Resenha - X&Y - Coldplay

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Anderson Nascimento
Enviar correções  |  Ver Acessos


Com uma batida eletrônica, o Coldplay abre o novo disco tendo um grande desafio: superar os dois primeiros discos de inéditas da banda. Logo no início da obra, curiosamente dividida em "lado X" e "lado Y", conseguimos perceber alguma mudança no som, a banda aposta todas as fichas em sons eletrônicos, que mesmo presentes em todo o álbum, estão dosadas na medida certa, tornando-o bem diferente dos álbuns anteriores onde o piano domina a maioria das faixas.

Tradução: The Dark Side Of The Moon, do Pink FloydPink Floyd: dupla sertaneja desvirtua clássico da banda

A mudança veio em boa hora, visto que o efeito Coldplay no som britânico vem tomando dimensões catastróficas. Não que seja ruim, mas é um tédio ver um monte de bandas com um carinha sentado ao piano tocando baladas atrás de baladas.

Difícil classificar esse novo disco, talvez o mais próximo seria posicioná-lo como um Pop moderno e consistente.

"Square One", a música que abre o disco, é na prova disso, o próprio corinho "ôoo ooô" da música funcionaria muito bem nas pistas de danças. O disco segue alternando entre músicas nesse estilo e músicas de efeito quase ambiente, como é o caso de "What If", bela melodia, um intenso falsete e uma leve guitarra que chega a lembrar Eric Clapton nos anos 90.

"White Shadows", que segue a linha Pop-dançante que citei, impressiona pela sua cadência e som "fantasmagórico" na jogada que fazem com a voz do Chris no decorrer da música.

Falando em impressionar, a música "Fix You", uma das melhores do disco, é uma grande surpresa, começa como uma balada tradicional a lá "Coldplay", e acaba rebuscando uma sonoridade setentista inédita na carreira da banda. Ainda nessa praia setentista, consegui enxergar algo psicodélico na faixa "X&Y", outro grande destaque do álbum, que dá nome ao disco, algo bem Pink Floyd mesmo.

No lado "Y" do cd, a qualidade cai drasticamente, porém o primeiro single "Speed of Sound" corrobora sua escolha por ser a melhor música do disco, com um certo peso, a faixa acaba fugindo um pouco do estilo do álbum. Também fugindo desse estilo, encontramos a música "A Message", no melhor estilo Coldplay-deprê de ser.

No mais apenas músicas sem um algo mais que valha a pena destacar, além de uma faixa bônus que pouco acrescenta. Apesar de um bom disco, a arte ininteligível da obra, deixa um certo ar de um disco também ininteligível que fica bem atrás de seus predecessores.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Coldplay"


Coldplay: Davie Bowie recusou participar de música da banda por ela não ser boaColdplay
Davie Bowie recusou participar de música da banda por ela não ser boa

CDs: sua coleção pode valer uma fortuna e você nem sabe dissoCDs
Sua coleção pode valer uma fortuna e você nem sabe disso

Pra ouvir e discutir: os melhores discos lançados em 2002Pra ouvir e discutir
Os melhores discos lançados em 2002


Tradução: The Dark Side Of The Moon, do Pink FloydTradução
The Dark Side Of The Moon, do Pink Floyd

Pink Floyd: dupla sertaneja desvirtua clássico da bandaPink Floyd
Dupla sertaneja desvirtua clássico da banda

Capas de álbuns: 30 das piores artes da históriaCapas de álbuns
30 das piores artes da história

Vanusa e Black Sabbath: a notável coincidência nos riffsVanusa e Black Sabbath
A notável coincidência nos riffs

Galeria de fotos: 13 motivos para gostar de Rock N RollGaleria de fotos
13 motivos para gostar de Rock N Roll

Guns N' Roses: Bumblefoot estava irritado, amargurado e frustrado quando saiuGuns N' Roses
Bumblefoot estava irritado, amargurado e frustrado quando saiu

Phil Anselmo: Corey Taylor comenta a polêmica racistaPhil Anselmo
Corey Taylor comenta a polêmica racista


Sobre Anderson Nascimento

Anderson Nascimento é Analista de Sistema e Professor Universitário de profissão, tendo cursado Pós-Graduação em Análise, Projeto e Gerência de Sistemas na PUC-RJ. Sua grande paixão é a música, começou a colecionar discos ainda na época do vinil, em 1986, com o álbum Abbey Road dos Beatles. Esse foi o primeiro passo para esse hobby que viria a se tornar tão importante em sua vida. Entre as várias atividades no meio musical, Anderson é compositor e integrou a banda de rock Projeto:Paradoxo entre 1996 e 2004. Anderson é um ávido colecionador de discos e também escreveu sobre música em vários veículos de comunicação.

Mais matérias de Anderson Nascimento no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336