Resenha - Kiss Of Death - Motorhead

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ronaldo Costa
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Como se já não bastasse toda a responsabilidade que seu nome e história o fazem carregar, desde que o Motörhead lançou, em 2004, o petardo mais do que estupendo intitulado “Inferno”, aumentaram ainda mais as expectativas sobre lançamentos da banda. Mas para um sujeito como Lemmy Kilmister, isso não é motivo para preocupação.
768 acessosStar Wars: cosplay funde Lemmy Kilmister a Stormtrooper5000 acessosKiss x Secos & Molhados: o fim da polêmica

E eis que Lemmy, Phil Campbell e Mickey Dee comparecem com esse “Kiss Of Death”, mais uma pedrada certeira do Motörhead em nossas cabeças. Uma das bandas mais diretas, cruas e rockers de todos os tempos, os caras não demonstram nesse álbum o menor sinal de hesitação. A pancadaria começa com “Sucker”, música demolidora, com a guitarra nervosa de Campbell, a mão pesada de Dee e o baixão de Mr. Lemmy com a velha distorção de sempre, além do vocal único (o cara pode tirar um cover do King Diamond, cantando em falsete, que ainda assim não tem como confundir). Seguem então dois rocks bem diretos, com “One Night Stand” e a pesada “Devil I Know”.

Enquanto “Trigger” é uma porrada daquelas que o indivíduo leva e gasta um bom tempo pra entender o que aconteceu, “Under The Gun” é uma espécie de blues bem pesado e que funciona muito bem. “God Was Never On Your Side” é uma surpreendente balada, que traz a participação de CC deVille, da banda de glam rock Poison. Daí até o final, o que se ouve é o velho rock and roll que o Motörhead sabe fazer com tanta competência, com destaque para “Christine” e “Going Down”.

“Kiss Of Death” não faz feio em hora nenhuma. Campbell e Dee mostram a atuação competente que sempre se espera e Lemmy (a alma da banda), mais uma vez com sua performance direta, sem frescuras e carregada de crueza, dá ao Motörhead aquilo que faz a banda ser o que é. Podem até dizer que eles fazem sempre a mesma coisa, mas é impressionante como funciona bem até hoje.

01. Sucker
02. One Night Stand
03. Devil I Know
04. Trigger
05. Under The Gun
06. God Was Never On Your Side
07. Living IN The Past
08. Christine
09. Sword Of Glory
10. Be My Baby
11. Kingdom Of The Worm
12. Going Down

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Kiss Of Death - Motorhead

3092 acessosMotorhead: mais rock n' roll que propriamente Metal2975 acessosResenha - Kiss Of Death - Motorhead3577 acessosResenha - Kiss Of Death - Motorhead

Phil AnselmoPhil Anselmo
Lemmy sentia dor mas não queria deixar o palco

768 acessosStar Wars: cosplay funde Lemmy Kilmister a Stormtrooper1236 acessosMotorhead: album solo de Lemmy a ser lançado ainda este ano0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Motorhead"

MotorheadMotorhead
Goleiro de hóquei canadense coloca Lemmy em sua máscara

Lemmy KilmisterLemmy Kilmister
A música, as drogas, a família e a morte

MotorheadMotorhead
Trujillo explica porque Lemmy é uma lenda

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Motorhead"

MaquiagensMaquiagens
O fim da polêmica Kiss x Secos & Molhados

MotorheadMotorhead
Os 22 álbuns da banda, do pior para o melhor

SlayerSlayer
Tom Araya revela seus ídolos do baixo

5000 acessosZakk Wylde: O assassinato atribuido à "seita" do guitarrista5000 acessosHalloween: dez clássicos do Heavy Metal para curtir a data5000 acessosManowar: Régis Tadeu comenta sobre fãs no Pânico5000 acessosBabymetal: o que Regis Tadeu pensa sobre a banda?5000 acessosFlea: "Já pensei em deixar o RHCP um milhão de vezes"5000 acessosGene Simmons: como ele conheceu Shannon Tweed

Sobre Ronaldo Costa

Nascido na capital paulista em meados dos anos 70, teve a sorte de, ainda bem jovem, descobrir por meio de um primo o debut do Iron Maiden. Quando ouviu “Prowler” pela primeira vez, logo entendeu que aquilo passaria a fazer parte de sua vida. Gosta sobretudo dos clássicos, como Maiden, Judas, Sabbath, Purple, Zeppelin, Metallica, AC/DC, Slayer, mas ouve desde um hard bem leve até um bom death metal. Além da paixão pelo metal e pelo rock em geral, também adora cinema e um bom futebol.

Mais matérias de Ronaldo Costa no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online