Ozzy Osbourne: quando o Madman se aposentou, mas desistiu

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Igor Miranda
Enviar correções  |  Comentários  | 

Ozzy Osbourne deu início à década de 1990 melhor do que seus últimos anos na década de 1980. "No More Tears", lançado em setembro de 1991, segue como um de seus discos mais aclamados.

4014 acessosKrisiun: banda agradece e Ward conta como conheceu brasileiros5000 acessosAndre Matos: "Fui praticamente coagido a ser vocal do Viper!"

Neste período, O entrosamento da banda, especialmente entre Ozzy Osbourne e o guitarrista Zakk Wylde, era de se destacar. Wylde havia se tornado, enfim, um substituto a altura do falecido Randy Rhoads e do problemático Jake E. Lee. O pró-ativo baterista Randy Castillo e o baixista Bob Daisley, sempre importante nos bastidores, seguiam presentes.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

"No More Tears" também tem um ingrediente extra: a parceria com Lemmy Kilmister nas composições deu muito certo - ele co-escreveu "Mama, I'm Coming Home", "I Don't Want To Change The World" e "Hellraiser". Deu tão certo que as canções citadas são os maiores destaques do disco, ao lado da própria faixa título.

O problema é que mesmo lançando um disco excelente, com boas críticas e ótimas vendas, Ozzy Osbourne decidiu se aposentar. O anúncio foi feito na primeira metade de 1992. Na época, Ozzy afirmou que estava cansado das turnês e da sua própria imagem de "trevoso".

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Posteriormente, Ozzy Osbourne revelou que também quis parar após ter sido diagnosticado com esclerose múltipla, no início daquele ano. No entanto, os médicos erraram na conclusão: na verdade, Ozzy tinha a raríssima Síndrome de Parkin, um problema genético com sintomas semelhantes aos do Mal de Parkinson.

Vale destacar que, em alguns momentos, Ozzy Osbourne disse que encerraria sua carreira, mas em outros, pontuou que somente não faria mais excursões longas. Fato é que soou como um real anúncio de aposentadoria.

Dessa forma, a turnê que divulgou "No More Tears" foi batizada de "No More Tours". A expectativa é que Ozzy Osbourne fizesse pouco mais de 100 shows em cinco meses (ou 150 dias), entre junho e novembro de 1992.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

A "No More Tours" passaria por todos os cantos dos Estados Unidos e alguns trechos do Canadá. Estranho a turnê não ter contado com shows na Inglaterra, terra natal de Ozzy - o que indica que, de certa forma, é bem provável que ele não pretendia se aposentar por completo, apenas reduzir o ritmo.

Fato é que pouco mais da metade das apresentações previstas realmente aconteceram. Cerca de 40 shows foram cancelados - a maior parte deles não aconteceu porque ainda em julho, no início da turnê, Ozzy Osbourne quebrou o tornozelo. Algumas datas posteriores à recuperação do Madman também não ocorreram, mas não se sabe o motivo - baixa procura por ingressos é uma possibilidade.

"Depois de uns dez shows da turnê, eu estava treinando para ficar em forma. Pulei no palco e quebrei meu tornozelo. E saí ileso de todos os anos em que deveria ter quebrado meu pescoço caindo de escadas ou janelas", disse Ozzy Osbourne, com bom humor, em uma entrevista.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Em agosto, Ozzy Osbourne se recuperou e voltou a cumprir as demais datas, mas não remarcou as apresentações canceladas. A turnê terminou, mesmo, em novembro de 1992.

O encerramento da "No More Tours" também marcou a segunda vez em que Ronnie James Dio saiu do Black Sabbath. Ozzy Osbourne convidou sua antiga banda para abrir os dois últimos shows da turnê, que aconteceram no Pacific Amphitheatre, em Costa Mesa, Califórnia, Estados Unidos, nos dias 14 e 15 de novembro.

Com exceção de Ronnie James Dio, os demais integrantes do Black Sabbath - o guitarrista Tony Iommi, o baixista Geezer Butler e o baterista Vinny Appice - aceitaram. Isso causou um impasse, visto que Dio não se dava bem com Ozzy Osbourne.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

"Fui avisado no meio da turnê que abriríamos para Ozzy e eu disse 'desculpe, mas não, tenho mais orgulho do que isso'. Muitas coisas ruins eram ditas de um lado para o outro e criou esse cenário horrível. Com a banda aceitando o convite, cheirou a reunião para mim. E significava o fim daquele projeto em particular", explicou Ronnie James Dio, em uma entrevista concedida anos depois.

Ronnie James Dio optou por sair do Black Sabbath um dia antes dos shows em Costa Mesa. Rob Halford, vocalista do Judas Priest, apareceu às pressas e cobriu o posto para as duas apresentações que abririam para Ozzy Osbourne. Em ambas as ocasiões, Ozzy e o baterista Bill Ward também se juntaram a Tony Iommi e Geezer Butler para tocar algumas músicas do Sabbath.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Era, aparentemente, o fim para Ozzy Osbourne. A turnê foi registrada e o material compilado deu origem àquele que seria seu último lançamento: o disco ao vivo "Live & Loud", que chegou a público em 1993. A versão para "I Don't Want To Change The World" presente neste trabalho ainda garantiu um Grammy para o Madman, na categoria "Melhor Performance de Metal".

Mas Ozzy Osbourne desistiu de sua aposentadoria. Ficou parado por dois anos, até optar por seu retorno, sacramentado no álbum "Ozzmosis", de 1995. Muitos se esquecem, mas Osbourne faz parte do não tão seleto grupo de bandas que anunciaram seu fim, mas acabaram voltando, entre os quais se destacam KISS, Scorpions, Megadeth e Mr. Big.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

A descoberta de que não tinha esclerose múltipla, que veio algum tempo depois do fim da "No More Tours", também ajudou no retorno de Ozzy Osbourne. O Madman estava com 43 anos quando a turnê acabou, mas parecia ainda mais jovem quando voltou, já com 46. Bastaram um diagnóstico correto e as saudades do palco para trazer o Prince of Darkness de volta.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Comente: Conhecia esta história?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 07 de setembro de 2016

KrisiunKrisiun
Banda agradece e Bill Ward conta como conheceu os brasileiros

904 acessosBanda dos sonhos: qual seria a sua?176 acessosMarcos de Ros: Tony Iommi, Dois Dedos de Prosa1473 acessosLoudwire: em vídeo, os 10 maiores riffs de metal dos 80's0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Black Sabbath"

Por um trizPor um triz
Quando por pouco a história do Rock não foi a mesma

Cannibal CorpseCannibal Corpse
O segredo para se fazer música obscura

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Black Sabbath não teve culpa em volta ao vício

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Ozzy Osbourne"0 acessosTodas as matérias sobre "Black Sabbath"

Andre MatosAndre Matos
"Fui praticamente coagido a ser vocalista do Viper!"

Mike PortnoyMike Portnoy
A reação ao ouvir garoto de 8 anos tocando cover do Dream Theater

MalmsteenMalmsteen
"A 1ª vez que fui ao Brasil não consegui acreditar"

5000 acessosWest Ham: o time do coração de Steve Harris5000 acessosBlind Faith: uma das capas mais polêmicas da história5000 acessosMetallica: sobre o que fala "For Whom The Bell Tolls"5000 acessosMetallica: Segundo Mustaine, James, Cliff e Kirk iam demitir Lars5000 acessosNirvana: O equipamento de Kurt Cobain2926 acessosRosie: a saga do nome, quase sempre ligado à putaria no Rock

Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e apaixonado por rock há mais de uma década. Começou a escrever sobre música em 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Atualmente, é redator-chefe da área editorial do site Cifras e mantém um site próprio (www.IgorMiranda.com.br). Também co-fundou o site Van do Halen, para o qual trabalhou até 2013 – apesar de ainda manter por lá uma coluna semanal, chamada Cabeçote.

Mais informações sobre Igor Miranda

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online