Kiss: será que tudo o que foi dito seria verdade?

Resenha - Kiss - Sonic Boom

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Doctor Robert
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


“Rock And Roll Over se encontra com Love Gun”. “Sonic Boom é o Kiss renascido”. “Nosso melhor álbum em trinta anos”. “Não há baladas, nem teclados, sintetizadores ou garotas fazendo backing vocals”. Estas foram apenas algumas das declarações do falastrão baixista Gene Simmons sobre o novo álbum do Kiss, “Sonic Boom”. Tudo para criar ainda mais expectativa entre seus fanáticos seguidores, sedentos por algo novo da banda que não lançava nada inédito desde a balada breguinha “Nothing Can Keep Me From You”, na trilha sonora do filme “Detroit Rock City”. Será que tudo o que foi dito seria verdade?
530 acessosMarcos de Ros: Gene Simmons, o Capitalista Malvadão5000 acessosAfinal de contas, o que é um riff?

A primeira impressão não foi bem essa, afinal a capa divulgada pela internet e o título do álbum não inspiravam muita confiança. Porém, ao ouvir a primeira música disponibilizada no site oficial, “Modern Day Delilah”, as coisas foram mudando de rumo. Exagero nas frases de Simmons? Claro que sim, e todos sabem que ele é especialista na arte da auto-promoção, mas muito do que foi dito pode ser levado em consideração. A sensação que “Sonic Boom” nos passa é justamente a de que o Kiss pinçou o que fez de melhor nos anos 1980/90 e adicionou à sua velha fórmula de compor hits dos anos 1970. Um álbum de rock simples e direto, com leves pitadas de pop, mas sem frescuras e, por incrível que pareça, sem baladas mesmo. Não chega a ser tudo o que o quarteto vem anunciando, obviamente, mas é sim um disco muito bom de ser ouvido.

A ótima abertura com “Modern Day Delilah” de Paul Stanley não nos remete exatamente ao Kiss clássico, mas sim a “Creatures Of The Night” e “Revenge” – não por acaso, sempre citados por fãs como dois dos melhores discos que a banda gravou após sua década de ouro. Um riff matador, e um refrão no melhor estilo Kiss. De longe, a melhor música do disco. “Russian Roulette” é uma canção inspirada de Gene Simmons, onde o linguarudo coloca seu baixo para roncar entre as guitarras e lança mão de suas letras insinuantes de sempre. Chama atenção como os milagres de estúdio conseguem deixar seus vocais tão bons (quem esteve no show do Anhembi em abril se lembra que ao vivo não é bem assim...). “Never Enough” poderia ser uma boa escolha para um próximo single (se é que ainda se lançam singles), ecoando ares de um vigoroso rock de arena dos anos 1980, mas longe daquele hard pop açucarado praticado por eles na fase “Asylum” e “Crazy Nights” – lembra algo próximo de “Slide It In”, do Whitesnake.

A boa “Yes I Know (Nobody’s Perfect)” dá sequência ao CD, com uma introdução que parece ser uma irmã mais nova de “Thou Shall Not” (de “Revenge”), embora seu andamento seja bem diferente daquela, com mais um arranjo simples de baixo de Gene entre os riffs de guitarras de Paul e Tommy Thayer. “Stand” traz Gene e Paul dividindo os microfones numa canção de refrão grudento, que contém ainda uma seção de vocais sobrepostos após o solo que lembram, mesmo que vagamente, aquele mesmo efeito usado em “I Just Wanna” (também do álbum “Revenge”). Talvez seja a canção menos inspirada do disco.

A sexta faixa, “Hot And Cold”, com Gene sendo tipicamente Gene nas letras (“Baby, feel my tower of power”), não é lá grandes coisas também, mas não compromete também. Traz uma levada de bateria à la Peter Criss e um bom solo de Tommy. “All For The Glory” traz a estréia “oficial” em estúdio de Eric Singer nos vocais principais, um pouco mais graves aqui do que de costume. Boa, mas não vai fazer falta ao vivo – no palco ainda será mais legal ouvir Eric cantando “Nothin’ To Lose” e “Black Diamond”. “Danger Us”, outra grande faixa, esquenta os ânimos novamente, com mais um bom riff de guitarra e outro refrão “grudento” (“Danger you, danger me, danger us” – onde Paul faz trocadilho com a palavra “dangerous” – perigoso).

Chegando à parte final do álbum, “I’m An Animal” soa como uma espécie de sobra reaproveitada de “Creatures Of The Night” ou “Lick It Up” – não que isso chegue a ser algum defeito. Tem uma levada mais lenta e arrastada, típica das canções de Gene naquele período. Em “When Lightning Strikes” é a vez de Tommy Thayer assumir o microfone principal, e ele dá conta do recado muito bem. Se nas guitarras ele reproduz Ace Frehley muito bem, sua voz, entretanto, soa bem diferente. Um bom arranjo de bateria e um solo que nos faz lembrar “Love ‘Em Or Leave ‘Em”, de “Rock and Roll Over”. Por fim, o Kiss encerra o disco com chave de ouro, com mais um rockão de arena em “Say Yeah”.

Concluindo: um bom lançamento que enfim sacia a vontade dos fãs que esperavam por algo novo que valesse a pena ser ouvido, já que o mediano “Psycho Circus” desapontou muitos quando lançado anos atrás. Nos Estados Unidos, conforme já noticiado pelo Whiplash, “Sonic Boom” será lançado também em uma versão tripla, contendo um disco com regravações de clássicos da banda (que já havia saído anteriormente no Japão) e um DVD com os melhores momentos do show de Buenos Aires neste ano. Os membros do “Kiss Army” podem comprar sem susto. Cuidado apenas para não caírem na conversa de Mr. Simmons e cia., e acreditarem que o álbum é um clássico desde já. Isso só o tempo dirá...

Faixas:
01. Modern Day Delilah
02. Russian Roulette
03. Never Enough
04. Yes I Know (Nobody's Perfect)
05. Stand
06. Hot and Cold
07. All For The Glory
08. Danger Us
09. I'm An Animal
10. When Lightning Strikes
11. Say Yeah

Disco de regravações:
1. "Deuce"
2. "Detroit Rock City"
3. "Shout It Out Loud"
4. "Hotter Than Hell"
5. "Calling Dr. Love"
6. "Love Gun"
7. "I Was Made For Lovin' You"
8. "Heaven's On Fire"
9. "Lick It Up"
10. "I Love It Loud"
11. "Forever"
12. "Christine Sixteen"
13. "Do You Love Me?"
14. "Black Diamond"
15. "Rock And Roll All Nite"

DVD ao vivo:
1. "Deuce"
2. "Hotter Than Hell"
3. "C'mon And Love Me"
4. "Watchin' You"
5. "100,000 Years"
6. "Rock & Roll All Nite"

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Paul StanleyPaul Stanley
"Guitarristas não aprendem a fazer base"

530 acessosMarcos de Ros: Gene Simmons, o Capitalista Malvadão493 acessosAce Frehley: "Anomaly" ganha versão deluxe; ouça música inédita766 acessosKiss: bicicleta de triathlon em edição limitada0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Kiss"

Ace FrehleyAce Frehley
"Tentei ser bissexual! Não é para mim!"

KissKiss
Bobbie Brown descreve Paul como "bizarro"

Cééééérebros...Cééééérebros...
E se os rockstars virassem zumbis?

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Kiss"

RiffRiff
Afinal de contas, o que é um? E qual a sua receita?

Separados no nascimentoSeparados no nascimento
Paul Stanley e Sidney Magal

AC/DCAC/DC
Isso sim é uma bela estrada para o inferno

5000 acessosNikki Sixx: "transei com a mulher do Bruce Dickinson"5000 acessosMetallica: os motivos da saída de Jason Newsted5000 acessosDave Mustaine: Maroon 5 o deixou boquiaberto4834 acessosJackdevil: Extremistas, homofóbicos e xenofóbicos deveriam largar o metal5000 acessosAll Shall Perish: a barbárie dos Wall Of Death mais truculentos5000 acessosPink Floyd: Rick Wright morre aos 65 anos de idade

Sobre Doctor Robert

Conheceu o rock and roll ao ouvir pela primeira vez Bohemian Rhapsody, lá pelos idos de 1981/82, quando ainda pegava os discos de suas irmãs para ouvir escondido em uma vitrolinha monofônica azul. Quando o Kiss veio ao Brasil em 1983, queria ser Gene Simmons e, algum depois, ao ver o clipe de Jump na TV, queria ser Eddie Van Halen. Hoje é apenas um bom fã de rock, que ouve qualquer coisa que se encaixe entre Beatles e Sepultura, ama sua esposa e juntos têm um cãozinho chamado Bono.

Mais matérias de Doctor Robert no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online