Resenha - closure:live - Theatre of Tragedy

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar Correções  

8


Site Oficial – http://www.theatreoftragedy.com

publicidade

Liv Kristine (Vocais)
Raymond I. Rohonniy (Vocais)
Frank Claussen (Guitarra)
Vegard K. Thorsen (Guitarra)
Lorentz Aspen (Teclados)
Hein Frode Hansen (Bateria)

É difícil compreender a metodologia e as idéias usadas pelo Theatre Of Tragedy para atingir e mexer com seus fãs. Estes noruegueses parecem viver num choque de identidade tremendo, mas que inegavelmente surte efeito, tirando-os da sombra de qualquer outra banda, e garantindo, por vezes, o lançamento de trabalhos que acabam por virar referência, pelo alto nível de originalidade e competência dentro de seus propósitos.

publicidade

Depois das mudanças radicais de "Musique" (2000), e na expectativa de "Assembly" (2002) - disco já revisado no Whiplash! e também de estilo eletrônico -, era de se esperar tudo de um ao vivo do grupo, menos algo tão balanceado e coerente com as raízes dos áureos anos (1994 – 1998), quando houve a conquista de admiradores de uma vertente bem diferente à qual estão acostumados a praticar hoje Liv Kristine, Raymond I. & cia.

publicidade

"closure:live" foi gravado no Metal Mania Festival em 2000, e agrada pela excelente qualidade sonora. O set / track list chega próximo à completude, não a alcançando apenas pelo terrível remix de "Black As The Devil Painteth" e pelo foco excessivo nas passagens menos raivosas do grupo, o que acaba deixando um toque repetitivo implícito.

Além da faixa supracitada, temos nove músicas, sendo cinco delas retiradas de "Aégis" (1998), mais duas de "Velvet Darkness They Fear" (1996), uma do debute auto intitulado de 1995, e "Der Spiegel", presente na versão brasileira deste último citado, porém proveniente na verdade, do Mini-CD "A Rose For The Dead" (1997).

publicidade

Boa parte do material apresentado neste ao vivo chega a ir além do que fora apresentado nas tiragens originais de estúdio. Os seguidores do norteamento robótico adotado atualmente pela banda só deverão se satisfazer com uma ou outra faixa. Já aqueles que apreciam a fase ‘humana’ do Theatre Of Tragedy, vão à desforra, podendo matar a saudade de antigos clássicos.

publicidade

Material cedido por:
Hellion Records – http://www.hellionrecords.com
Rua Dr. João Maia, 199 – Aclimação
CEP: 04109-130 - São Paulo / SP - BRASIL
Tel: (0xx11) 5539-7415 / 5083-2727 / 5083-9797
Fax: (0xx11) 5083-3077
Email: [email protected]

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Liv Kristine: Fui forçada a deixar o Theatre of TragedyLiv Kristine
"Fui forçada a deixar o Theatre of Tragedy"

Tommy Lindal: os álbuns que marcaram o guitarristaTommy Lindal
Os álbuns que marcaram o guitarrista


G.G. Allin: o extremo dos extremosG.G. Allin
O extremo dos extremos

Rob Halford: Ninguém escolhe ser GayRob Halford
"Ninguém escolhe ser Gay"


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin