Resenha - Rainy Days of October - Venin Noir

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar Correções  

8


Para quem afirmava que o Rio de Janeiro não é celeiro de boas bandas, que a cena heavy carioca é fraca e relegada a segundo plano, bandas como o Venin-Noir surgem para provar o contrário. Formado em 2001, este sexteto nos apresenta seu primeiro trabalho "Rainy Days of October", defendendo a bandeira do Doom e do Gothic Metal. O próprio título já deixa no ar: o que existe nos dias chuvosos de outubro?

Linkin Park: Mike Shinoda fala como Chester se sentia

Andreas Kisser: os álbuns que marcaram o guitarrista

Uma rápida e competente intro e a resposta vem na quase deprê "Naught Elegy":uma mente humana, perturbada e confusa. Uso o termo quase deprê porque a música muda de andamento e o uso de coros dá a mesma um positivismo muito interessante. Teclados bem colocados dão início a "Damsel of Grief",mais chegada ao metal, com belos riffs, transitando do heavy tradicional ao trash, e com os vocais competentíssimos de Larissa Frade, que dá um show a parte. O clima deprê volta na cadenciada e emotiva "Desperanter", aonde os coros são muito bem colocados e o vocal de Larissa como sempre se sai perfeito.

Falar que a banda é apenas gótica ou doom metal é um erro ao ouvir esse cd. A preocupação de diversificar estilos transformou algumas músicas, como "Reap the Grind", que em alguns momentos chega a evocar o prog-metal, com mudanças de andamento muito bem executadas, e a quase trash "Buried Alive" (de longe a melhor do cd) aonde Larissa mescla seu estilo lírico com um vocal mais direto. Outra música que merece uma boa audição é a belíssima balada "A Deeper Gray", com seus climas atmosféricos e o belo trabalho da banda como um conjunto. As músicas têm como tema os diversos estados da mente humana, criando um conceito que as une, mas que não pode exatamente dizer que trata-se de um cd conceitual.

A única coisa que poderia ser apontada como uma falha neste cd é o excesso de cuidado. As composições em alguns momentos soam pomposas demais, cheias de detalhes no instrumental. Tal fato faz com que a audição do cd se torne um tanto quanto cansativa. Mesmo apresentando belos petardos, uma excelente vocalista e uma banda de alto nível, o Venin Noir poderia incluir momentos mais diretos e músicas mais curtas, para equilibrar a audição e tornar o cd mais agradável. O vocal masculino de Pedro Santos é pouco usado e poderia ser bem mais aproveitado, complementando o excelente trabalho de Larissa.

Uma grande estréia e um belo cd. A banda pode produzir ainda mais, se lapidar seu estilo, e fatalmente será um dos nomes do heavy nacional. Parabéns aos cariocas!

Site oficial: www.venin-noir.com.br

Line Up:
Larissa Frade – Vocais
Rodrigo Campilho – Vocais
Bruno Coelho – Vocais
Pedro Santos – Guitarras
André Dias – Bateria
Letícia Figueiredo e João Carlos Blizianzi - Teclados

Material Cedido Por:
Hellion Records
http://www.hellionrecords.com.br
São Paulo (SP)




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Linkin Park: Mike Shinoda fala como Chester se sentiaLinkin Park
Mike Shinoda fala como Chester se sentia

Andreas Kisser: os álbuns que marcaram o guitarristaAndreas Kisser
Os álbuns que marcaram o guitarrista


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin