Johnny Cash: drogas, amigos e aprendizado

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fotoboard Tramparia, Fonte: Autobiografia Johnny Cash
Enviar correções  |  Ver Acessos

JOHNNY CASH teve uma das piores experiência da vida quando criança.

Durante uma briga na escola, levou a pior em luta no solo com o Paul East.

JOHNNY CASH conta o desenrolar da história, destacando o perigo das drogas e da violência, no trecho retirado do livro A Autobiografia de JOHNNY CASH, escrito junto com Patrick Carr, um amigo intelectual e menos violento que Paul East.

Local de Publicação: São Paulo | Ano: 2013 | Páginas: 280 | Editora: Leya | Capa: Mateus Valadares | Foto de Capa: David Gahr/Getty Images.

Lembro claramente da primeira droga psicoativa que entrou no meu corpo.

Quando eu era garoto, provavelmente quando tinha onze anos, estava na escola lutando com um amigo, Paul East.

Paul era um cara grande, com pés grandes e que usava grandes sapatos rústicos, e, no processo de rolarmos um por cima do outro, o solado do sapato dele me pegou na lateral e quebrei uma costela.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

No início doeu muito, mas depois de algum tempo não senti mais nada e nem fazia ideia de que minha costela estava quebrada isto é, até acordar no meio da noite.

Virei-me e a costela acabou se quebrando em duas partes, ou se estilhaçou, e estava espetando meu pulmão. A dor era terrível; gritava toda vez que respirava.

Meu pai amarrou as mulas, me enrolou em cobertores e travesseiros, me colocou na charrete e me levou até o hospital de Dyess, ao velho doutor Hollingsworth, a quatro quilômetros dali.

Eu já não berrava mais ao respirar, porque estava fazendo o possível para evitar os gritos; mas a dor era lancinante, pior do que qualquer coisa que já tivesse sentido.

O doutor Holingsworth deu uma olhada rápida e se pôs a trabalhar. "Bem, vamos acabar com isso, e rápido", ele disse, e me deu uma injeção que acabou com a dor assim que a agulha entrou.

Não só isso, comecei a me sentir muito bem. "É o que a morfina faz", o doutor Hollingsworth disse; funcionava bem.

Eu pensei: "Cara, isto é demais. É a melhor coisa do mundo, te faz sentir tão bem mesmo quando você está com muita dor. Vou ter que experimentar um pouco mais algum dia".

Estranhamente, porém, não pensei nisso de novo até muitos anos mais tarde, quando me deram morfina após uma cirurgia. Daí me lembrei de como era bom, e algum tempo depois começou a ser um problema.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E, como já disse antes, todas as drogas psicoativas carregam em si um demônio chamado Engano. Você pensa: "Se é tão ruim, por que a sensação é tão boa?". Costumava dizer a mim mesmo: "Deus criou isto; tem de ser a melhor coisa do mundo".

Mas é como aquele velho ditado sobre o bêbado: começa bebendo a garrafa, depois a garrafa começa a bebê-lo. A pessoa começa a consumir drogas, mas depois as drogas começam a consumir a pessoa. Foi o que aconteceu comigo.

Tomei minha primeira anfetamina, um pequeno comprimido branco de benzedrina marcado com uma cruz, em 1957, quando estava em turnê com FARON YOUNG e FERLIN HUSKY, e adorei.

Aumentava a minha energia, me deixava mais esperto, acabava com a minha timidez, melhorava o meu timing, me deixava ligado como uma lâmpada elétrica. Descrevi esse novo mundo que se abria para mim em Man in Black.

Com todas as viagens que tinha de fazer, quando chegava numa cidade, cansado, acabado, aqueles comprimidos me animavam e me deixavam com muita vontade de fazer um show... Aqueles comprimidos brancos eram apenas uma variedade de uma dúzia ou mais de formas e tamanhos... Eles as chamavam de anfetaminas, dexedrina, benzedrina e dexamyl.

Havia um monte de nomes legais para enfeitá-los, e eles vinham em todas as cores. Se você não gostasse de verde, poderia consegui-los em laranja. Se não gostasse de laranja, poderia consegui-los em vermelho.

E se realmente queria se comportar como se a coisa fosse ficar sinistra, poderia consegui-los em preto. Os pretos podiam te levar ida e volta até a Califórnia, sem dormir, num Cadillac '53.

E assim foi. A jornada até o vício tem sido descrita com tanta frequência por tantas pessoas em anos recentes que não creio que um relato pormenorizado de meu caminho particular possa servir a algum propósito.

Talvez no fim dos anos 1950 ou no início dos 1960 pudesse ter sido útil. Mas agora é apenas uma história entre muitas; os detalhes são diferentes, mas o padrão, os passos, a progressão, são os mesmo que os de qualquer outro viciado.

Essa matéria faz parte da categoria Trecharias BioRockers e da Biblioteca Cifranegriana - Portalblog cifranegramisterial.com.

Contracapa da autobiografia de JOHNNY CASH, escrita junto com o amigo Patrick Carr, jornalista especializado em música country.

Coleção Cifranegriana: Seu Cifro vestido com a camiseta do JOHNNY CASH, adquirida na loja Memphis Shop, lendo a autobiografia do "João Grana".

Faixa 1: Orange Blossom Special | Álbum: Orange Blossom Special (1965) | JOHNNY CASH | Gravadora: Columbia Records | Produtor: Don Law

Faixa 2: Solitary Man | Álbum: American III: Solitary Man (2000) | JOHNNY CASH | Gravadora: American Records | Produção: Rick Rubin e John Carter Cash

Faixa 11: Wildwood Flower | Álbum: Orange Blossom Special (1965) | JOHNNY CASH | Gravadora: Columbia Records | Produtor: Don Law




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Johnny Cash"


Johnny Cash: drogas, amigos e aprendizadoJohnny Cash
Drogas, amigos e aprendizado

Gibson: os 50 melhores covers da história do rockGibson
Os 50 melhores covers da história do rock


Cachês: nova lista revela quanto embolsam astros do Rock e MetalCachês
Nova lista revela quanto embolsam astros do Rock e Metal

Nikki Sixx: transei com a mulher do Bruce DickinsonNikki Sixx
"transei com a mulher do Bruce Dickinson"


Sobre Fotoboard Tramparia

Fotógrafo artístico que registra e cria cenários com objetos ligados a cultura pop/rock, como CDs, livros, camisetas etc. Edita textos, fotos e divulga bandas no Portalblog cifranegramisterial.com. Desde os tempos de guri, ouve Led Zeppelin, The Cult, Rush, AC/DC, Iron Maiden, Guns N' Roses, Alice In Chains, entre outras inúmeras lendas do rock/metal. Toca piano e teclado, pratica esportes e está sempre em busca de energia rock and roll e da natureza.

Mais matérias de Fotoboard Tramparia no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280