Children Of Bodom: reconciliação com os antigos fãs

Resenha - Blooddrunk - Children Of Bodom

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Enquanto a Universal Music do Brasil fica enrolando para liberar alguns de seus discos em nosso país, certos donos de lojas estão indo atrás de alternativas em outros mercados mesmo... Assim, esta versão de "Blooddrunk", o mais novo disco do Children Of Bodom, é importada (pero no mucho!) da Argentina, e se encontra por preços bastante camaradas por aqui.
3091 acessosChildren Of Bodom: como eles conseguiram derrubar Kerry King?5000 acessosIron Maiden: Bruce não quer mais cantar Hallowed Be Thy Name?

É inegável que o Children Of Bodom vem conquistando cada vez mais espaço pelo globo. E para tal, conscientemente ou não, a banda foi mudando sua sonoridade a partir do bem-sucedido "Hate Crew Deathroll" (03), se afastando de suas origens ao acrescentar cada vez mais groove às composições. Obviamente muitos dos antigos fãs não se conformaram e viraram as costas à banda, e talvez isso tenha feito com que Alexi Laiho e Cia. avaliassem com certo cuidado seus próximos passos.

Pois bem, o fato é que, com "Blooddrunk", o grupo aparentemente tenta se reconciliar com os antigos fãs... Ao lado do estilo estabilizado nos últimos anos, várias seções das novas músicas remetem diretamente aos primórdios de sua carreira, inclusive os teclados de Janne Warmen trazem novamente parte daquele jeitão neoclássico (graças!) sempre tão admirado. E confesso, há certas ocasiões em que parece que foram utilizados pedaços de antigas canções!

O repertório é respeitável e, mesmo não existindo lá grande originalidade, “Blooddrunk” é bastante eficaz. Novamente a fúria e virtuose são uma constante ao longo da audição, que é recheada pelo freqüentes solos – pena que geralmente são muito curtos – entre as guitarras e teclados, merecendo destaques sua presença em “Done With Everything, Die For Nothing” e “One Day You Will Cry”.

Mesmo buscando um meio termo, é notório que há tempos o grupo expandiu muito seu estilo inicial ao buscar influências no Metalcore norte-americano ou no histórico NWOBHM, então esta tentativa de agradar a todos não consegue atingir plenamente seu objetivo... Este disco será melhor aceito pelos fãs mais novos, pois dificilmente o pessoal que não abre mão da fórmula dos três primeiros álbuns do Children Of Bodom irá aprovar “Blooddrunk”. Não que isso atinja negativamente a crescente popularidade com a qual os finlandeses vêm sendo agraciados mundo afora...

Finalizando, o Children Of Bodom preparou quatro covers para serem liberados de acordo com o país em que "Blooddrunk" for lançado. Este CD argentino traz uma versão para “Ghost Riders In The Sky” (Stan Jones), e há por aí discos com “Lookin' Out My Back Door” (Creedence Clearwater Revival), “Just Dropped In” (Kenny Rogers) e a já conhecida “Silent Scream” (Slayer). É só escolher...

Formação:
Alexi Laiho - voz e guitarra
Roope Latvala - guitarra
Janne Warman - teclados
Henkka T. Blacksmith - baixo
Jaska W. Raatikainen - bateria

Children Of Bodom – Blooddrunk
(2008 / Universal Music da Argentina - importado)

01. Hellhounds On My Trail
02. Blooddrunk
03. LoBodomy
04. One Day You Will Cry
05. Smile Pretty For The Devil
06. Tie My Rope
07. Done With Everything, Die For Nothing
08. Banned From Heaven
09. Roadkill Morning
10. Ghost Riders In The Sky (cover de Stan Jones)

Homepage: Homepage: www.cobhc.com

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Children Of BodomChildren Of Bodom
Como eles conseguiram derrubar Kerry King?

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Children Of Bodom"

OpiniãoOpinião
Headbangers não praticantes: radicalismo no Metal

Children Of BodomChildren Of Bodom
Natal, comilança, álcool e chutes no saco

MetalMetal
Você acredita na "lenda do terceiro álbum"? - Parte 2

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Children Of Bodom"

Iron MaidenIron Maiden
Bruce não quer mais cantar Hallowed Be Thy Name?

SlayerSlayer
Tom Araya e os sorrisos nos shows ao vivo

GuitarrasGuitarras
Algumas podem mudar a sua vida, outras não

5000 acessosMusas: o calendário de beldades da Revolver Magazine5000 acessosOzzy Osbourne: aterrorizando filho com decoração de casa5000 acessosSlayer: o insistente uso de "Satan" e "Hell" por Tom Araya5000 acessosDave Mustaine: Ellefson é o baixista, Kiko é o meu braço direito5000 acessosKeith Richards: Metallica e Black Sabbath são "grandes piadas"5000 acessosGuns N' Roses: o momento mais estranho de Duff McKagan no palco

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online