Lynyrd Skynyrd: conquistando território na década de 70

Resenha - Pronounced Leh-nerd Skin-nerd - Lynyrd Skynyrd

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collector's Room
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade


Um monstro feroz e faminto, louco para devorar os concorrentes e conquistar o seu território, sem medo e sem dó de ninguém. Essa definição cai como uma luva na estreia do Lynyrd Skynyrd, "Pronounced Leh-nerd Skin-nerd", que chegou às lojas em 13 de agosto de 1973. Natural da Flórida, da cidade de Jacksonville, o grupo formado por sete caipiras casca-grossa entrou de sola no rock norte-americano do início dos anos setenta, aprimorando as influências da Almann Brothers Band e fundindo-as ao blues e ao country, parindo um novo estilo, batizado geograficamente como southern rock.

Canal Memórias do Rock: Rock contra o racismo em dez canções.Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1988

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A banda viveu a sua adolescência e atingiu a sua maturidade nos botecos de beira de estrada do sul dos Estados Unidos, embalada com whisky sem gelo e generosas doses de bacon. O Skynyrd cansou de tocar em bares frequentados por caminhoneiros, motoqueiros e outras tribos má vistas pela hipócrita sociedade norte-americana, evoluindo a simbiose entre seus músicos, perdendo a virgindade imaculada em espeluncas fedorentas e repletas de testosterona.

Quando chegou para gravar seu primeiro álbum, o grupo sabia exatamente onde queria chegar, e, mais importante, como chegar onde queria. As oito faixas de "Pronounced Leh-nerd Skin-nerd" exalavam um frescor e uma força contagiantes, com inspiração e classe surpreendentes para uma banda até então novata. Com todas as letras compostas por Ronnie Van Zant, cantor e alma do Lynyrd Skynyrd, as composições tinham a sua autoria alternada entre os guitarristas Gary Rossington, Allen Collis e Ed King, demonstrando, já de saída, de onde vinha a usina criativa do conjunto.

A característica contagem de Ronnie, seguida por uma levada de bateria carregada de phaser, antecedia o riff clássico de "I Ain't the One", faixa de abertura do LP e um dos grandes hinos da carreira do Lynyrd Skynyrd. O piano de Billy Powell contrastava com as guitarras do trio de ferro, enquanto a cozinha formada pelo baterista Robert Burns e pelo baixista Leon Wilkerson (que tocava com a banda antes do álbum ser gravado, saiu por um breve período e retornou após a gravação do disco - o instrumento é executado pelo guitarrista Ed King no play) dava o tom certo para o groove desconcertante de "I Ain't the One".

"Tuesday's Gone" era a primeira das três baladas inesquecíveis do álbum. Com sua melodia levada no slide de Rossington, é uma espécie de irmã gêmea de "Free Bird". Ronnie Van Zant canta carregado de sentimento, com sua voz anasalada derramando sensações sobre nossos ouvidos. A parte central da faixa, com uma belíssima passagem instrumental que começa com um pequeno solo de Powell e termina em uma orquestração, é um dos momentos mais brilhantes e arrepiantes da carreira do Skynyrd.

Mas assim como sabia fazer baladas como poucos, quando resolvia que o negócio era o rock o Skynyrd também soava de maneira ímpar. "Gimme Three Steps" prova isso de maneira exemplar, com um riff repleto de groove, levado por Gary Rossington novamente em seu slide. Um dos pontos altos dos shows da banda, "Gimme Three Steps" está no mesmo patamar de canções como "Saturday Night Special" e "Working for MCA", faixas que estão marcada no DNA de qualquer fã de southern rock.

O dedilhado antológico de guitarra que abre "Simple Man" tem o poder, até os dias de hoje, de transportar qualquer alma com um mínimo de sentimento para outros mundos, escalando suas notas como escadarias para o céu, voando cada vez mais alto. Por si só "Simple Man" já é uma canção que leva os mais sensíveis às lágrimas, com sua letra confessional cantada por Ronnie Van Zant com o coração na boca. Mas, ao assistir o documentário "Free Bird - The Movie", que mostra o show do grupo no lendário Festival de Knebworth em 1977, abrindo para os Rolling Stones, e que tem em seu encerramento "Simple Man" tocada sobre cenas amadoras feitas pelos próprios músicos, mostrando a banda na intimidade, é de deixar qualquer fã aos prantos. Destaque para a levada de bateria de Robert Burns, sensacional com suas viradas e ataques aos pratos e na caixa.

Entre "Simple Man" e "Free Bird", que encerra o LP, temos três faixas não muito badaladas, mas que são provas irrefutáveis do talento do conjunto. "Things Goin' On" nos transporta para um cabaré no meio do Alabama, repleto de dançarinas de can-can mostrando suas cintas-ligas sem pudor nem vergonha; a acústica "Mississipi Kid" parece nascida no meio de uma plantação no sul dos Estados Unidos, entre trabalho pesado, sol escaldante e uma vontade irresistível de estar em outro lugar; e "Poison Whiskey" tem no excelente riff de Ed King seu melhor momento, enquanto Ronnie canta os perigos de se beber um whisky batizado pelo próprio demo.

Fechando "Pronounced Leh-nerd Skin-nerd" temos "Free Bird", o maior hino da carreira do Lynyrd Skynyrd, faixa suprema do southern rock, composição que mostra todo o poder de fogo da parede altamente inflamável formada pelas três guitarras de Rossington, Collins e King. Uma canção divina, um momento de inspiração daqueles que, quando muito, se tem apenas uma vez na vida, "Free Bird" desafia adjetivos, interpretações e tentativas de transpor para o papel o que suas notas nos fazem sentir. Contemplativa, riquíssima musicalmente, frágil e comovente, é o testamento do Skynyrd escrito já em seu nascimento. Uma faixa sem parâmetros no rock, sem igual em mais de cinquenta anos de vida do estilo criado por Chuck Berry e traduzido para as plateias brancas e rascistas norte-americanas por Elvis Presley. Sua introdução com a melodia levada por Rossington no slide antecede uma explosão sonora estupenda, onde Allen Collins faz o solo de sua vida em quase cinco minutos de notas faiscantes e que rasgam o ar, tornando reais cores, almas e todos os demais seres que vivem nesse mundo e em todos os outros.

"Pronounced Len-nerd Skin-nerd" foi uma estreia que fez brilhar os olhos dos amantes do rock, nos EUA e em todo o mundo. A expectativa se cumpriu em álbuns excelentes como Second Helping (1974, que tem o maior hit do grupo, a imortal "Sweet Home Alabama) e em pelo menos mais uma obra-prima, o canto do cisne Street Survivors, lançado no dia 17 de outubro de 1977, três dias antes do fatídico dia 20, data do trágico acidente aéreo que vitimou a banda e matou Ronnie Van Zant, o novato e promissor guitarrista Steve Gaines e sua irmã Cassie Gaines (backing vocal do grupo). Mas isso é assunto para outro dia.

Faixas:
A1 I Ain't the One 3:51
A2 Tuesday's Gone 7:32
A3 Gimme Three Steps 4:30
A4 Simple Man 5:57
B1 Things Goin' On 4:57
B2 Mississippi Kid 3:57
B3 Poison Whiskey 3:11
B4 Free Bird 9:08


Outras resenhas de Pronounced Leh-nerd Skin-nerd - Lynyrd Skynyrd

Lynyrd Skynyrd: madura antes mesmo de lançar algum álbum




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Lynyrd Skynyrd"


Canal Memórias do Rock: Rock contra o racismo em dez canções.Em 17/10/1977: Lynyrd Skynyrd lançava o álbum Street SurvivorsLynyrd Skynyrd: o clássico primeiro álbum da lenda norte-americana (vídeo)

Larry Junstrom: baixista do 38 Special e Lynyrd Skynyrd morre aos 70 anosLarry Junstrom
Baixista do 38 Special e Lynyrd Skynyrd morre aos 70 anos

Fernando Haddad: após visitar Lula, ele canta Lynyrd Skynyrd em bar de CuritibaFernando Haddad
Após visitar Lula, ele canta Lynyrd Skynyrd em bar de Curitiba

Obama: astros do rock que não apoiam o presidenteObama
Astros do rock que não apoiam o presidente

Planet Rock: As músicas com os melhores solos de guitarraPlanet Rock
As músicas com os melhores solos de guitarra


Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1988Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1988

Jack Bruce: Foda-se o Led Zeppelin, eles são um lixo!Jack Bruce
"Foda-se o Led Zeppelin, eles são um lixo!"


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adGoo336