Resenha - Aerial - Kate Bush

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Tiago Lucas Garcia
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10


É revigorante diante de tantas vozes de plástico, diante de todo esta carga de produção de imagens que temos hoje, ouvir uma voz sóbria, humana, porém profundamente artística como a de Kate Bush. A cantora inglesa que aqui é conhecida, infelizmente, sobretudo pelas felizes interpretações que Angra e Withing Temptation fizeram de suas canções, lança depois de 13 anos de silêncio (desde "The Red Shoes" de 1992) este álbum duplo intitulado 'Aerial'.

Slayer: quando Cronos deixou Tom Araya de olho roxoEnjaulados: Os crimes mais chocantes da história do rock

Podemos notar, logo na primeiro audição de 'Aerial', que estes 13 anos de silêncio de Kate foram na verdade como o silêncio dos sábios e não o silêncio dos cansados, a música apresentada aqui não demonstra nenhum sinal de desgaste, soa como 'Kate Bush', mas nunca como algo nostálgico (se bem que, como diz Van Morrison em seu último álbum, não há nada errado em um tanto de nostalgia). Os elementos acústicos e elétricos/ eletrônicos se mesclam aqui de maneira absolutamente orgânica, cada lado se apresentando em seu devido momento.

Os CDs que constituem 'Aerial' possuem títulos próprios, o primeiro intitulado "A Sea Of Honey", o segundo "A Sky Of Honey", ambos em referência a vista do mar no pôr do sol. No primeiro CD as letras se dividem em temas diversos, como a curiosidade doentia da imprensa (King Of The Mountain), uma curiosa homenagem o Joana D'Arc (em Joanni), uma tempestade que inundou sua casa e sua respectiva limpeza 'poética' (Mr Bartolozzi).Já o segundo CD, "A Sky of Honey", trata justamente do céu e de suas variações no decorrer do dia, do nascer do sol ao luar, movimento que percorre as faixas do CD.

Voltando porém a alquimia dos sons, é impossível para mim não lembrar do último trabalho de Peter Gabriel ('Up') ouvindo 'Aerial', não que este seja influenciado por aquele, nada disso, mas em minha opinião sempre houve um paralelo claro na maneira de trabalhar do ex-vocalista do Genesis e de Kate, ambos buscando constante, embora de fato lentamente, experimentar novos elementos, fiéis somente a este potencial expressivo da música. A música que não é sempre e tão somente diversão, é também talvez o mais poderoso meio de comunicação (ou como diria o jornalista Arthur da Távola: "Música é vida interior. E quem tem vida interior nunca padece de solidão).

Enfim, eu recomendo vivamente este álbum para todos aqueles que gostam de ouvir algo original e desafiador, porém o recomendo especialmente aos fãs de Angra e Within Temptation: Ouçam uma voz nem melhor e nem pior que o metal, porém diferente, e saia mais rico deste processo. Temos aqui uma visão única da música, sem dúvida vale o desafio.

P.S: Como agora é praxe aqui no site 'dar notas' aos álbuns, eu dei a minha, mas perguntemos com William Blake, "Pode a sabedoria ser posta num bastão de prata, ou o amor em um jarro de ouro?" e acrescentemos: "E a música em um número?"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Kate Bush"


Slayer: quando Cronos deixou Tom Araya de olho roxoSlayer
Quando Cronos deixou Tom Araya de olho roxo

Enjaulados: Os crimes mais chocantes da história do rockEnjaulados
Os crimes mais chocantes da história do rock

Megadeth: Mustaine abre o jogo sobre convite a Pepeu GomesMegadeth
Mustaine abre o jogo sobre convite a Pepeu Gomes

Courtney Love: Essa música é sobre minha vagina, sabia?Courtney Love
"Essa música é sobre minha vagina, sabia?"

Porta dos Fundos: Andreas Kisser e a cobrança dos metaleirosPorta dos Fundos
Andreas Kisser e a cobrança dos metaleiros

Jimmy Page: relembrando quando subiu ao palco com Jaco Pastorius e Chris Slade (AC/DC)Jimmy Page
Relembrando quando subiu ao palco com Jaco Pastorius e Chris Slade (AC/DC)

Whitesnake: Cameron Diaz recria clipe da banda em filmeWhitesnake
Cameron Diaz recria clipe da banda em filme


Sobre Tiago Lucas Garcia

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adClio336|adClio336