Resenha - Aria's Kingdom - Spirit Heaven

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Após a demo "Wake up and Fight" de 1999, os paulistas do Spirit Heaven nos brindam com seu primeiro cd, Aria's Kingdom. Lançado em 1991, o mesmo nos mostra um power metal influenciado por bandas germânicas (Helloween, Grave Digger) e ao mesmo tempo com muitas características de bandas mais atuais (Stratovarius, Hammerfall). Não soa como cópia, como alguns poderiam achar, mas sim como boa inspiração.

Legião Urbana: Eduardo e Mônica, uma análise psico-neuróticaSlayer: Kerry King fala sobre sua relação com religiões

O cd conta a história do reinado da maléfica Aria, desde seu surgimento, até sua queda. Uma história bem contada, com letras bem elaboradas, realmente criando um conceito a ser interpretado. O cd já abre com a faixa que dá nome à banda, que pode ser facilmente comparada a "Black Diamond" (Stratovarius), tanto pelo seu teclado do início como pela pancadaria speed que vem a seguir. Logo depois vem a pesadíssima "Wake up and Fight", seguida da cativante "The Return".

De cara podemos notar uma característica: a banda investe nos sons complexos e bem elaborados, com músicas bem longas (a maioria beira os 5 minutos) e com muitas mudanças de andamento e riffs complexos com solos muito bem inseridos. "Aria (The Legacy of Heaven)" é uma prova concreta, sendo a união de riffs rápidos, uma bateria muito virtuosa e agressiva ao mesmo tempo, e um vocal bem colocado, com influências diretas de Michael Kiske e Biff Bryford (Saxon). A banda também traz momentos mais calmos, como a bela balada "Bring Back my Crown" e a épica-medieval "Black Roses", de longe um dos destaques do cd, junto com a power anos 80 "The Blessing Way", que com sua levada contagiante, é de longe a melhor do cd. Os teclados estão inseridos de maneira discreta, sendo um excelente ponto para reforçar o clima épico da história. O cd fecha com o final da história, a bela "Your Nightmare is Over". E já que falamos de reinado, nada melhor que uma bônus track REAL: "Princess of the Night" do Saxon, que encerra o cd. O único senão fica para a produção, que poderia ser melhor, mas a banda está de parabéns pelo primeiro cd. Que venha o próximo reinado!

Line Up:

Rodrigo Jota - Guitarra
André Pozzobom - Baixo
Samuel Bacci - Guitarra
Paulo Braz - Vocal
Guilherme Gaspar - Bateria

Site oficial: www.spirit-heaven.cjb.net

Material cedido pela:

Megahard Records
http://www.megahard.com.br




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Spirit Heaven"


Legião Urbana: Eduardo e Mônica, uma análise psico-neuróticaLegião Urbana
Eduardo e Mônica, uma análise psico-neurótica

Slayer: Kerry King fala sobre sua relação com religiõesSlayer
Kerry King fala sobre sua relação com religiões

Rock In Rio I: Pra quem tem menos de quarenta anos fica difícil imaginarRock In Rio I
Pra quem tem menos de quarenta anos fica difícil imaginar

Woodstock: som ruim, gente demais e cheiro de fezes e urinaWoodstock
Som ruim, gente demais e cheiro de fezes e urina

G.G. Allin: o extremo dos extremosG.G. Allin
O extremo dos extremos

Vinnie Vincent: músico fala sobre os processos contra o KissVinnie Vincent
Músico fala sobre os processos contra o Kiss

Joey Jordison: Nunca serei tão bom quanto Lars UlrichJoey Jordison
"Nunca serei tão bom quanto Lars Ulrich"


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336