April Wine

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Allan Jones
Enviar correções  |  Comentários  | 

O April Wine foi formado em 1969, logo após o boom dos Beatles e dos Rolling Stones. Diferente dos ícones do rock n’roll, o April Wine era do Canadá, e não da Inglaterra, e a sua sonoridade também era bem diferente. Assim que se lançaram, eles conseguiram notoriedade na América do Norte. No Canadá, eles conquistaram logo de cara um disco de platina.

5000 acessosStairway to Heaven: o maior hit do Led Zeppelin5000 acessosGaleria - Tatuagens em homenagem a artistas e bandas - Parte 1

Nos dois primeiros álbuns, a banda contava com Goodwyn Myler na guitarra e vocal. O restante eram os irmãos Henman na guitarra e bateria e o baixista Jim Clench.

Em “Electric Jewels” de 73, Gary Moffet e Jerry Mercer substituiram os irmãos Henman. O disco foi muito bem recebido e a banda caiu na estrada para só voltar aos estúdios em 75, quando lançaram “Stand Back”. Antes de “Stand Back”, editaram um álbum gravado ao vivo.

Em “The Whole World's Goin' Crazy“, mais uma mudança, Steve Lang assumia as baquetas. “The Whole World's Goin' Crazy “foi aclamado pela crítica como o melhor trabalho da banda até a data.

Mais alguns discos foram lançados: "Forever, For Now" (1977), "Live At The El Mocambo" (1977) e "First Glance" (1978). Neste último disco a banda estava estreiando na gravadora Capitol e surpreendia a todos quando anunciava a entrada de um terceiro guitarrista. O April Wine já possuía um grande status na América e podia se dar ao luxo de ousar desta maneira. Seus álbuns entravam sempre no top Americano e isso era suficiente.

“Harder... Faster” de 81, foi o maior sucesso de toda a carreira da banda. Com um hard rock primoroso, o April Wine começava a incomodar as chamadas grandes bandas, inclusive seus compatriotas, o Rush.

“The Nature Of The Beast”, “Power Play“, ”Animal Grace”, ”Walking Through Fire” foram os álbuns lançados nos anos 80. Seguiam em queda livre, tanto nas vendas como no conteúdo.

“Walking Through Fire” foi a despedida, em 86. O vocalista resolveu partir para uma carreira solo e como ele era o líder da banda, ela chegou ao fim.

Retornariam em 93 com Goodwyn, Clench, Mercer e Greenway no line-up, mais um guitarrista chamado Steven Segal (não é aquele ator bom de briga que usa um rabo de cavalo). Lançaram um disco chamado “Attitude” que nem tinha tanta atitude assim. A banda apenas repetiu a fórmula com um toque de modernidade.

Em 94 sairia “Frigate”, um disco experimental. O experimento não deu certo, pois o conteúdo deixou a desejar.

Após este lançamento, a banda passou a se concentrar apenas nos shows. Em 2002 saiu a coletânea definitiva chamada de “Classic Masters”.

A banda segue tocando pelo Canadá, apenas.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "April Wine"

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "April Wine"

Led ZeppelinLed Zeppelin
O que você sempre quis saber sobre "Stairway To Heaven"

TatuagensTatuagens
Homenagens a artistas e bandas na pele dos fãs - Parte 1

SlayerSlayer
Fãs hardcore dão (literalmente) o sangue pela banda

5000 acessosHistória do Rock: dos primórdios aos anos 705000 acessosJack Bruce: "Foda-se o Led Zeppelin, eles são um lixo!"5000 acessosKid Vinil: "Uns 10 mil vinis e mais uns 10 mil CDs!"5000 acessosMike Mangini: um dos bateristas mais rápidos do mundo?5000 acessosJudas Priest & FNM: Halford comenta foto polêmica com Bottum5000 acessosCavalera Conspiracy: Max conta como trocou uma Gibson por um chinelo

Sobre Allan Jones

É carioca, tem 23 anos e ouve rock desde pequeno. Suas principais influências são dos anos 70 e 80. Fez vários trabalhos relacionados ao rock, desde programas de rádio até promoção de eventos. Além disso, é músico e também faz trabalhos relacionados ao teatro. Oficialmente trabalha para a secretaria de fazenda de uma prefeitura de um município do Rio. Atistas prediletos: Kiss, Alice Cooper, Van Halen, Todd Rundgren, Asia, Kansas, Journey e as bandas do cenário do hard oitentista.

Mais matérias de Allan Jones no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online