Resenha - Baptizm Of Fire - Glenn Tipton

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Bruno Sanchez
Enviar Correções  

9


Quando o "Judas Priest" entrou no estado de suspensão criativa em 1992, com a saída de Rob Halford da banda, os músicos se encontraram em um beco sem saída sobre o futuro das atividades. Enquanto decidiam quem seria o novo vocalista da grande lenda do Heavy Metal, o guitarrista Glenn Tipton resolveu dar seguimento a uma idéia que estava engavetada há alguns anos em sua cabeça: um álbum solo.

Phil Anselmo: Vocalista explica e se retrata por episódio racista

Saúde: mais de 60% dos músicos sofrem de problemas mentais

Para que o projeto realmente saísse da forma esperada, Glenn se cercou de músicos muito competentes e o resultado não poderia ser outro; arrisco dizer que "Baptizm Of Fire" é um dos melhores trabalhos solo que já ouvi na vida, sem medo de ousar, e dentro da qualidade que você espera de alguém com mais de 30 anos de uma carreira estável e bem sucedida ao lado do grande Judas Priest.

Sente o time que o cara escalou: Robert Trujillo (baixo, atual Metallica e ex-Suicidal Tendencies), C.J. de Villar (guitarrista, ex-Mr.Big), Billy Sheehan (baixista do Mr. Big), John Entwistle (simplesmente o baixista e fundador de uma das maiores bandas da história, o The Who), Cozy Powell (ex-Black Sabbath e Rainbow), Shannon Larkin (baterista do Ugly Kid Joe), Brooks Wackerman (baterista do Suicidal Tendencies), Don Airey (tecladista atual do Deep Purple, ex-Rainbow).

Você deve estar se perguntando quem é o vocalista escolhido para integrar esse time de feras. Pois é, quem cantou no CD inteiro foi o próprio Glenn Tipton e acredite, ele não fez feio alternando um vocal limpo com uma linha parecida com a que Rob Halford adotou nos seus últimos trabalhos solos (sem exageros ou agudos).

"Baptizm of Fire" ficou alguns anos em produção e finalmente chegou às lojas em 18 de Fevereiro de 1997, mas andou um tempo sumido do mercado e agora retorna às prateleiras em um relançamento mundial com dois bônus (disponíveis apenas na versão japonesa quando do lançamento original).

Antes de continuar com a resenha, já adianto para o leitor não esperar nada parecido com o Judas Priest por aqui. Quem conhece um pouco de música sabe que quando um integrante de uma mega banda resolve lançar um álbum solo, ele normalmente aproveita material que não foi utilizado pela sua banda principal, ou porque difere muito do estilo ou simplesmente pela liberdade criativa que ele tem de compor e mostrar um outro lado aos fãs, algo mais intimista e fora do pensamento comercial.

Talvez aqui não precisemos ser tão radicais. Na verdade, você encontra sim algumas faixas que lembram um pouquinho o trabalho de Glenn à frente do Judas, mas bem de leve, porque a palavra de ordem foi inovação mesmo, com músicas mais cadenciadas e muito experimentalismo, chegando em determinados momentos a flertar com o que o Soundgarden fez no finzinho de carreira, aquele Rock experimental (mas mais pesado) melancólico do Down On The Upside como na ótima Enter The Storm.

Por outro lado, temos também uma coleção de riffs criativos em "Hard Core", "Fuel Me Up" e o maravilhoso cover dos Rolling Stones para "Paint It Black" que por incrível que pareça conseguiu ficar melhor que a original (me desculpem fãs de Mick Jagger & cia).

A faixa de abertura "Hard Core", conta além de tudo com um refrão que lembra bastante o que viria a ser a "Revolution" do último álbum do Judas, "Angel of Retribution" e nessa linha você pode imaginar mais ou menos como é esse trabalho.

Todas as faixas são muito boas mas eu gostaria de destacar a participação do mestre John Entwistle como baixista da faixa "The Healer". Quem poderia imaginar que um dos gênios do Rock mundial também se sairia maravilhosamente bem tocando Heavy Metal? Em uma entrevista recente, Tipton comentou que John também curtia Metal e entendeu o espírito da coisa quando foi para o estúdio contribuir para o álbum.

Aproveite que o álbum foi relançado e corra atrás do seu sem medo. Você com certeza vai se surpreender e tomara que a carreira solo de Tipton não acabe por aqui porque o cara tem muito a mostrar.

Faixas:
1 – Hard Core
2 – Paint It Black
3 – Enter The Storm
4 – Fuel Me Up
5 – Extinct
6 – Baptizm Of Fire
7- The Healer
8 – Cruise Control
9 – Kill Or Be Killed
10 – Voodoo Brother
11 – Left For Dead
12 – Himalaya (bônus)
13 – New Breed (bônus)




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Slayer: Gary Holt é o Glenn Tipton da nossa eraSlayer
"Gary Holt é o Glenn Tipton da nossa era"

Judas Priest: banda pode seguir sem Rob Halford, Glenn Tipton e Ian Hill?Judas Priest
Banda pode seguir sem Rob Halford, Glenn Tipton e Ian Hill?


Phil Anselmo: Vocalista explica e se retrata por episódio racistaPhil Anselmo
Vocalista explica e se retrata por episódio racista

Saúde: mais de 60% dos músicos sofrem de problemas mentaisSaúde
Mais de 60% dos músicos sofrem de problemas mentais


Sobre Bruno Sanchez

Paulistano, 26 anos, Administrador de Empresas e amante de História. Bruno é colaborador do Whiplash! desde 2003, mas seus textos e resenhas já constavam na parte de usuários em 1998. Foi levado ao Rock e Metal pelos seus pais através de Beatles, Byrds e Animals. Com o tempo, descobriu o Metallica ainda nos anos 80 e sua vida nunca mais foi a mesma. Suas bandas preferidas são Beatles, Metallica, Iron Maiden, Judas Priest, Slayer, Venom, Cream, Blind Guardian e Gamma Ray.

Mais matérias de Bruno Sanchez no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin