da Bay Area, apresentavam outros elementos: toques de punk e até de rock alternativo podem ser conferidos nesses lançamentos.
559 acessosLoudwire: os dez melhores álbuns de thrash metal do século 215000 acessosFreddie Mercury: Memórias do Homem que o Conhecia Melhor

No caso do DEATH ANGEL tais elementos não podem ser vistos como demérito. É até de se espantar que esses álbuns tenham agradado o público mais "old school" típico fã de heavy metal. Em "Relentless Retribution" os filipinos/americanos resolveram aumentar um pouco a dose dos "novos elementos" apostando em uma sonoridade... Um pouco mais moderna... Terá esse lançamento a mesma resposta dos dois álbuns anteriores?

Músicas como "Relentless Revolution" - que abre o álbum - e "Truce" mostram o pesado e rápido DEATH ANGEL de álbuns mais recentes como o "Killing Season", porém a primeira "surpresa" vem nos quase 7 minutos da segunda faixa, chamada "Claws In so deep". Devo dizer que essa faixa me surpreendeu negativamente. Os vocais limpos soaram estranhos, deslocados e forçados e o DEATH ANGEL tenta se aproximar do estilo metalcore/thrash de bandas como o TRIVIUM. No que me pareceu uma tentativa forçada e a finalização da música com o uso de violões - com a participação da dupla RODRIGO Y GABRIELA - não funcionou... a sensação é que a peça está deslocada no contexto da música. Contudo, a faixa possui um bom instrumental que não salva. Essa faixa apenas atrapalha, cansa o ouvinte e fica perdida no meio de tantas músicas rápidas. Resumindo: péssima escolha para fazer parte da abertura do álbum.

As demais faixas, em sua maioria seguem um padrão linear, possuindo estruturas convencionais. Riffs como o da intro de "River of rapture" soam previsíveis e, infelizmente, vários deles sofrem esse problema no álbum - o que é uma falha grave tratando-se de thrash metal. "Absence of light" talvez tenha os riffs mais interessantes do disco - destaco também seu ótimo solo de guitarra, e é uma faixa bem interessante no geral. O trabalho de bateria do novato Will Carroll é excelente, conduzindo as músicas com maestria.

Resgatando um pouco a veia punk da banda temos faixas como "This Hate" que possui uma excelente e furiosa performance vocal e riffs muito interessantes em seu final. Músicas como "Death on the meek" e Opponents At Sides" trazem de volta a pegada mais moderna para o álbum, em especial a última que não lembra nada que o DEATH ANGEL já tenha feito. Possuindo um refrão bacana e novamente remetendo o TRIVIUM.

"Volcanic" é uma das mais distintas no disco, explico: trata-se de uma balada acústica. Soando como uma tentativa frustrada de refazer "Veil of Deception" (do Act III) e passa longe. "Where they lay" encerra o álbum sem apresentar surpresas - não possui nada de especial. Soa normal, assim como boa parte das composições do álbum.

O DEATH ANGEL é uma banda "cult" conhecida geralmente pelos apreciadores de metal, apesar de possuir um som que poderia ter sido comercialmente melhor explorado - escute "Act III" (1990) - isso não ocorreu . Tentar novos elementos tendo um público tão "fechado" é arriscado, porém ao mesmo tempo louvável. O álbum é bem dosado: o experimentalismo é misturado em meio a faixas que não arriscam. O problema é que nenhum dos lados funciona bem, sendo poucas as músicas que se destacam, tudo soa burocrático. Instrumentalmente falando a banda não apresenta problemas: excelente performance. O problema concentra-se na composição em si.

"Relentless Retribution" é um bom álbum, que alterna bons e péssimos momentos... e é apenas isso. Por possuir um flerte maior com o metal moderno talvez arremate mais fãs para a banda. Não existe aqui nenhuma faixa que seja um destaque absoluto e este é o maior ponto fraco do álbum, do mesmo modo que a banda pode ganhar mais fãs a chance de muitos ignorarem esse álbum também é grande.

Músicas-chaves:
Absence of light ; This Hate ; Opponents At Side

Formação:
Mark Osegueda - vocais
Ted Aguilar - guitarras
Rob Cavestany- guitarras
Damien Sisson - baixo
Will Carroll - bateria

Tracklist:
1. Relentless Revolution 04:28
2. Claws In So Deep 07:44
3. Truce 03:31
4. Into The Arms Of Righteous Anger 04:31
5. River Of Rapture 04:35
6. Absence Of Light 04:32
7. This Hate 03:33
8. Death Of The Meek 05:15
9. Opponents At Sides 06:21
10. I Chose The Sky 04:06
11. Volcanic 03:34
12. Where They Lay 04:30

Tempo total: 56:40

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Thrash MetalThrash Metal
Os 10 melhores discos do século 21, segundo o Loudwire

559 acessosLoudwire: os dez melhores álbuns de thrash metal do século 210 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Death Angel"

Thrash MetalThrash Metal
Os 10 melhores discos do século 21, segundo o Loudwire

KissKiss
As dez mais pesadas releituras de músicas da banda

LoudwireLoudwire
Os 10 melhores álbuns de Thrash NÃO lançados pelo Big 4

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Death Angel"

Freddie MercuryFreddie Mercury
Memórias do Homem que o Conhecia Melhor

David CoverdaleDavid Coverdale
Em 1974, o Deep Purple Expulsou o ACDC do palco

Rob HalfordRob Halford
Resposta educada a comentários de Dickinson

5000 acessosCuriosidade: artistas que odeiam suas próprias músicas5000 acessosIron Maiden: Jimmy Page relembra Rock in Rio de 20015000 acessosLindo Demais: conheça o London, o primeiro smartphone da Marshall5000 acessosLegião Urbana: semelhanças com faixas dos Ramones e Stooges?5000 acessosOzzy Osbourne: "o morcego era quente e crocante"5000 acessosDuff Mckagan: baixista explica como dizer não às drogas

Sobre Thiago Pimentel

Tenta, desde meados de 2010, escrever textos que abordem as vertentes da mais peculiar - em seu ponto de vista - manifestação artística do ser humano, a música. Para tal, criou o blog Hangover-Music e contribui no Whiplash.Net. Além disso, é estudante de jornalismo, guitarrista e acredita que se algum dia o Deus metal existira, ele morreu em 13/12/2001.

Mais matérias de Thiago Pimentel no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online