Matérias Mais Lidas

imagemResenha - Max e Iggor Cavalera; Return to Roots (Rio de Janeiro, 05/08/2022)

imagemA lenda do Rock que se arrepende de nunca ter dormido com Jimi Hendrix

imagemQuando Slash tentou entrar pro Kiss mas foi rejeitado por um motivo cruel

imagemPodcast diz que prática comum no black metal hoje seria "coisa de esquerdomacho"

imagemO hit dos Engenheiros do Hawaii que faz uma dura crítica à panelinha do rock nacional

imagemPrika explica critérios para entrar na Nervosa: "Fascista na minha banda não toca!"

imagemDez clássicos do rock e do heavy metal que não têm bateria

imagemBittencourt começou a fazer tai chi chuan no camarim após beque de Mariutti bater forte

imagemO sensato conselho que Lulu Santos deu para o novato Herbert Vianna

imagemMúsicos famosos fizeram teste para o AC/DC sem que ninguém soubesse, conta baterista

imagemSlayer: Dave Lombardo surpreende ao eleger suas três músicas favoritas

imagemIron Maiden, Nervosa e Megadeth estarão na edição de 2023 do Wacken Open Air

imagemO hit da Legião Urbana cuja letra fala sobre esperança de Renato em se curar da AIDS

imagemSteve Vai dá show de humildade e faz a alegria de jovem fã durante show na Espanha

imagemPearl Jam: guitarrista se empolga e destrói equipamento e site faz conta do prejuízo


Stamp

Megadeth: Um mundo mais perigoso em "Holy Wars"

Por Rodrigo Lourenço Costa
Fonte: Blog HM - História e Metal
Em 01/09/13

Após a análise das canções sobre o tema "Holocausto Nuclear", passaremos agora para as músicas que tratam do tema "Novas Ameaças" com foco principal nos grupos terroristas/fundamentalistas. Segundo vários estudiosos, a fim da Guerra Fria tornou um mundo um lugar ainda mais violento, visto que os conflitos se espalharam pelo planeta, e principalmente nos países do extinto bloco socialista a venda de armamento a esses grupos terroristas se deu de maneira ampla e descontrolada.

Iniciaremos esse tópico analisando a canção "Holy Wars" do Megadeth.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Holy Wars...
Megadeth – Álbum: Rust in Peace (1990)

Brother will kill brother
Spilling blood across the land
Killing for religion
Something I don't understand

Fools like me, who cross the sea
And come to foreign lands
Ask the sheep, for their beliefs
Do you kill on God's command?

A country that's divided
Surely will not stand
My past erased, no more disgrace
No foolish naive stand

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

The end is near, it's crystal clear
Part of the master plan
Don't look now to Israel
It might be your homelands

Holy Wars!

Upon my podium, as the know it all scholar
Down in my seat of judgement
Gavel's bang, uphold the law
Up on my soapbox, a leader
Out to change the world
Down in my pulpit as the holier
Than-thou-could-be-messenger of God

(Tradução) Guerras Santas...

Irmão matará irmão
Derramando sangue pela terra
Matando em nome da religião
Algo que eu não entendo

Tolos como eu, que cruzam o mar
E chegam a terras estrangeiras
Pergunte ao rebanho, por suas crenças
Vocês matam em nome de Deus?

Um país que é dividido
Certamente não resistirá
Meu passado se apagou, chega de desgraça
Não resta nenhum tolo

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O fim está próximo, é evidente
Faz parte do plano mestre
Não olhe agora para Israel
Ela poderia ser sua terra natal

Guerras Santas!

Sobre o meu palanque, enquanto o Sábio estadista
Senta no banco do meu julgamento
A batida do martelo, apóia a lei
Em minha saboneteira, um líder
Determinado a mudar o mundo
Aqui em meu púlpito enquanto uma pessoa
Mais santa que você, pode ser o mensageiro de Deus

Análise

Os conflitos e guerras são movidos por diversos motivos, mas um em especial foi amplamente abordado pelas bandas de Thrash: a guerra religiosa. A região do Oriente Médio, a dissolução da Ioguslávia, e o conflito entre católicos e protestantes na Irlanda são exemplos. É sob este prisma que o Megadeth compõe "Holy Wars", certamente um clássico definitivo da banda, e também da história do Thrash Metal.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em tempo, a canção chama-se "Holy Wars... the punishment due", e na verdade são duas músicas diferentes que compartilham a mesma melodia. mas o que interessa para a análise é a primeira parte. A segunda parte, segundo Dave Mustaine, fala sobre o herói dos quadrinhos "The Punisher" (o Justiceiro).

Utilizando citações do autor da canção, a música foi criada primeiramente devido ao conflito entre católicos e protestantes na Irlanda. Dave Mustaine certa vez em turnê por aquele pais, viu que havia material da banda vendido sem licença e ouviu do vendedor que era para "causa" do IRA, e segui-se uma pequena síntese dos conflitos de católicos contra protestantes. O próprio Dave Mustaine tem ascendência irlandesa, e acabou sendo banido da Irlanda por uma década por uma confusão causada em um show em 1988, quando disse que não entendia como uma religião poderia criticar a outra. Esse incidente o teria inspirado a escrever "Holy Wars".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Junte a isso uma crescente onda de ataques terroristas no oriente médio, as Guerras entre Irã e Iraque, bem como a dissolução do bloco soviético que gera um armamento descontrolado dos países fundamentalistas, ajudaram Mustaine na composição. Citação do próprio autor, diz que não entende como pessoas como Muamar Khadafi (que foi presidente da Líbia entre setembro de 1969 até ser morto pela revolução em agosto de 2011) ou o Aiatolá Khomeine (Líder religioso e político do Irã, entre dezembro de 1979 até ser morto pela revolução em 03 de outubro de 1989) não ligam para seu povo e os jogam numa suposta guerra por motivos religiosos, quando querem apenas se perpetuar no poder a qualquer custo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Logo a primeira estrofe da canção traz toda a essência da ideia contida nela: "Brother will kill brother / Spilling blood across the land / Killing for religion / Something I don't understand". Segundo o compositor, a letra não fala de nenhum conflito em especial, mas da inconcebível noção de guerra religiosa, uma vez que as religiões deveriam trazer paz ao espírito humano, e não fazê-los se matarem. Esta frase inicial remete ao acontecido com o próprio Mustaine no episódio da Irlanda em 1988. E continua uma referência pessoal na passagem "Fools like me, who cross the sea / And come to foreign lands", certamente falando sobre a imigração de sua família para os EUA, mas ainda assim acabam sendo atingidos pelo conflito religioso de uma maneira ou de outra. Isso, certamente, se estende a outros imigrantes das mais diversas etnias.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Nas linhas "A country that's divided /Surely will not stand" podemos visualizar muito claramente a situação de diversos países envoltos em guerras religiosas, como os já citados anteriormente. E embora haja uma referência literal à Israel no trecho "Don't look now to Israel /It might be your homelands", o contexto da música dá a entender que está falando sobre o berço de todas as religiões monoteístas, e que estão constantemente em guerras à séculos.

Essa ideia se mostra correta quando atentamos que o nome da canção está no plural, pois também são plurais as religiões e seus conflitos históricos. Há uma crítica muito clara aos governos teocráticos, quaisquer que sejam, usando a religião para fazer política, evidenciada na passagem "Down in my pulpit as the holier /Than-thou-could-be-messenger of God", pois esses líderes discursam em nome de Deus, mas governam em proveito próprio.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Analisando os parâmetros melódicos, podemos dizer, sem medo de errar, que "Holy Wars" figura entre os chamados "hinos" do Thrash Metal. Os riffs iniciais da canção, onde as guitarras de Dave Mustaine e Marty Friedman entram limpas e ao mesmo tempo nervosas, se tornaram quase sinônimo do Metal praticado naqueles anos. Tanto que a introdução da música foi utilizada pela Rede Globo para as chamadas do Rock in Rio II em 1991, onde se apresentou o Megadeth.

A velocidade apoteótica é quebrada pela guitarra acústica, quando a segunda parte, já mais cadenciada, se inicia para Mustaine declamar a ultima estrofe, como quem realmente faz um discurso.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A massa sonora produzida pela banda, bem como as quebras de andamento, e os riffs poderosos, aliados a partes melódicas que levam o ouvinte a experimentar a tensão da guerra, a raiva e o êxtase, tornam essa canção uma das mais técnicas e representativas do Megadeth.

Um documento que ainda hoje reverbera para a audiência, tendo visto que os conflitos religiosos, com o acirramento de ânimos por todos os lados, ainda fazem milhões de vítimas ao redor do planeta.

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CHRISTIE, Ian. Heavy Metal: a história completa. São Paulo: Editora Arx, 2010.

HOBSBAWN, Eric. Era dos Extremos: O Breve Século XX (1914-1991). São Paulo; Companhia das Letras, 1995.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

MEYER, Michael. 1989: o ano que mudou o mundo: a verdadeira história da queda do Muro de Berlim. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2009.

NAPOLITANO, Marcos. A História depois do papel. In PINSKY, Carla Bassanezi (org.) Fontes Históricas. 2ª Edição, São Paulo: Contexto, 2010.

______. História e Música: História cultural da música popular. 3ª Ed. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2005.

www.megadethbrasil.com. Acesso em: 06 jun 2010

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Iron Maiden, Nervosa e Megadeth estarão na edição de 2023 do Wacken Open Air

O álbum do Megadeth que parecia ser do Metallica, até que um fã enquadrou Mustaine

Demissão de Ellefson foi um período delicado para integrantes do Megadeth, diz Mustaine

Cinco álbuns de heavy metal que serão lançados em setembro e merecem sua atenção

Dave Mustaine diz o que pensa sobre a própria voz e como se vê em vídeos

Megadeth: 15 músicas que a banda de Dave Mustaine nunca tocou ao vivo - Parte II

As 10 melhores baladas do thrash metal, em lista da Metal Hammer

Megadeth: Segundo Mustaine, depois da entrada de Kiko as coisas começaram a se encaixar

Megadeth: 15 músicas que a banda de Dave Mustaine nunca tocou ao vivo - Parte I

Cinco formações do Megadeth que gravaram apenas um disco de estúdio

Kiko Loureiro compartilha imagem pesada que vai derrubar sua conexão com a Internet

Megadeth: "Não somos uma banda de thrash metal"

Ellefson e outros ex-Megadeth tocarão músicas da banda em mini-tour pelos EUA

Os piores álbuns lançados pelas bandas do "Big Four" do thrash metal

Novo clipe do Megadeth ultrapassa um milhão de visualizações no Youtube

A dura opinião de Dave Mustaine sobre pessoas que ficam mudando de estilo musical

Megadeth: Kiko conta como foi primeiro encontro com Mustaine

Megadeth: quando criança, Mustaine só tinha permissão para amizade com pessoas da igreja

Guns N' Roses: a versão de Axl Rose sobre a separação

Metal: 16 músicas dos anos 80 para se escutar durante o treino