Matérias Mais Lidas

imagemRegis Tadeu e os cinco grandes vocalistas que o mundo do Rock não dá valor

imagemJô Soares comprou uma obra de arte do Rock por causa do Regis Tadeu

imagemA música do Metallica que James não queria apresentar aos outros integrantes

imagemFãs detonam produção do Knotfest após anúncio do Pantera

imagemDee Snider diz que faliu na década de 1990 e fingia ser outra pessoa

imagemAngra e Shaman, Edu Falaschi fala sobre a treta que havia entre as bandas

imagemO carinhoso jeito de Axl Rose se desculpar com sua equipe pelo seu jeito imprevisível

imagemA melhor música de heavy metal lançada a cada ano desde 1970, em lista do Loudwire

imagemDez músicas de outros estilos que ganharam ótimas versões rock/metal - Parte I

imagemFilme que conta a história de Dio será exibido nos cinemas em setembro

imagemAmy Lee surpreende ao escolher os melhores cantores (e cantoras) de todos os tempos

imagemO curto e grosso motivo pelo qual Zappa vetava que seus músicos usassem coisas químicas

imagemBruno Sutter explica semelhança problemática entre Ayrton Senna e Fausto Fanti

imagemA música do Raul Seixas com erro gramatical que parece um plágio mas é uma homenagem

imagemDiretora de escola censurada por pais por foto com camisa do Iron Maiden se arrepende


2022/08/18
Stamp

Resenha - Music Machine - Erik Norlander

Por Sílvio Costa
Em 07/05/04

Conhecido por seus trabalhos com a cantora norte-americana Lana Lane, o tecladista, produtor e compositor Erik Norlander lança agora uma ópera rock sob forma de álbum duplo. Quem já conhece o trabalho da cantora californiana – esposa de Erik – não vai encontrar grandes surpresas neste Music Machine. Trata-se de uma mistura muito bem feita entre hard rock tradicional com AOR, com direito a muitas viagens instrumentais e a uma produção impecável.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Com cerca de 25 álbuns gravados nos últimos dez anos (incluindo 22 com Lana Lane), Erik desenvolveu um estilo muito pessoal de desenvolver suas idéias musicais neste que é seu terceiro disco solo. Com muita influência de Arjen Lucassen (Ayeron, etc), Norlander conta a história de Johnny America, um sujeito "fabricado" por uma grande companhia de mídia, com o único objetivo de fazer sucesso e conseguir muito dinheiro para os seus "pais". O disco é duplo e divide-se em duas partes. Na primeira – "Rise" – é contado como este Johnny America conquistou fama e dinheiro no mundo do espetáculo e na segunda – "Fall" – como ele perdeu quase que instantaneamente tudo o que havia conseguido. As duas fases da história são claramente percebidas ao longo da audição do disco: no primeiro disco, predominam melodias mais poderosas e pesadas. No segundo, há um pouco mais de melancolia.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A exemplo do que aconteceu nos dois ou três últimos discos de Lana Lane, os músicos de apoio de Erik acabam sendo os maiores destaques deste disco. Vinnie Appice, Gregg Bissonette, Mark Boals, dentre outros contribuem com esta ópera rock que consegue, apesar de tudo, não soar megalomaníaca ou pretensiosa em nenhum momento.

Um dos maiores destaques do disco – ainda falando em participações especiais – é a presença do veterano Donald "Buck Dharma" Roeser, do Blue Öyster Cult. Ele canta em "Lost Highway", uma das faixas mais emocionantes do disco. Com um clima bem setentista (nem poderia ser diferente), esta é uma das melhores músicas do disco.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Alternando melodias bem construídas, sempre tendo por base teclados, sintetizadores e outros instrumentos muito bem tocados por Norlander, o disco desenvolve sua temática sem um grande clímax. Mantendo sempre um ritmo cadenciado e explorando com sabedoria o talento da verdadeira constelação que acompanha Erik nesta empreitada. Apesar de inúmeros vocalistas talentosos (o citado Mark Boals, Kelly Keeling, que já cantou no MSG, dentre outros) quando o próprio Erik assume os microfones, o resultado mostra-se muito interessante, conforme pode ser conferido na pesada "The Fire of Change" e na emblemática "Tour of the Sprawl".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Chamam atenção a ausência de guitarras e o clima viajante de algumas músicas, especialmente as instrumentais (oito, de um total de 21 faixas). Isto, de modo algum, transforma o disco em algo cansativo ou maçante. Exemplo disto que estou falando é a bela instrumental "Letter from Space", em que os sintetizadores de Erik oferecem uma melodia triste e belíssima, num dos melhores momentos do disco. Com uma incrível performance do baterista Gregg Bissonette, "Soma Holiday" é outra faixa instrumental bastante empolgante, com incursões jazzísticas muito interessantes. Nada disso quer dizer que não haja peso, a fantástica "Heavy Metal Symphony", que lembra bastante a fase do Black Sabbath com Tony Martin, é uma das melhores e mais "heavy" do disco inteiro.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Não é um disco muito fácil de ser ouvido, já que, em linhas gerais, não apresenta muito peso nem muita velocidade, itens tão apreciados por quem gosta de rock e de heavy metal em geral. Mas apresenta uma carga gigantesca de feeling e de inteligência, duas das maiores características do trabalho de Erik Norlander. Um disco altamente recomendável para aqueles de mente mais aberta.

Tracklist:

Disco 1 (Rise)

1. Prologue: Project Blue Prince
2. Music Machine
3. Turn me On
4. Heavy Metal Symphony
5. Tour of the Sprawl
6. Andromeda
7. Letter From Space
8. Lost Highway
9. Soma Holiday
10. Return of the Neurosaur
11. Project Blue Prince Reprise

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Disco 2 (Fall)

1. Fanfare Interlude
2. Beware the Vampires
3. The Fire of Change
4. The Fall of the Idol
5. Metamorphosis
6. One of the Machines
7. Fallen
8. Johnny America
9. Music Machine Reprise
10. Epilogue: Sky Full of Stars

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

2022/07/09


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

The Simpsons: 10 melhores aparições de roqueiros no desenho

Fotos de Infância: Red Hot Chili Peppers


Sobre Sílvio Costa

Formado em Direito e tentando novos caminhos agora no curso de História, Sílvio Costa é fanzineiro desde 1994. Começou a colaborar com o Whiplash postando reviews como usuário, mas com o tempo foi tomando gosto por escrever e espera um dia aprender como se faz isso. Já colaborou com algumas revistas e sites especializados em rock e heavy metal, mas tem o Whiplash no coração (sem demagogia, mas quem sabe assim o JPA me manda mais promos...). Amante de heavy metal há 15 anos, gosta de ser qualificado como eclético, mesmo que isto signifique ter que ouvir um pouco de Poison para diminuir o zumbido no ouvido depois de altas doses de metal extremo.

Mais matérias de Sílvio Costa.