Resenha - Acqua - Frank Solari

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo
Enviar correções  |  Ver Acessos


Finalmente, depois de muito anunciado, sai o novo trabalho de Frank Solari, entitulado simplesmente Acqua, elogiadíssimo por mestres como Bob Dylan e Stanley Jordan. Verdade seja dita: demorou, mas a espera valeu mesmo a pena, pois esse é o melhor trabalho de Frank de toda sua carreira!

Separados no nascimento: Paul McCartney e Kiko do ChavesHeavy Metal: o Diabo e personagens bíblicas nas capas

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Como em seus trabalhos anteriores, aqui Frank passeia por diversos estilos musicais, e é claro, a guitarra rock, mas sem nunca cair na mesmice. Novamente temos um trabalho totalmente diferente dos anteriores, e muito mais maduro, cheio de belas e boas canções. Nesse disco, Frank ainda conta com algumas participações inusitadas, como Pepeu Gomes e Roberto Frejat (ele mesmo, um dos dinossauros do rock nacional, do Barão Vermelho!), entre muitas outras, como já era de se esperar.

O disco já começa com tudo, com a excelente "Catu". Sua intro contagiante já acerta de cara, uma mistura de rock com nosso famoso maracatú, resultando novamente em algo impressionante, inusitado e inovador! Não é a toa que eu acho Frank o melhor guitarrista brasileiro da atualidade! A seguir, aquilo que eu acho a mais bela composição de sua carreira, a viajante e maravilhosa faixa-título "Acqua". Não é possível! Há tempos que eu não via alguém tão criativo quanto Frank! Simplesmente maravilhosa, a guitarra viajante percorre sonoridades que me fazem sentir em estado de graça! E que maturidade musical, que feeling absurdo, sem falar a técnica, Frank inovou mais uma vez, e dá uma aula de harmônicos!

A seguir temos "Lucky Girl", com a participação mais do que especial de Pepeu Gomes, figura de muita importância na música brasileira, fazendo dueto com Frank na guitarra, um jazz/blues de primeiríssima! Depois temos a excelente "Tindum", onde mais uma vez Frank demonstra muita versatilidade, misturando funk e maracatú, com um resultado muito bom, sempre explorando novos campos! Roger Solari capricha nos slaps, enquanto Frank e Carlos Martau mandam muito bem na guitarra e na guitarra "krika".

"Na Pressão" é um alucinante jazz rock com André Gomes nos baixos, e o trio acelerando o ritmo e dando um show de instrumentação. Em seguida, o chorinho "Estrela, Estrela", com a breve, porém notável participação de Renato Borghetti tocando acordeon. Linda música com um show de sentimento e musicalidade!

A seguir, a ótima cover instrumental de "Going To California" do Led Zeppelin, com a participação de Roberto Frejat no violão, ambos, Frejat e Frank muito bem sintonizados e inspirados, sendo bem fiéis à versão original. O violão sublime de Frejat faz as bases de Jimi Page enquanto as letras de Robert Plant ecoam nas cordas de Frank de maneira muito inspirada! Dá até pra começar a cantar! Tenho que confessar, não curto muito a carreira solo de Frejat, mas aqui ele simplesmente se superou! Page e Plant se orgulhariam!

Depois dessa maravilhosa cover, temos mais uma vez a participação de Pepeu Gomes com Frank, e ainda com ambos assinando a excelente southern rock "Move It Up!", realmente, espetacular! Aqui Frank divide os solos com Pepeu, num dueto excelente! Grande música!

Em seguida, os irmãos Solari sozinhos mandam bem novamente com a boa "Luna", onde Frank comanda guitarra e teclado, e Roger fica com baixo, teclado e programação de sampler, resultando numa boa composição, com uma batida bem agradável. A seguir a boa "Cálculo Renal" (não me pergunte o porque desse nome!), com participação de Vitor Peixoto, mandando bem nos teclados e sinths, e a banda quebrando tudo em mais esse excelente jazz fusion, seguida por mais uma ótima jazz fusion mais acelerada, "Sintonia", com Eduardo Penz mandando bem no baixo, e Frank e Michel Dorfman fazendo um excelente dueto na guitarra e nos teclados. "Abertura" é um jazz choro muito bem trabalhado, com mais uma participação, Pedro Tagliani na guitarra acústica.

Para finalizar, a introspectiva e inspiradíssima "Bosque Das Águas", com carlos Martau mais uma vez na guitarra "krika". Essa música te faz pensar em lugares distantes, onde a água é cristalina, uma espécie de terra sagrada, onde as almas cansadas descansam. Tudo a ver, pois essa bela canção é um belo descanso depois da pauleira que foi esse disco, fechando com chave de ouro.

Frank Solari se supera mais uma vez com esse novo lançamento, e mostra que ainda tem muito que queimar pela frente. Como sempre, um trabalho bem versátil e eclético, onde o que vale, não é a técnica, não é o saber tocar um único estilo, e sim, a criatividade, o sentimento, a sintonia musical, resultando em belíssimas composições. Para as pessoas de mente aberta que curtem ouvir um bom som, novamente sem se importar com rótulos, Acqua é um prato cheio! Uma verdadeira obra-prima de um dos melhores guitarristas e músicos da atualidade.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por escolha do autor os comentários foram desativados nesta nota.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Frank Solari"


Separados no nascimento: Paul McCartney e Kiko do ChavesSeparados no nascimento
Paul McCartney e Kiko do Chaves

Heavy Metal: o Diabo e personagens bíblicas nas capasHeavy Metal
O Diabo e personagens bíblicas nas capas


Sobre Ricardo

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adClio336|adClio336