Matérias Mais Lidas

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemSentado em cadeira de rodas, Paul Di'Anno faz primeiro show em sete anos

imagemRoger Daltrey revela a música "amaldiçoada" que o The Who não toca mais ao vivo

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemOzzy Osbourne diz que está bem aos 73 anos, mas sabe que sua hora vai chegar

imagemAndre Matos sempre foi de esquerda e reprovaria governo atual, diz irmão do maestro

imagemDo Ozzy ao Slayer: veja os momentos mais metal do desenho South Park

imagemAngra: Quantos shows seguidos a voz aguenta sem restrições? Fabio Lione responde

imagemSyd Barrett em 1967 analisando os principais singles lançados em julho

imagemLars Ulrich diz que shows do Metallica na América do Sul foram incríveis

imagemA visão de Arnaldo Antunes sobre sua timidez no período da adolescência

imagemDaniel Cavanagh, do Anathema, sobrevive a tentativa de suicídio

imagemOzzy Osbourne dá sua opinião sobre o streaming e dispara contra Spotify; "É uma piada"

imagemComo CDs e MP3s decepcionaram Jimmy Page

imagemKiko Loureiro defende surgimento de banda que seria "Greta Van Fleet do Iron Maiden"


Stamp

Resenha - Rainy Days of October - Venin Noir

Por Rafael Carnovale
Em 10/02/03

Nota: 8

Para quem afirmava que o Rio de Janeiro não é celeiro de boas bandas, que a cena heavy carioca é fraca e relegada a segundo plano, bandas como o Venin-Noir surgem para provar o contrário. Formado em 2001, este sexteto nos apresenta seu primeiro trabalho "Rainy Days of October", defendendo a bandeira do Doom e do Gothic Metal. O próprio título já deixa no ar: o que existe nos dias chuvosos de outubro?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Uma rápida e competente intro e a resposta vem na quase deprê "Naught Elegy":uma mente humana, perturbada e confusa. Uso o termo quase deprê porque a música muda de andamento e o uso de coros dá a mesma um positivismo muito interessante. Teclados bem colocados dão início a "Damsel of Grief",mais chegada ao metal, com belos riffs, transitando do heavy tradicional ao trash, e com os vocais competentíssimos de Larissa Frade, que dá um show a parte. O clima deprê volta na cadenciada e emotiva "Desperanter", aonde os coros são muito bem colocados e o vocal de Larissa como sempre se sai perfeito.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Falar que a banda é apenas gótica ou doom metal é um erro ao ouvir esse cd. A preocupação de diversificar estilos transformou algumas músicas, como "Reap the Grind", que em alguns momentos chega a evocar o prog-metal, com mudanças de andamento muito bem executadas, e a quase trash "Buried Alive" (de longe a melhor do cd) aonde Larissa mescla seu estilo lírico com um vocal mais direto. Outra música que merece uma boa audição é a belíssima balada "A Deeper Gray", com seus climas atmosféricos e o belo trabalho da banda como um conjunto. As músicas têm como tema os diversos estados da mente humana, criando um conceito que as une, mas que não pode exatamente dizer que trata-se de um cd conceitual.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

A única coisa que poderia ser apontada como uma falha neste cd é o excesso de cuidado. As composições em alguns momentos soam pomposas demais, cheias de detalhes no instrumental. Tal fato faz com que a audição do cd se torne um tanto quanto cansativa. Mesmo apresentando belos petardos, uma excelente vocalista e uma banda de alto nível, o Venin Noir poderia incluir momentos mais diretos e músicas mais curtas, para equilibrar a audição e tornar o cd mais agradável. O vocal masculino de Pedro Santos é pouco usado e poderia ser bem mais aproveitado, complementando o excelente trabalho de Larissa.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Uma grande estréia e um belo cd. A banda pode produzir ainda mais, se lapidar seu estilo, e fatalmente será um dos nomes do heavy nacional. Parabéns aos cariocas!

Site oficial: www.venin-noir.com.br

Line Up:
Larissa Frade – Vocais
Rodrigo Campilho – Vocais
Bruno Coelho – Vocais
Pedro Santos – Guitarras
André Dias – Bateria
Letícia Figueiredo e João Carlos Blizianzi - Teclados

Material Cedido Por:
Hellion Records
http://www.hellionrecords.com.br
São Paulo (SP)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale.