Stratovarius

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Haggen Kennedy
Enviar Correções  

O Stratovarius foi fundado em 1984 por três músicos de Helsinki, Finlândia: o baterista e vocalista Tuomo Lassila, o baixista John Vihervã e o guitarrista Staffan Strahlman. Nesta época a banda se chamava Black Water e eram influenciados por Black Sabbath e Ozzy Osbourne. O guitarrista Staffan trouxe à banda alguns elementos clássicos. O baixista John deixou a banda em fins de 1984 e foi substituído por Jyrki Lentonen, que anteriormente tocara com Timo Tolkki.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em 1985, Staffan deixou a banda uma semana antes de um show. Tuomo telefonou a Timo Tolkki e pediu a ele para se juntar à banda. Com o tempo tornou-se claro que Tuomo não poderia ficar com a bateria e o vocal e Timo apresentou-se como frontman. Nesse ponto a música começa a ter muita influência melódica e clássica.

A banda fez algumas demos que foram enviadas a várias gravadoras na Finlândia e a CBS Finland os procurou para um contrato. Um novo tecladista de nome Antti Ikonen entrou para o grupo e com essa formação o Stratovarius gravou o seu primeiro single com Future Shock e Witch Hunt, em 1988. Em 89 outro single denominado Black Night e Night Screamer e, finalmente, o álbum de estréia Fright Night.

O Baixista Jyrki Lentonen deixa a banda e em 1990 novo material era escrito. Porém a CBS já não tinha interesse em lançar o novo material, o que forçou o Stratovarius a financiar as suas próprias gravações sem nenhum contrato. Desta maneira foi lançado Stratovarius II, no início de 1992, na Finlândia.

Muitas fitas foram enviadas pelo mundo todo e a Shark Records quis assinar com a banda, depois de escutar a canção Hands of Time. Stratovarius II foi lançado com uma nova capa e um novo nome, Twilight Time, no fim de 92 em toda a Europa e Japão onde ficou 5 meses no Top 10 de discos importados.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O terceiro álbum, Dreamspace, teve lançamento mundial no inicio de 94, sendo bem aceito pela crítica. São deste álbum os clássicos Dreamspace, 4th Reich e Chassing Shadows. Foram feitos neste ano concertos em Tokio, Osaka e Nagoya.

Novo material foi escrito na primavera de 94 e a banda entrou em estúdio com ótimas impressões pela tour no Japão. Então Timo Tolkki decidiu que seus dias de cantor estavam acabados e que banda precisava procurar um cantor estável e que soasse bem. Timo Kotipelto recebeu um telefonema de Timo Tolkki e após uma audição Timo Kotipelto torna-se o vocalista do Stratovarius.

publicidade

A nova fase de Timo pode ser ouvida no quarto lançamento da banda, Fourth Dimension. O título do álbum diz tudo e o som e as canções eram algo totalmente diferente do que eles já tinham feito antes, mas o estilo de música permanecia como o verdadeiro metal do Stratovarius. As vendas dobraram.

A banda fez tour tocando em shows por toda a Alemanha, Suiça, Holanda, Finlândia, Grécia e Japão. Após todas essas tours, Tuomo Lassila e Antti Ikonen, os membros de mais tempo na banda quiseram sair, pois não podiam tocar o material desenvolvido por Timo Tolkki. Entraram então para substituí-los o novo baterista Jörg Michael da Alemanha, que anteriormente tocara com o Running Wild e Mekong Delta e o novo tecladista Jens Johansson, que tocara com Dio e Malmsteen.

Foi lançado então o quinto álbum da banda, Episode. Com uma atitude mais nova e o som de Johansson e Michael, o resultado foi um álbum dramático, melódico e metálico. Também pela primeira vez um coro de 40 cantores e uma orquestra de 20 instrumentos de corda foram usados.

Em 1997 a banda lançou um novo disco, Visions, com clássicos como The Kiss of Judas e Black Diamond. A tour foi grande e englobou vários países, como EUA, Dinamarca, Grécia, Japão, Alemanha, Finlândia, Suíça, Suécia, Inglaterra e Brasil. Desta tour saiu Visions of Europe que se trata de um cd duplo ao vivo e traz músicas antigas mescladas às que foram sucesso absoluto do álbum Visions.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em 1998 a banda lança seu sétimo trabalho, Destiny. Um álbum que prima por uma variação maior em seus arranjos e que traz mais uma vez, uma linda capa. A fórmula continua a mesma, ou seja, estilo que consagrou a banda desde Episode e mais adiante, Visions. Destiny vem com outras melodias que a banda não tinha tentado antes como a introdução belíssima de Anthem of the World. Vale destacar que a banda apostou em conceber algumas passagens mais profundas musicalmente, como por exemplo melodias tristes, mas sem deixar sua veia mais heavy metal. Outro destaque óbvio é a música Venus in the Morning onde Timo Kotipelto mostra toda sua versatilidade já comprovada antes como vocalista. Outros destaques ficam por conta da faixa-título (típico clássico para abertura de shows), The Rebel, Playing With Fire, SOS etc.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E, em 2000 vem o novo álbum, o Infinite, seguindo o caminho trilhado por Destiny. Agora, a temática do disco se fecha em temas sobre o universo e a grandeza do cosmos. Quanto às musicas, apresentam uma maior participação do tecladista Jens Johansson na composição, e belos arranjos com corais e cordas. Traz de cara um novo single (Hunting High And Low) seguido de um clip, e grandes tournês, passando novamente pelo Brasil.

No ano de 2001, fora lançado o disco Intermission, desta vez sem músicas inéditas, apenas bonus tracks de discos previamente lançados (muitas delas antes apenas disponíveis em singles), alguns covers, entre eles 'Bloodstone' do Judas Priest e 'Kill The King', do Rainbow.


Vem o ano de 2003 em que o Stratovarius lança dois novos álbuns, "Elements PT.1" e "Elements PT.2", além do single "Eagleheart", seguido de um clipe. Os álbuns soaram um pouco diferente dos anteriores, nenhuma mudança dramática, mas as músicas tinham um som diferente do resto. Alguns fãs não aceitaram esses álbuns com facilidade, embora eles tenham sido um sucesso.

2004 e o começo de 2005 foram tempos turbulentos para o Stratovarius. O Líder da banda Timo Tolkki (guitarrista), sofre de problemas mentais; por causa desta doença toma atitudes estranhas e acaba gerando uma grande confusão, expulsando membros, contratando uma vocalista feminina e dando declarações místicas banhado em sangue. Após tratamento e com pedidos de desculpas de Tolki pelos atos durante o tempo de insanidade, Kotipelto voltou para a banda, junto com Jörg.

Apesar do clima tenso, com a banda reunida, foi produzido o décimo terceiro álbum de estúdio, auto-entitulado, em 2005. Um álbum com sonoridade diferente, sem o pedal duplo de sempre, e com os gritos agudos de Kotipelto não tão abundandes quanto antes. Os membros já estavam cansados de repetir o mesmo modo de tocar em tantos álbuns. O resultado é um verdadeiro recomeço depois de tanta confusão.

Após as gravações terminarem, o baixista Jari resolveu sair da banda, por razões pessoais. Foi substituído por Lauri Porra, baixista que já havia tocado com Timo Kotipelto em seu álbum solo.

Colaborou: Felipe Fraga
Atualizado por Danilo Halliwell Freire (Siddhartha)

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Timo Tolkki: Músico faz Livestream Acústica e canta "The Hands of Time" novamente

Stratovarius: Em Intermission, o primeiro Intervalo da banda

Stratovarius: músicos paulistas gravam cover da clássica "The Kiss of Judas"


Power Metal: As bandas mais populares segundo o FacebookPower Metal
As bandas mais populares segundo o Facebook

Apocalipse: confira 5 das melhores músicas sobre o temaApocalipse
Confira 5 das melhores músicas sobre o tema


Ghost: De quais bandas brasileiras eles gostam?Ghost
De quais bandas brasileiras eles gostam?

Humor: Os impressionantes diários secretos de Roger WatersHumor
Os impressionantes diários secretos de Roger Waters


Sobre Haggen Kennedy

Nascido ao fim dos anos 70 e adolescido em meio ao universo metálico, Haggen Heydrich Kennedy já trabalhou e atuou numa vultosa gama de atividades, como o jornalismo, o desenho, a informática, o design e o ensino, além de outros quefazeres. Atualmente vive em Atenas, Grécia, onde estuda História, Arqueologia e Grego Antigo na Universidade de Atenas. A constante nesse turbilhão de ofícios, todavia, sempre constituiu-se de dois fatores: as línguas (ainda hoje trabalha com tradução e interpretação) e a música - esse último elemento, definitivo alimento espiritual.

Mais matérias de Haggen Kennedy no Whiplash.Net.

Cli336 CliHo Cli336 WhiFin CliIL Cli336 Cli336 Cli336