AC/DC: Os detalhes da produção do histórico Back in Black

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Bellucci, Fonte: ACDC Brasil
Enviar correções  |  Ver Acessos

Perder um amigo, um parceiro nunca é fácil, nada fácil. A questão essencial, quando isso ocorre, é achar um meio, um caminho de seguir em frente, transformando a dor em algo que eleve os nossos pensamentos novamente em direção à vida. E isso não é tão simples, meu chapa.

Rockstars: as esposas mais lindas do rock - 1ª parteHeavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1992

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Esse foi o drama pelo qual o ACDC teve que passar no início do ano de 1980. Bon Scott se foi. O impacto da perda de Bon sobre a banda foi enorme. O próprio futuro da banda, em certo sentido, era colocado na pauta. Seria possível existir o ACDC sem Bon Scott?. Essa era a pergunta que muitas pessoas fizeram na época. E fazia sentido se perguntar sobre isso.

Bon era um elemento central na banda. Não era apenas a voz do ACDC, era parte da alma do ACDC, compunha, era o cara de atitude no palco, e fora dele. Como continuar, seguir em frente?. Se existe algo que não podemos nos questionar é fato de os irmãos Young serem caras de muita tenacidade, algo que eles tem de sobra, logo, continuar era algo presente no seu DNA, em sua atitude, além do fato de que continuar seria a melhor forma de homenagear bom.

Era preciso, no entanto, encontrar uma nova voz para o ACDC, friso bem isso, uma nova voz, pois a de Bon era única. Em um processo de escolha que envolveu muito do emocional, a banda decidiu-se por Brian Johnson. Dono de uma personalidade diversa, Brian teria um enorme um enorme desafio pela frente. Esse desafio começou com o seu trabalho em Black in Black.

A pequena entrevista abaixo nos dá uma medida do tamanho do desafio que Brian teve de enfrentar:

Um desafio que enfrentar foi criar letras que se "encaixassem" em muitos dos conceitos já desenvolvidos pelos rapazes anteriormente. Parte do conceito do álbum já havia sido desenvolvido. E Brian se entregou a tarefa com maestria e garra. O resultado, como sabermos hoje, foi arrasador.

Na entrevista abaixo, temos uma visão bem pessoal sobre o resultado do trabalho da banda:

Outro fator que pesou muito para o sucesso do álbum foi a contratação do produtor Mutt Lange. Lange consegui integrar a voz de Brian com o som dos rapazes de forma não apenas rápida, mas mágica, profundamente mágica. Os caras pareciam se conhecer faz tempo!

Gravado em um estúdio nas Bahamas, entre abril a maio de 1980, Back in Black não apenas levou o ACDC de volta ao topo das paradas, não apenas fez história, foi a mais bela e profunda homenagem que a banda poderia fazer ao seu amigo e parceiro, Bon Scott. Estamos de volta do luto, baby.

E para fechar, como não poderia deixar de ser, o álbum possui uma bela homenagem a Bon, na faixa "Have A Drink on Me", trazendo inúmeras referências ao jeito de ser do lendário vocalista:

Longa vida ao Rock!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por escolha do autor os comentários foram desativados nesta nota.


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "AC/DC"


Billboard: As bandas mais bem pagas desde 1990Billboard
As bandas mais bem pagas desde 1990

Slash: ele estava cético sobre Axl Rose no AC/DC, mas gostou da uniãoSlash
Ele estava cético sobre Axl Rose no AC/DC, mas gostou da união


Rockstars: as esposas mais lindas do rock - 1ª parteRockstars
As esposas mais lindas do rock - 1ª parte

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1992Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1992


Sobre Ricardo Bellucci

Math teacher, pesquisador, vocalista frustrado, historiador amador e economista por acaso. Um eterno aprendiz.

Mais matérias de Ricardo Bellucci no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor