Resenha - Stormblast - Dimmu Borgir

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Bruno Coelho
Enviar Correções  

8


Os noruegueses do Dimmu Borgir são, sem sombra alguma de dúvidas, uma das mais conhecidas e ocupadas bandas de Black Metal na Europa até hoje. Com uma carreira que já segue por mais de dez anos e onze álbuns lançados, além de mais alguma coisa programada para daqui até o fim de 2006, há poucos ou nenhum sinal de que a banda jogará a toalha nos próximos anos.

Pseudônimos no Black Metal: De entidades pagãs a O Senhor dos Anéis

Os Trapalhões: uma homenagem ao Heavy Metal em 1985

Um destes novos lançamentos é, na verdade, o relançamento de seu terceiro álbum, Stormblast, uma verdadeira obra-prima se comparado à maioria dos ábuns lançados nos idos de 1996, dentro dos parâmetros do Black Metal. Próximo de completar 10 anos desde seu lançamento (o que ocorrerá no final deste ano), o álbum possui papel crucial na carreira de sucesso da banda e só faria sentido para a banda pagar homenagem a ele se pudessem não apenas remasterizá-lo, mas também regravá-lo.

O relançamento é maior, mais pesado, mais alto, mais sombrio e mais intenso que o original. Definitivamente essencial para aqueles que ainda não conhecem o trabalho do Dimmu, já que é a introdução perfeita à sua mistura de influências clássicas e rifferama Black Metal. Além disso, como não deve faltar a qualquer bom relançamento nos dias de hoje, existem duas faixas bônus nunca antes lançadas e um DVD com a performance completa da banda no OZZFEST de 2004. Bônus mais que satisfatório para qualquer grande e antigo fã da banda, além de incrementar a experiência dos ouvintes de primeira viagem.

Como álbum em si, é um tanto quanto desleal compará-lo com qualquer dos materiais mais recentes lançados pela banda, já que a qualidade das composições sem dúvidas melhorou com o passar de quase uma década entre o primeiro lançamento e este novo. Ainda assim, a banda conseguiu adicionar uma camada de profundidade à regravação que é praticamente tangível. É claramente possível notar a diferença nas habilidades da trupe em compor canções (ou mísseis, como no caso do Dimmu). Baixo e guitarras bem mais sinistras, vocais ainda mais poderosos e a adição do baterista Hellhammer, culminam na monstruosidade da mais que clássica faixa-título "Stormblast" (linda do começo ao fim).

Esta re-edição pode não ser realmente tão crucial ou estar tão à altura de petardos como "Puritanical Euphoric Misanthropia" ou "Death Cult Armaggedon", mas certamente merece ser escutado no mesmo volume que os outros dois... e com sua cabeça batendo à mesma velocidade!

Tracklist CD:

1. Alt Lys Er Svunnet Hen
2. Broderskapets Ring
3. Når Sjelen Hentes Til Helvete
4. Sorgens Kammer - Del II*
5. Da Den Kristine Satte Livet Til
6. Stormblåst
7. Antikrist
8. Dødsferd
9. Vinder Fra En Ensom Grav
10. Guds Fortapelse - Apenbaring Av Dommedag
11. Avmktslave *

* Músicas Inéditas

Tracklist DVD:

1. Spellbound
2. Vredesbyrd
3. Kings Of The Carnival Creation
4. Progenies Of The New Apocalypse
5. Mourning Palace


Outras resenhas de Stormblast - Dimmu Borgir

Resenha - Stormblast - Dimmu Borgir



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Pseudônimos no Black Metal: De entidades pagãs a O Senhor dos AnéisPseudônimos no Black Metal
De entidades pagãs a O Senhor dos Anéis

Dimmu Borgir: Puritanical Euphoric Misanthropia analisado em vídeo


Dimmu Borgir: não faz sentido usar jeans e camiseta brancaDimmu Borgir
Não faz sentido usar jeans e camiseta branca

Dimmu Borgir: Não sou fã do Korn, mas respeito-os...Dimmu Borgir
"Não sou fã do Korn, mas respeito-os..."


Os Trapalhões: uma homenagem ao Heavy Metal em 1985Os Trapalhões
Uma homenagem ao Heavy Metal em 1985

Metal Extremo: algumas bandas que você precisa ouvirMetal Extremo
Algumas bandas que você precisa ouvir


Sobre Bruno Coelho

Bruno Coelho é Arquiteto, escritor, poeta, produtor de eventos, pai, tradutor, intérprete e professor de inglês. Morou em cinco capitais brasileiras e hoje dedica-se ao árduo labor de organizar eventos na capital maranhense de São Luís. Fã do Dream Theater, Tool, Symphony X, Pain of Salvation e Evergrey, encontra espaço pra novas bandas e vertentes sempre.

Mais matérias de Bruno Coelho no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin