Sonata Arctica: fugindo dos estereótipos do Power Metal

Resenha - Days of Grays - Sonata Arctica

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

7


Desde que começou suas atividades em 1999, o Sonata Arctica foi construindo sua reputação através do Power Metal Melódico, mas, com "Unia" (07), os finlandeses investiram pesado em muitos experimentos que acabou conferindo às composições um jeitão mais progressivo e obscuro em detrimento dos arranjos velozes e grudentos, tão apreciados pelos fãs até então. A recepção não foi das melhores, e muitos estavam na expectativa de qual caminho a banda seguiria com seu próximo disco.

E a resposta está em "The Days Of Gray". Agora não mais contando com o guitarrista e fundador Jani Liimatainen, é fato que, com este sexto álbum de estúdio, o Sonata Arctica não abandonou seu avanço musical. As vocalizações agudas de Tony Kakko, além dos grandes riffs e solos, foram bastante resumidos – a faceta progressiva segue de forma sutil, com bonitas melodias intercaladas às estruturas de maior espectro musical, conferindo ao repertório uma natureza bastante diversificada, ainda meio obscura e bastante acessível.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Bonitas faixas como a sinfônica e bombástica "Deathaura", com vozes femininas, ao lado do single "The Last Amazing Grays" e, principalmente, "Flag In The Ground", se revelam um bom começo para o disco, e bem distinto do que se conhece como sendo Sonata Arctica. Mas a audição é longa e esta peripécia musical não consegue oferecer muitos atrativos dignos de real destaque... E, indo um pouco mais a fundo, parte do público poderá esbarrar em uma inconveniente letargia, sensação mais evidente lá pela segunda metade do repertório.

publicidade

Predominantemente mais lento, é inegável que os velhos fãs que não abrem mão da velocidade de seus quatro primeiros álbuns terão poucas chances de encontrar satisfação por aqui. Mas "The Days Of Gray" merece os créditos por procurar fugir dos estereótipos do Power Metal, e esta necessidade de não se estagnar é louvável, ainda que o Sonata Arctica aparentemente não tenha alcançado uma nova sonoridade que fosse a ideal. Dê uma conferida e tire suas conclusões!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Contato:
http://www.sonataarctica.info
http://www.myspace.com/sonataarctica

Formação:
Tony Kakko - voz
Elias Viljanen - guitarra
Marko Paasikoski - baixo
Henrik Klingenberg - teclados e Hammond
Tommy Portimo - bateria

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Convidados:
Johanna Kurkela - voz nas faixas 2 e 9
Perttu Kivilaakso - Cello nas faixas 1, 6, 11, 12 e 14

Sonata Arctica – The Days of Grays
(2009 / Nuclear Blast Records - 2010 / Laser Company Records - nacional)

01. Everything Fades To Gray (Instrumental)
02. Deathaura
03. The Last Amazing Grays
04. Flag In The Ground
05. Breathing
06. Zeroes
07. The Dead Skin
08. Juliet
09. No Dream Can Heal A Broken Heart
10. As If The World Wasn’t Ending
11. The Truth Is Out There
12. Everything Fades To Gray (Full Version)
13. In The Dark (bonus)

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


John Finberg: Angra, Nightwish e outras bandas rompem com agente acusado de assédioJohn Finberg
Angra, Nightwish e outras bandas rompem com agente acusado de assédio

Sonata Arctica: shows no Brasil são adiados para 2021


Sonata Arctica no Brasil: Achavam que éramos os caras do GunsSonata Arctica no Brasil
"Achavam que éramos os caras do Guns"

Sonata Arctica: Finlândia não é o paraíso que muitos pensamSonata Arctica
Finlândia não é o paraíso que muitos pensam


Kiss sobre Secos e Molhados: há quem acredite em OVNIsKiss sobre Secos e Molhados
"há quem acredite em OVNIs"

Curiosidade: capas de álbuns com ilusões de óticaCuriosidade
Capas de álbuns com ilusões de ótica


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Cli336 WhiFin Cli336 Cli336 Cli336