Antics: essência de Curtis com um pouco de "luz"

Resenha - Antics - Interpol

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Pedro Zambarda de Araújo, Fonte: Bola da Foca
Enviar correções  |  Ver Acessos


O legado mais direto aos vocais graves de Ian Curtis veio com certo atraso - a formação de seu guitarrista Bernard Summers no New Order fez música eletrônica na onda do Pet Shop Boys até 2007, consolidando não um rock com letras fortes ou depressivas. Interpol, grupo formado pela voz e guitarra base de Paul Banks, o baixo de Carlos Dengler, a bateria de Sam Fogarino além da guitarra semi-acústica de Daniel Kessler, trazem a essência do grupo de Curtis com um pouco de "luz", ou seja, letras um pouco mais esperançosas.

Rolling Stone: as melhores músicas com mais de sete minutosSeparados no nascimento: Paul Stanley e Sidney Magal

Nova Iorque e os Estados Unidos, num sentido mais generalizado, justificam o surgimento do Interpol: as bandas de indie rock estão revisitando períodos distintos do rock em si. Enquanto a inspiração de The Killers veio do New Order, com vários teclados típicos de Las Vegas, os novaiorquinos trazem temas urbanos, da decadência às histórias mais simples.

"Antics", em 2004, ao contrário do CD de estréia "Turn On The Bright Lights", consolida Interpol com músicas mais felizes, apesar das origens obscuras e melancólicas no Joy Division. O contrabaixo de Carlos Dengler marca esse material a partir segunda faixa, "Evil", que é recheado por uma letra irônica (com referencias à serial killer britânica Rosemary) e uma guitarra que procura acompanhar os graves da canção, sem roubar a atenção.

"Narc", a faixa seguinte, dá menos destaque para a participação de Carlos, embora esteja presente e simultânea à de Daniel, na guitarra. O que se evidencia na terceira música é a voz de Paul Banks, que, apesar da semelhança com Ian Curtis, consegue manipular com mais facilidade uma sonoridade mais aguda, tornando seu desempenho extremamente apreciável, acessível.

Sobre amores distantes e sensações inesquecíveis, "Take You On A Cruise" cumpre seu papel como balada e novamente coloca Paul como um vocalista que atende às expectativas do ouvinte, sem fazer muitos apelos. Em oposição a essa música, "Slow Hands" tem uma introdução onde a guitarra semi-acústica de Daniel rouba a cena, com um timbre bem mais encorpado e menos artificial que as guitarras elétricas maciças. Com uma letra sobre abandono, a guitarra soma-se à voz e à bateria de Sam, que se apresenta em sincronia.

A energia de "Slow Hands" segue em "Not Even Jail". Começando novamente com o contrabaixo em destaque, a guitarra soa mais tímida, de fundo. Uma letra que começa melancólica revela uma banda de músicas esperançosas. Paul Banks não é uma mera continuação de Joy Division ou de suas inspirações: é um vocalista com vitalidade própria, independente e seguro.

"Public Pevert" joga uma letra de materialismo sobre o amor, dialogando com seus paradoxos. Banks soa melódico na maior parte do tempo.

"C'mere" (do francês, "esta mãe") fala de um filho que não aceita outro amor da própria mãe, ao som de bicordes na guitarra que lembram "Evil". No entanto, a principal diferença está na densidade da letra, muito mais simples.

Retomando a assuntos de "Public Pevert", como o pensamento obsceno, "Lenght of Love" mostra alguém superando essa materialidade paradoxal.

Fazendo o caminho inverso, "A Time To Be So Small", última música, fala da realidade que valoriza homens mecanizados, uma "multidão cavernosa". A letra, sob uma guitarra melancólica, convoca a resistirmos a esse tipo de sociedade.

Diferente de todas as outras, "Next Exit", a primeira faixa, abre com um órgão substituindo o contrabaixo e as linhas mais tradicionais de rock'n'roll. Uma pequena guitarra se manifesta enquanto a banda canta sobre a cidade como uma alternativa, tanto como integração ou separação.

Com "Antics", Interpol mostra que é uma banda acessível. Seus instrumentistas não elaboram sobre muitas notas musicais, nem mesmo sobre temas tão inacessíveis, mas buscam efeitos e combinações que dão uma melodia bem receptível. Ainda soa como a maioria da cena indie rock atual, que peca por pouca variação. Mas as referências ao Joy Division e uma busca por mensagem própria nesse CD são uma boa ação de Banks e seu grupo.

Curiosidade: O significado de "Antics", do inglês, é "comportamento simulado". Talvez essa seja uma grande ironia no CD, que exalta problemas em casos comuns para esconder muitas frutrações das pessoas em busca de felicidade. Onde a esperança se insere nisso?




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Interpol"


Rolling Stone: as melhores músicas com mais de sete minutosRolling Stone
As melhores músicas com mais de sete minutos

Separados no nascimento: Paul Stanley e Sidney MagalSeparados no nascimento
Paul Stanley e Sidney Magal

David Bowie: a última foto pública e a última foto privadaDavid Bowie
A última foto pública e a última foto privada

Guitarras: as 15 músicas mais complicadas para tocarGuitarras
As 15 músicas mais complicadas para tocar

Angra: Kiko Loureiro relembrando o tempo de DominóAngra
Kiko Loureiro relembrando o tempo de Dominó

Joe Satriani: era o professor de guitarra mais sortudo de todosJoe Satriani
"era o professor de guitarra mais sortudo de todos"

Rock e metal: o outro lado das capas de discosRock e metal
O outro lado das capas de discos


Sobre Pedro Zambarda de Araújo

Nascido em 1989. Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo, Pedro foi apresentado ao heavy metal através da banda Blind Guardian, em meados de 2004. Ouve e aprecia outros estilos do rock, como o punk, o indie e vertentes mais variadas. Gosta de assistir e cobrir shows.Toca muito mal guitarra, mas aprecia vários tipos de instrumentos musicais.

Mais matérias de Pedro Zambarda de Araújo no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336