Resenha - Infinite Abyssal - Distraught

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar Correções  

7


O metal em suas vertentes mais pesadas vem ganhando um espaço impressionante no Brasil. Falar que a cena está crescendo pode ter lá sua verdade, mas o fato é que ela já existia e com ótimas bandas por todo o país. Como sempre, e assim dificilmente deixará de ser, quando um determinado conjunto se destaca ou é descoberto num ano, subseqüentemente temos o preenchimento do ‘palco’. É o que vemos com o Krisiun que REABRIU as cortinas para death, black, e até mesmo thrash, e para que grupos talentosos como o Distraught pudessem se reanimar.

publicidade

"Infinite Abyssal" é o segundo álbum lançado pelos gaúchos; uma paulada do início ao fim. Thrash atormentador, trabalhado principalmente pela diversificação nos riffs e quebradas nos compassos bem boladas e ministradas por uma bateria pesadíssima. É importante ressaltar que o batera que, apesar de estar na formação transcrita no encarte do CD, Éverson Krantz não foi o batera que gravou as faixas. Ele está atualmente com a banda, mas o responsável pelas baquetas por aqui foi Tiago Moreira, e que excelente atuação!

publicidade

Os seguidores que conheceram o Distraught logo no início de carreira, há treze anos atrás, em fevereiro de 1990 mais exatamente, vão encontrar um lado death acentuado como nunca dantes.

O resultado remete ao bom e velho Sadus, principalmente nas músicas mais irritadiças e inquietantes - instrumentalmente falando - como "Removing The Rubbish", "Tufão", "Science, Phylosophy and Religion" e a faixa título.

publicidade

A gravação infelizmente não é das melhores. Aparentemente o grupo fez o que pôde na mixagem e até deu uma arrumada, mas alguns timbres soam estranhos, e há um certo embolo especialmente em algumas passagens das guitarras. De qualquer maneira, é um disco bom e mostra que Marcos Pinto e seus companheiros já superaram o debute "Nervous System" e têm tudo para repetir a melhoria em relação ao álbum precedente no próximo lançamento que estão para fazer.

publicidade

Site Oficial – http://www.distraught.com.br

Formação:
André Meyer (Vocal)
Marcos Pinto (Guitarra)
Ricardo S. Silveira (Guitarra)
Gustavo Stuepp (Baixo)
Tiago Moreira (Bateria)

Material cedido por:
Encore Records – http://www.encorerecords.com.br
DISTRAUGHT – Av. Nestor de Moura Jardim,
Bairro Colina – Guaíba / RS – BRASIL
CEP: 92500-000
Telefone / Fax: (51) 480-1073
Email: [email protected]

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metallica: a capa do Death Magnetic lembra uma vagina?Metallica
A capa do "Death Magnetic" lembra uma vagina?

Deep Purple: O relacionamento de Gillan com Ritchie, Satriani, Coverdale e HughesDeep Purple
O relacionamento de Gillan com Ritchie, Satriani, Coverdale e Hughes


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin