Raízes longínguas: origens das paixões de nossos ídolos

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Contrera
Enviar correções  |  Ver Acessos

Quando eu trabalhava numa editora técnica, tinha uma ideia fixa: conhecer o ambiente mais amplo de onde eu havia nascido (o Chile). Isso levou-me a visitar, com minha esposa, o Uruguai, a Argentina, o próprio Chile, o Peru e o Equador, pesquisando, além de livros, músicas locais. Eu queria conjugar o rock, que era minha grande paixão, com a música andina, patagônica, e folclórica de forma geral. Ainda tenho o charango que comprei em Otavalo, no Equador, e o cavaco que comprei na época, tentando entender o samba de forma geral.

R.E.M.: banda é dona da faixa que mais faz o homem chorarÓdio musical: os artistas mais detestados em lista da Spinner

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Eles gostam de fuçar

Ocorre que, assim como eu, muitos de nossos ídolos foram atrás de origens. E com base nisso fizeram suas obras. Claro, eu não fiz ainda nada de tudo o que pesquisei. Mas eles, sim, eles fizeram. Eu sempre soube disso, e por isso nunca hesitei em abandonar o rock, quando ele não pegava bem em mim, e começava a pesquisar em outros gêneros. Isso aconteceu antes do meu período de viagens, quando naveguei pelo blues, em especial pela leva de caras até hoje relevantes das décadas de 60 a 80, e pelo jazz, aqui embarcando nos clássicos mais antigos, e mais aproximados à era das Big Bands (delas, eu pesquisei pouco).

Ídolos que fuçam

Falarei agora algo sobre alguns de nossos ídolos, e de como navegaram por origens que lhes diziam mais respeito. As informações que divulgarei aqui não são inéditas, de forma alguma, nem pretendem sê-lo. São apenas um link para compilações que cada um deve fazer, por si só, e para reflexões que precisamos fazer, caso queiramos utilizar a música para nos aproximarmos ainda mais de nós mesmos.

Eric Clapton

Hoje, o nosso querido bluesman é pego pescando ou andando em cadeira de rodas. Mas houve uma época em que Clapton queria algo mais, naquele rock que despontava, e que encontrava bem longe, no distante blues dos negros (especialmente). Seria um contrasenso eu me meter a entrar nos alfarrábios do blues, aqui, mas cumpre ao citar o nosso querido músico aposentado sua fixação por um sujeito que deixou quase mais lenda que obra: Robert Johnson. Se não me engano, é Clapton que até hoje repete o mantra: o Bob é o maior. Para alguns, como eu, parece difícil apurar essa informação. Mas é algo a ser levado em conta. Não à toa Clapton é até hoje um dos maiores do rock - e também do blues, do seu jeito muito particular.

Ritchie Blackmore

Aqui no Whiplash, o ex-Purple e ex-Rainbow aparece mais por meio de notas que falam do seu jeito chato ou de suas tretas com o Gillan e muitos outros. Mas para mim isso realmente não tem muita importância. Lembro dele da época do Purple e aparecem-me boas lembranças. Mas realmente ele me causa algo a mais quando vejo como soube transformar uma fixação (pela música renascentista e medieval de suas paragens) em algo diferente, o Blackmore's Night. Não que aprecie demais suas viagens com sua esposa. Considero-o mais um diluidor, com o Ezra Pound classifica os artistas de literatura, um sujeito que apostou em algo mas que não acrescentou nada de eminentemente novo. Mas só o fato de ter tentando já me motiva a citá-lo.

John Zorn

Cito aqui um sujeito de outra área, o jazz. Mas cito-o por vários motivos. John Zorn, em primeiro lugar, é um saxofonista de boa cepa. Mas se ele se limitasse apenas a isso seria pouco. John Zorn é um sujeito, na casa dos 60 anos atualmente, que encontrou para si um lugar no jazz experimental. Mas um sujeito curioso, que pegou inspirações nos quadrinhos (os Looney Tunes o embalavam na infância, assim como a mim), nos filmes (especialmente os faroestes e as suas trilhas), e na música judaica (numa pegada que não me atrai tanto). Zorn hoje navega, entre Nova Iorque, Tóquio e a Europa, fazendo o que pode, em boas companhias, e por isso vale a pena ser citado aqui. Até para quem não o conhecia.

Marty Friedman

Já escrevi no Whiplash até bastante sobre este guitarrista que me agrada tanto. Ocorre que, para além de sua presença no Cacophony, de sua carreira solo, e de seu envolvimento com o Megadeth, onde é até hoje lembrado, o Marty tem uma fixação muito clara por outro tipo de música, que não tem a ver com suas origens norte-americanas: a japonesa. Isso fica claro desde que, ao ter saído do Megadeth, começou a apostar num lirismo que o faz girar o mundo rumo a um mercado que gosta tanto dele. Noto que, em sua pegada japonesa, ele também faz jus ao karatê que fiz (e no qual cheguei à faixa roxa) e ao fato de ter casado com uma japonesa por 11 anos. Porque no Marty algo parece meio deslocado, realmente. Algo que o faz soar diferente, de uma forma que tanto me agrada.

Paro por aqui neste breve artigo em que meto-me a mostrar a vocês algo de novos horizontes musicais pelos quais nossos ídolos navegam há muito tempo. E para que paremos de ser tão acirrados em nossas opiniões rasteiras sobre paixões que sempre se tornam o que se tornam por ultrapassarem fronteiras.
Até mais!

PS. Tenho andado muito ocupado, então não consigo mais escrever tão longamente quanto outrora.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Blackmores Night"Todas as matérias sobre "Eric Clapton"Todas as matérias sobre "Marty Friedman"


Stones, Led, Nazareth e outros: rockers que já gravaram ReggaeStones, Led, Nazareth e outros
Rockers que já gravaram Reggae

Top 10 Guitarristas: matéria empolgada no Jornal da GloboTop 10 Guitarristas
Matéria empolgada no Jornal da Globo


R.E.M.: banda é dona da faixa que mais faz o homem chorarR.E.M.
Banda é dona da faixa que mais faz o homem chorar

Ódio musical: os artistas mais detestados em lista da SpinnerÓdio musical
Os artistas mais detestados em lista da Spinner


Sobre Rodrigo Contrera

Rodrigo Contrera, 48 anos, separado, é jornalista, estudioso de política, Filosofia, rock e religião, sendo formado em Jornalismo, Filosofia e com pós (sem defesa de tese) em Ciência Política. Nasceu no Chile, viu o golpe de 1973, começou a gostar realmente de rock e de heavy metal com o Iron Maiden, e hoje tem um gosto bastante eclético e mutante. Gosta mais de ouvir do que de falar, mas escreve muito - para se comunicar. A maioria dos seus textos no Whiplash são convites disfarçados para ler as histórias de outros fãs, assim como para ter acesso a viagens internas nesse universo chamado rock. Gosta muito ainda do Iron Maiden, mas suas preferências são o rock instrumental, o Motörhead, e coisas velhas-novas. Tem autorização do filho do Lemmy para "tocar" uma peça com base em sua autobiografia, e está aos poucos levando o projeto adiante.

Mais matérias de Rodrigo Contrera no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor